Tag Archives: rim

BlackBerry 10: o “tudo ou nada” da RIM… ops, quero dizer… BlackBerry

by

Ontem (30/01), um assustado Thorsten Heins (se bem que eu acho que a cara dele é sempre aquela) apresentou ao mundo aquilo que podemos chamar de “tiro de misericórdia” da BlackBerry (que antes era conhecida como RIM). Com uma boa quantidade de novidades, um sistema operacional concebido “do zero”, e dois novos smartphones, a empresa de Waterloo quer reconquistar parte de um mercado que um dia foi seu, além de tentar a (muito) difícil missão em achar algum espaço junto ao público que hoje abraça os sistemas iOS, Android e Windows Phone.

A primeira novidade é a mudança de nome. A empresa deixa de ser conhecida comercialmente pelo nome RIM (Research in Motion) para assumir a marca mais forte, aquela que fez ela se tornar conhecida no mundo todo: BlackBerry. E faz todo o sentido. Primeiro, RIM é um nome que lembra um órgão humano. Segundo, não faz muito tempo que muitos de nós nos referíamos ao BlackBerry como sinônimo de “smartphone diferenciado”. Nenhum outro smartphone era como o BlackBerry, que usava uma rede de dados própria, era uma rede mais segura, mais cara, porém, ilimitada, e os seus dispositivos era quase um sinônimo de que você era alguém importante. Ou que, pelo menos, queria se fazer importante com os seus dados, mostrando ao mundo que “não posso deixar de receber meus e-mails em hipótese alguma”.

A segunda mudança da BlackBerry está na sua filosofia de negócios. A empresa não abandonou o mercado corporativo, mas não aposta exclusivamente nesse mercado. Entendeu finalmente que precisa buscar o usuário casual, aquele usuário que gosta de smartphones simples, com recursos e funcionalidades de fácil acesso. Por isso, coloca como seu carro-chefe o BlackBerry Z10. Vendo de longe, acho o smartphone bonito, elegante na sua proposta, prático em algumas funcionalidades, e com um sistema operacional razoavelmente leve. Mas eu sou suspeito para falar. Eu sou geek: gosto de praticamente tudo que tem uma tela colorida, ícones e consegue acessar a internet. Logo, não sou referência. A pergunta é: será que esse smartphone, com um sistema operacional totalmente repensado, pode ser o suficiente para que a RIM consiga se recuperar no segmento mobile?

Pelo smartphone, sozinho, tudo indica que sim. Só que a RIM BlackBerry (até eu me acostumar…) esbarra em uma pedra gigante: oferta de aplicativos e conteúdo multimídia.

Hoje, eles anunciaram que, quando o Z10 e o Q10 (o segundo smartphone da BlackBerry, também com BB10, mas com teclado QWERTY físico combinando com uma tela sensível ao toque) chegarem ao mercado lá fora (primeiro no Canadá e Estados Unidos, depois nos demais mercados), a BlackBerry World, loja de conteúdos para os dispositivos já contará com mais de 70 mil aplicativos cadastrados. É muito para uma loja nova, mas é pouco para um universo mobile já consolidado. Não é nem 10% daquilo que o iOS e Android já oferecem em suas respectivas lojas, e muito atrás ainda da loja do Windows Mobile, que eu considero bem incompleta diante dos dois primeiros.

Mesmo com todos os incentivos que a BlackBerry está ofertando para os programadores portarem os seus apps para a nova plataforma, o termo “time is money” certamente vai entrar nessa equação. Mesmo que as empresas ofereçam SDKs que agilizam o processo, um bom programador demora horas, dias, semanas de trabalho diante do computador para ajustar cada linha de comando do seu aplicativo para a nova plataforma. E só ele sabe quanto isso custa. Agora, para uma plataforma do tamanho da BlackBerry 10, que acabou de nascer, esse valor vai ter que ser reduzido, uma vez que quase ninguém tem o smartphone. Diferente da oferta do Android, que é gigantesca. E não sei se os programadores vão querer perder o seu tempo adaptando os seus aplicativos para “praticamente ninguém”. Mas, quando o tempo passar, isso deve mudar. Só não sei se a BlackBerry vai ter muito tempo.

Tudo bem que algumas críticas sobre o produto já chegaram. Alguns jornalistas mostraram em testes o quão ruim é a câmera do BlackBerry Z10 diante dos seus principais concorrentes, mostrando que a BlackBerry se esqueceu de um item considerado vital para o novo público consumidor que eles querem alcançar. Mas, como estamos ainda no “recomeço”, como bem disse o CEO da empresa, vamos dar um desconto, e algum (pouco) tempo para que eles possam corrigir essa e outras falhas que certamente vão aparecer no decorrer das próximas semanas.

