Tag Archives: Smartphones

Quantum: mais uma tentativa da Positivo Informática se consolidar no mercado brasileiro de smartphones

by

positivo-quantum

Depois da parceria com os japoneses detentores da marca Vaio, a Positivo Informática lança a Quantum, sua nova divisão de smartphones, que tem como objetivo buscar algum espaço entre os fabricantes internacionais já consolidados. Além disso, é mais uma tentativa da empresa de Curitiba ‘ser levada a sério’ dentro desse segmento.

Na verdade, a Positivo Informática carrega uma estigma de fazer produtos com qualidade de gosto duvidoso. Não digo nem abaixo da concorrência, já que algumas pessoas simplesmente ignoram a empresa quando se refere à parte de computadores. Bom, devo dizer que eu comecei a minha vida de blogueiro e podcaster escrevendo em computadores e notebooks da Positivo Informática, e eles até que me serviram bem. Principalmente o desktop, que sobreviveu por três anos, até que entendi que precisava de um equipamento mais potente.

Dito isso, a Positivo se lança ao mar dos tubarões chamado ‘mercado mobile brasileiro’ em um momento nada favorável. Além da concorrência estrangeira já ter anunciado produtos igualmente interessantes (que o diga a Motorola e a Asus, em especial), o Governo Federal decidiu acabar com a isenção fiscal do PIS/Cofins, o que seria um grande trunfo para eles em relação aos adversários.

Mesmo assim, a Positivo aposta na Quantum. Uma nova marca, uma nova proposta. Bom, na verdade não é uma proposta tão nova assim. Temos aqui uma reformulação de marca (para afastar a má impressão que o grande público tem sobre a Positivo), e um modelo de negócios que é o mesmo adotado pela Xiaomi, que é a venda direta para o consumidor final, sem passar necessariamente pelo e-commerce brasileiro.

Os modelos Quantum apostam na relação custo-benefício e no design bem ajustado para convencer o consumidor de que esses dispositivos merecem ser olhados com outros olhos. A grande diferença entre os dois smartphones Quantum GO apresentados hoje (02) em São Paulo estão na conectividade 3G ou 4G. Fora isso, são modelos muito similares, com processadores diferentes (ambos abraçando a MediaTek, que virou a rainha dos fabricantes que buscam um lugar ao sol), câmeras que prometem ser ajustadas para boas fotos e selfies, slots para microSD, e um design fino e leve.

Com preços a partir de R$ 699, a Quantum entra na briga daquele que é chamado de ‘linha divisória entre mercado de entrada e mercado de linha média’, em uma faixa de preço que o muito bem sucedido Motorola Moto G não mais pertence, mas que outros fabricantes querem conquistar. Talvez para o público menos exigente, ou para aquele usuário de entrada que vai comprar o primeiro smartphone de linha média, a Quantum aparece como mais uma das opções.

Porém, só poderei ter certeza absoluta disso quando testar os produtos lançados hoje.

Me ajuda a te ajudar, Positivo Informatica! Manda os brinquedinhos para o titio aqui fazer review, vai!

Acer Predator 6 e Predator 8: smartphone e tablet poderosos para os gamers

by

acer-predator-6

A Acer ultimamente está toda amiguinha dos gamers. Mas não dos jogadores convictos de desktops. Eles estão apostando nos gamers de dispositivos móveis. Tanto, que apresentou na IFA 2015 dois dispositivos voltados para esse público: o Acer Predator 6, e o Acer Predator 8.

São smartphones com design muito diferenciado, mas que não chamam a atenção apenas pela estética, mas principalmente pelas suas especificações técnicas. O Acer Predator 6 traz como principal chamariz o processador MediaTek com nada menos que dez núcleos físicos (ou deca-core). Todo esse poder de fogo é para que o jogador não tenha a menor sombra de dúvida que o smartphone vai rodar qualquer tipo de jogo com um desempenho simplesmente impecável.

Além disso, o modelo conta com 4 GB de RAM, tela Full HD de 6 polegadas, quatro alto-falantes, arquitetura ARM e uma câmera traseira de 21 megapixels (esse último item é algo meio dispensável, já que não imagino o gamer perdendo tempo tirando fotos enquanto pode ficar jogando por horas e horas).

Acer-Predator

O tablet Acer Predator 8 segue a mesma filosofia, com tela de 8 polegadas Full HD, mas um processador diferente, o Intel Atom X7 Z8700, trabalhando com 2 GB de RAM, 32/64 GB de armazenamento e WiFi MIMO 2×2. De novo, temos um hardware capaz de rodar sem problemas os jogos mais exigentes, como é o caso do Asphalt 8 que já vem pré-instalado nesse modelo.

Acho que a tendência dos games móveis é algo cada vez mais presente nos tempos atuais, e é um filão de mercado que desenvolvedoras de games e fabricantes devem apostar com mais ênfase. A época dos consoles domésticos está cada vez mais próxima de um ponto de modificação (extinção eu não digo), e com dispositivos móveis mais e mais capazes, a tendência natural é que os jogos para smartphones e tablets sejam cada vez mais completos, exigindo mais dos dispositivos.

E aí? Você encara o Predator da Acer?

 

Sony Xperia Z5: um mais do mesmo, mas tentando sair do lugar comum

by

sony-xperia-z5

A Sony apresentou na IFA 2015 o Sony Xperia Z5, smartphone top de linha que chega para substituir o Xperia Z3+ (ou Xperia Z4, como preferir). Com foco nas qualidades de câmera traseira e na resistência à água, o novo top de linha dos japoneses tenta repetir a fórmula que no passado deu certo, mas que no presente apresenta problemas para deslanchar.

É fato que chama a atenção ter o foco mais rápido do mercado (0.03 segundo), um modo de zoom digital eficiente, um excelente sensor Exmor RS de 23 megapixels, uma câmera frontal razoável (digo isso porque a própria Sony oferece alternativas com sensores frontais mais otimizados para as selfies) e proteção IP65/68 são credenciais para um bom dispositivo. Porém… será que são suficientes para dar uma maior notoriedade para a marca?

Não sei. Por mais atraente que o Xperia Z5 pareça no papel, eu tenho quase certeza que a Sony vai repetir a fórmula não muito bem sucedida de supervalorizar o seu produto estrela, colocando o modelo na mesma faixa de preço de seus concorrentes diretos (aka Apple e Samsung). Ok, nada de errado nisso. Acontece que a Sony não é nem a Apple, nem a Samsung.

A marca não conta com toda essa popularidade e fidelidade junto ao consumidor. Quero dizer, quem gosta da Sony gosta e pronto. Mas quem não gosta, nem se esforça em conhecer suas opções, porque o preço é proibitivo. E gastar por gastar, vale mais a pena ir direto para o iPhone ou um Galaxy S6 (esqueça os anteriores, já que esse é o melhor disparado).

É uma pena. O Sony Xperia Z5 não é um produto ruim. Pelo contrário: é um bom smartphone, apesar de já estar um pouco atrás de alguns dos seus concorrentes nas especificações técnicas. Mas chegará muito caro. E não falo só no Brasil, mas nos mercados onde ele busca visibilidade. Talvez essa pode ser uma das últimas cartadas da Sony no mercado mobile.

Lembrando: o Xperia Z3 já ficou abaixo das expectativas, com vendas baixas e problemas no seu hardware. E o Xperia Z4 não chegou em todos os mercados onde a Sony está presente.

É bom o Xperia Z5 dar certo. Para o bem da Sony.

Dexcom G5 monitoriza os seus níveis de glicose com a ajuda do smartphone

by

Dexcom G501

Aos poucos, a clássica picada no dedo para medir os níveis de glicose no sangue vai ficando para a trás. O Dexcom G5 Continuous Glucose Monitoring foi aprovado pela FDA norte-americana para o seu uso no país.