Não posso dizer que não gostei do que vi. Gostei do BlackBerry 10, do BlackBerry Z10, e acho que são propostas bem interessantes para o mundo mobile. Porém, eles podem cair no mesmo caso do Palm OS, que todo mundo elogiou, todo mundo disse que era bom, mas pelo fato de só ser vendido em sete países do planeta, ele foi um fracasso gigante, sendo retirado do mercado poucos anos depois. Não creio que seja o caso da BlackBerry. Se eles vão fazer propaganda até no Super Bowl do próximo domingo, não acredito que eles vão restringir a oferta dos produtos aos mercados que só eles acreditam ser mais lucrativos. O lançamento é global.

Mas… sera que tem espaço ainda para ele no mundo mobile?

É uma pergunta que só o tempo vai responder. Não havia espaço para o Windows Phone, e quase três anos após o seu lançamento, ele encontrou o seu espaço. Da mesma forma que ninguém imaginava que o Symbian fosse morrer um dia, e ele simplesmente desapareceu. Não me atrevo a afirmar nada. Apenas torço que o BlackBerry 10 dê certo, de verdade. Afinal de contas, toda concorrência é saudável. E quanto maior a concorrência, melhor para o usuário.

BlackBerry 10 Jam passou por São Paulo, com lotação máxima de sala de cinema

by

Aconteceu no dia 23 de agosto em São Paulo, a edição brasileira do BlackBerry 10 Jam, road show mundial promovido pela Research In Motion (RIM), fabricante dos smartphones BlackBerry. Realizada no Cinemark do shopping Market Place, o evento atingiu sua capacidade máxima e reuniu a nata dos desenvolvedores brasileiros para falar sobre BlackBerry 10, plataforma revolucionária dos próximos smartphones BlackBerry que chega ao mercado mundial no início de 2013.

Durante as mais de nove horas de evento, os presentes tiveram a oportunidade de conhecer detalhes sobre a migração e monetização de aplicativos na plataforma BlackBerry 10. Conceitos, pontos fortes, maneiras de criar ou migrar apps foram apenas alguns dos temas discutidos pelos palestrantes nacionais e internacionais da RIM. Martyn Mallick, vice-presidente global de alianças; Peter Gould, vice-presidente e diretor geral da RIM para o Brasil; e os evangelistas Larry McDonough, Demian Borba e Brian Tafel foram alguns dos nomes presentes.

A plateia mostrou constante entusiasmo a cada novidade apresentada pelos palestrantes. Além de novidades do sistema operacional, ainda houve apresentação de dados mercadológicos e sobre monetização de aplicativos, informações de extrema valia para os desenvolvedores.

A salvação da RIM (e do BlackBerry) pode ser… o Windows Phone 8!

by

Antes que me xinguem, tudo o que eu vou dizer abaixo é apenas uma teoria. Uma simples proposta de discussão de ideias, apenas para começar a semana. Nada aqui representa uma proposta para uma eventual solução de problemas da Research in Motion, mesmo porque eu não sou pago para isso. Nosso amigo Thorsten Heins, CEO da empresa, que se vire para salvá-la do buraco.

Os últimos resultados financeiros da RIM correspondentes ao último trimestre são um verdadeiro desastre. As perdas ficaram acima de qualquer tipo de previsão feita pelos analistas de mercado ou pela própria empresa. Como consequência, eles reduziram a sua folha de funcionários em praticamente um terço (5 mil demissões estão programadas para os próximos meses). Essa notícia para a imagem da empresa é péssima, e certamente vai afugentar possíveis investidores interessados em lucrar na recuperação da fabricante canadense. Afinal, quem quer investir dinheiro em uma empresa que não gera lucros?

Para piorar a situação, a RIM decidiu adiar o lançamento do BlackBerry 10, a nova versão do seu sistema operacional móvel, que mesmo bem elogiado pelos presentes no evento para desenvolvedores da empresa, só chegará ao mercado no primeiro trimestre de 2013, deixando que todos os seus concorrentes apresentem novos modelos de smartphones, roubando mais um pouco do cada vez mais reduzido mercado dos smartphones BlackBerry.

E apesar de Thorsten Heins afirmar que está otimista com o futuro do BB10, é fato que ele precisa lidar com uma situação nada confortável, que é gerenciar uma empresa que financeiramente agoniza, sem ter certeza que vai ter forças para passar por uma recuperação lenta. Principalmente quando o próprio Heins afirma que parte dessa recuperação passa por manter o BlackBerry sob uma mesma plataforma, até que a nova versão do SO móvel seja lançado.

Porém, a pressão por resultados é grande, e o tempo não para. Os concorrentes não vão ficar parados, esperando pelo lançamento de novos modelos BlackBerry, e os atuais investidores da empresa exigem resultados rápidos. E é aí que os rumores começam. Com toda a força.