É um dispositivo que usa o nosso smartphone como interface gráfica e sistema de processamento e comunicações, que é capaz de monitorizar constantemente os níveis de glicose do usuário, transmitindo os dados ao smartphone através da conexão Bluetooth.

Para isso, é necessário instalar um aplicativo no smartphone (por enquanto exclusivo para o iOS) e colocar o sensor sobre a pele do paciente. Os dados sobre os níveis de glicose são enviados a cada cinco minutos para o smartphone, onde podemos visualizar em forma de gráficos e estatísticas, que permitem uma verificação da evolução do paciente ao longo do dia.

Dexcom G5-02

Uma das suas principais vantagens é que o aplicativo pode compartilhar os dados com outro smartphone via internet. Desse modo, é possível saber em tempo real os níveis de glicose de um familiar que está longe, e receber um alerta em caso de problemas.

Por enquanto, o Dexcom G5 só será vendido nos Estados Unidos sob prescrição médica a partir do mês de setembro, com um preço sugerido entre US$ 200 e US$ 200, dependendo do modelo escolhido.

 

Via Dexcom

Uma revisão nos designs mais ousados da Samsung

by

disen-os-samsung

A Samsung ao longo dos anos ‘brincou’ com muitos designs diferenciados para os seus produtos. Foi de modelos ‘ultra retangulares’, com projetor integrado e recentemente com tela curva. Esse post faz uma revisão daqueles produtos que mais se destacam pela suas linhas inusitadas, incluindo modelos da linha Galaxy e de outras famílias de produtos.

 

x830-1

2006: Samsung X830

O X830 era um smartphone que contava com uma dobradiça giratória, que quando fechada mostrava um simples MP3 player, mas depois de aberto, mostrava um teclado vertical de duas colunas de botões (no lugar de três), oferecendo um design esquisito e raro.

 

gloss-1

2008: Samsung Cleo, Gloss e Strut

Pense em um smartphone com teclado QWERTY completo em um formato de um porta pó. Pois a Samsung fez isso, lançando três modelos para diferentes operadoras: Cleo, Gloss e Strut. Peculiar, não?

alias2-1

2009: Samsung Alias 2

A Samsung apresentou com o Alias 2 um design muito peculiar, onde o teclado do tipo e-ink mudava de acordo com a atividade. O mesmo ficava oculto sob a tela, e era revelado em um movimento slide. Uma dupla dobradiça permitia utilizar o smartphone nas orientações vertical e horizontal, de acordo com a preferência do usuário.

 

galaxynote-1

2011: Samsung Galaxy Note

A própria Samsung lembrou recentemente que quando eles apresentaram o Galaxy Note, todos estranharam, mas hoje, as 5.3 polegadas de tela são bem comuns nos dispositivos. A Samsung abriu um caminho importante no formato phablet com essa primeira geração, e foi bem sucedida na aposta. Tanto, que já estamos na quinta geração do dispositivo.

 

galaxybeam-1

2012: Samsung Galaxy Beam

Não é exatamente o smartphone mais útil do mundo, mas ao menos os coreanos tentaram se destacar com o lançamento de um telefone de linha média com um projetor integrado. O resultado foi o Galaxy Beam, modelo que não era tão ruim, mas não é conhecido por ser um campeão de vendas.

 

galaxys4zoom-1

2013: Samsung Galaxy S4 Zoom

Uma câmera com um telefone integrado. Ou o contrário? A Samsung tentou de novo sair da caixa com o Galaxy S4 Zoom, modelo que prometia combinar o melhor de um smartphone com o de uma câmera compacta. No final, nem o desempenho do telefone era tão bom, nem a qualidade final das fotos era a esperada.

 

galaxyround-1

2013: Samsung Galaxy Round

A LG tem um telefone cuja curva é na orientação vertical, e a Samsung apostou na curva lado a lado. O Galaxy Round é basicamente um Galaxy Note sem S-Pen e com tela curva, com tela de 5.7 polegadas, e que jamais chegou a ser um sucesso junto ao grande público.