Segundo uma fonte da Reuters, a cúpula diretiva da RIM começa a pensar seriamente em outras opções para salvar os seus produtos e, por tabela, a empresa. Uma dessas alternativas é admitir publicamente que errou ao escolher a estratégia de sua plataforma móvel, e abandonar o uso do seu próprio sistema operacional para smartphones (ou pelo menos até que a nova versão chegue ao mercado em 2013).

“E o que eles vão usar no lugar?”, você pergunta. A resposta, logo abaixo.

Isso mesmo. O Windows Phone 8, da Microsoft.

Nos últimos meses, RIM e Microsoft se aproximaram, graças à influência de Steve Ballmer, com o objetivo de um acordo ou parceria semelhante com aquela que a gigante de Redmond mantém com a Nokia. De acordo com as fontes, a RIM poderia oferecer para a Microsoft uma parte das ações da empresa, em troca de um pesado investimento em marketing e no custeio dos gastos gerais da Research in Motion. Para a empresa canadense, essa solução não é interessante, pois acabaria com a independência da empresa no seu negócio. Mas, em tempos de crise, o que é melhor: ser independente, mas sem dinheiro no bolso, ou depender de uma das maiores fabricantes de software do mundo, e ter as contas pagas?

Outro detalhe a ser observado, é que para conseguir dispositivos de sucesso, a RIM seria obrigada a portar o seu serviço de mensagens seguras para a plataforma da Microsoft, uma vez que esse é o elemento essencial para que um smartphone seja considerado um BlackBerry genuíno. Isso resultaria em um maior tempo de desenvolvimento e adaptação dos aparelhos para as especificações requeridas.

O que deve impedir que essa parceria aconteça (na minha opinião) é o fato que, em uma hipotética janela de lançamento dos BlackBerrys com Windows Phone para o final de 2012, o intervalo para a chegada dos modelos com o BlackBerry 10 OS seria de, no máximo, cinco meses (a própria RIM afirma que smarts com BB10 chegam ao mercado até o final do primeiro trimestre de 2013). E a ideia de uma mudança tão grande em um curto espaço de tempo é, no mínimo, contraproducente para uma empresa que precisa recuperar dinheiro.

A matéria da Reuters revela também uma segunda opção nos possíveis planos da RIM para se salvar: vender a sua rede de mensagens para outra empresa, ou modificá-la para que ela possa ser utilizada por outros smartphones, licenciando de algum modo o seu uso em outros sistema operacionais móveis. Jim Balsille, antigo CEO da empresa, já apresentou essa opção, que apesar de ser cogitada, não foi aprovada.

Os rumores seguem, mesmo com tantas notícias negativas em torno da RIM. Seja lá qual for o futuro da empresa, é triste saber que uma marca tão icônica como o BlackBerry pode desaparecer. Eu fui um daqueles que tive um aparelho BlackBerry durante um ano, e aproveitei muito dos benefícios dos seus serviços. Abandonei o aparelho porque reconheço que sua proposta ficou obsoleta, e que outros aparelhos chegaram por aqui, com funcionalidades e recursos mais completos. Mas espero que a Research in Motion ainda tenha tempo de se reinventar e sobreviver no disputado mercado de tecnologia. Afinal de contas, ainda defendo a máxima de “quanto maior o número de opções, mais completo o mercado fica”.

[Vídeo] Um robô controlado pelo BlackBerry PlayBook

by

Oficialmente, ele não tem nome. Mas o nome PlayRobot pode lhe cair muito bem. temos aqui um pequeno veículo robótico controlado por um BlackBerry PlayBook, que conta com uma câmera incorporada, que transmite em tempo real o que o robô está vendo, através de uma conexão Wi-Fi, estabelecida por um smartphone BlackBerry 9900. O dispositivo conta com seis rodas, e é controlado por um joystick virtual, projetado na tela do tablet. O robô foi apresentado na Robot Challenge de Viena, Áustria. Abaixo, vídeo com a ação que o robô pode produzir.

Via CrackBerry

Celulares com BlackBerry OS 7 estão desligando automaticamente durante a recarga de bateria

by

Alguns sites e fóruns dedicados ao BlackBerry estão informando que os modelos Bold 9900 e 9930 com BlackBerry OS 7 estão desligando automaticamente durante a noite, enquanto sua bateria é recarregada. A RIM confirmou o problema nesse fim de semana, através de um comunicado de um porta-voz da empresa, que disse que “um número limitado de clientes informaram o problema”, adicionando que eles estão “trabalhando ativamente em uma atualização do software para solucionar o inconveniente”. Não dá pra saber a porcentagem dos aparelhos que estão com esse problema, muito menos quando que a tal atualização estará disponível. Para os afetados com o problema, só resta ter um pouco de paciência.

via BGR

Vídeo: DOSBox traz o DOS e o Windows 3.11 para o BlackBerry Playbook

by

Se o sistema operacional do BlackBerry Playbook não te parece suficientemente útil, aqui temos uma solução. O sempre prático DOS chega ao tablet da RIM graças ao DOSBox, um emulador x86, que além de rodar o MS-DOS, permite a execução do Windows 3.11. Alguns pensaríam que o DOS é algo totalmente inútil, e esses com certeza nunca jogaram Wolfstein 3D. Se você tem um Playbook, pode instalar o emulador sem problemas (e um teclado Bluetooth, pois vai precisar). Vídeo abaixo de como tudo funciona.

via n4bb.com

Vídeo: BlackBerry Packager para Android aparece de surpresa

by

Parece que a BlackBerry deixou escapar um vídeo de uma gravação oficial da empresa, onde eles explicam como funciona o BlackBerry Packager, um conversor de pacotes APK para Bar, que permitirá a execução dos aplicativos Android nos tablets Playbook. Para isso, os desenvolvedores só precisão obter as assinaturas digitais na área de desenvolvedores do BlackBerry, para depois seguir em um simples processo de verificação de compatibilidade, remontando e realizando o envio do novo arquivo, para que ele seja assinado novamente pelo fabricante. Não há detalhes de quando veremos o BlackBerry Packager disponível. Por enquanto, só o vídeo abaixo.

Drástica redução de acidentes em Dubai e Abu Dhabi durante os problemas de conexão do BlackBerry

by

Ainda que a notícia pareça estranha, não deixa de ser curioso o informado pela polícia de Dubai e de Abu Dhabi. Segundo informam as autoridades, durante os três dias de “apagão” das redes BlackBerry, os acidentes de tráfego caíram em 20% e 40% em cada cidade, respectivamente.

Ainda que a coincidência de datas não é uma evidência clara para relacionar os dois eventos, na opinião da polícia, os problemas de conexão da RIM ajudaram a reduzir o número de vítimas no trânsito na semana passada. Para ser mais claros, o tenente da polícia de Dubai explicou que os acidentes se reduziram principalmente entre os motoristas jovens, adicionando que não houve vítimas fatais durante o período em que o serviço do BlackBerry ficou interrompido.

É o suficiente para você?

via BGR

56% dos novos compradores de smartphones nos Estados Unidos opta pelo Android

by

Quem revela isso são os dados da Nielsen Ratings em sua última pesquisa. O que chama a atenção é que, na última medição da consultora, o Android tinha 40% de cota de mercado, enquanto que a Apple registrava 28%. Com algumas semanas, o Android já registra 43%, e 56% das pessoas que compraram um smartphone nos últimos 3 meses optaram pela plataforma do Google. De fato, a Apple só resiste ao avanço do Android no país porque ganha terreno sobre a RIM (que só foi lembrada por 9% dos usuários), enquanto que os demais sistemas (Symbian, WinPho, Bada ou MeeGoo), contam com 6% das opções de compra combinados.

via Nielsen

Aparece um misterioso BlackBerry em um fórum: protótipo desconhecido? Ou produto falsificado?

by

Um usuário do fórum MaxPDA publicou uma foto de um BlackBerry não identificado. E, com isso, as especulações começam. Alguns alegam que pode ser o BlackBerry Bold 9980, outros apostam que ele é o 9900 em fase de protótipo. Alguns ainda alegam que é uma imitação vinda do Oriente. Seja como for, é um aparelho que desafia a estética que temos até então nos modelos BlackBerry. Atente para a palavra “Proceeding”, que não sei bem o que pode ser.

E para você? O que seria esse modelo acima?

via CrackBerry

Segundo a ComScore, o Android se distancia no primeiro lugar

by

A ComScore revelou na sua  sobre o cenário do mercado mobile dos Estados Unidos que o sistema Android amplia a sua liderança em relação aos rivais, com uma cota de mercado de 41,8%, contra 34,6% registrados no mês de abril. A Apple também se consolida como a segunda plataforma móvel, com 27% de mercado. A RIM caiu 4% em relação ao mês de abril, confirmando que é cada vez menos protagonista. A Microsoft perdeu 1%, e o Symbian quase não está presente nos Estados Unidos. Logo, não conta.

via ComScore

Canadá emite selo dedicado ao BlackBerry

by

Os quatro selos foram emitidos pelo serviço postal canadense, que homenageia as invenções nacionais. E uma delas vem da Research In Motion, que apresentou um novo conceito em smartphone: o BlackBerry, que figura ao lado do marcapasso e do forno elétrico. O irônico é que os serviços de mensagens instantâneas, como o BBM, estão desaparecendo com os Correios do mundo todo.

via Canada Post