 

galaxynoteedge-1

2014: Samsung Galaxy Note Edge

E, se no lugar de uma tela toda curva, adicionarmos uma curva na lateral? Alguém na Samsung pensou nisso, e temos o Galaxy Note Edge. O modelo foi bem visto inicialmente por conta desse diferencial, já que é um aliado importante na hora das notificações. Sem falar na presença da S-Pen, aumentando a produtividade.

 

galaxyedge-1

2015: Samsung Galaxy S6 Edge

O Galaxy S6 Edge é uma evolução direta do Galaxy Note Edge. Foi apresentado na MWC 2015, captando a atenção de todos, e com razão. O smartphone não só é uma grande obra de design da Samsung, mas também um dispositivo de muito bom desempenho, com uma das melhores câmeras do mercado (para não dizer a melhor).

 

galaxyfolder-1

2015: Samsung Galaxy Folder

Parece mentira, mas em pleno 2015, as pessoas seguem fascinadas pelos telefones clamshell… pelo menos na Coreia do Sul. A Samsung lançou recentemente o Galaxy Folder, um dispositivo com um certo ar retrô com Android 5.1. Uma explosiva combinação.

No Japão, está proibido silenciar a câmera do smartphone

by

japan

O Japão decidiu tomar medidas para reduzir o número de fotos sem permissão que se registram de mulheres a partir de perspectivas que buscam visualizar as suas partes íntimas. Para isso, eles não estão permitindo que os usuários silenciem a câmera do smartphone.

Ou seja, todos os smartphones comercializados no Japão chegam de fábrica com essa limitação, de modo que se alguém tenta usar o dispositivo para fazer uma foto que viole a intimidade de uma pessoa não poderá evitar o som característico que alertará a vítima da conduta inconveniente.

A medida tem um objetivo claro e muito louvável, mas também prejudica os usuários normais, já que existem numerosas situações cotidianas onde o som da captura de imagem pode ser algo irritante para eles e para aqueles que o rodeiam.

Por outro lado, também é algo que pode ser contornado, já que no caso dos smartphones Android o root do dispositivo e a instalação de uma ROM personalizada já servem para restaurar a opção de silenciar a câmera.

Lamentável essa história de fotos íntimas no Japão, mas provavelmente seria mais efetivo realizar uma reforma legal que torne mais rígidas as penas aplicadas para esse tipo de conduta.

Via Softpedia

Foto: Jeffrey Friedl

Como seria um smartphone da Nintendo?

by

Smart_Boy

Um designer francês imaginou como poderia ser um smartphone da Nintendo. O projeto coincide com o falecimento do presidente da empresa, Satoru Iwata, e também diante dos movimentos que alguns analistas de mercado sugerem com a chegada da Big N no segmento de mobilidade, para compensar as perdas recentes.

O smartphone da Nintendo foi criado por Pierre Cerveau, e se chama Smart Boy. É um dispositivo que fica no meio do caminho entre um smartphone atual e o console Game Boy.

Smart_Boy_2

Cerveau incluiu acessórios como o ‘Game Bat’, que adiciona um controle físico ao smartphone, para transformá-lo em console portátil, ou slot para conectar baterias em forma de cartuchos. Esse smartphone estaria gerenciado pelo sistema Android, contaria com modo 8 bits para economia de energia, extensores de bateria em formato de cartuchos e, obviamente, um claro foco para os jogos móveis.

 

Smart_Boy_3

Via Gizmodo

ASUS ZenFone 5

by

121473648_2GG

Um dos modelos de maior destaque no mercado mobile dos últimos meses foi o ASUS ZenFone 5. O dispositivo se destaca pelo design pensado em todos os detalhes, além da presença do processador Intel Atom 2560, que casou bem com a sua proposta de smartphone intermediário.

Além disso, esse chip da Intel promete uma maior autonomia de bateira com um uso normal, mas sem prejuízo de performance para essas atividades. Outro componente que contribui decisivamente para uma boa relação entre desempenho e autonomia de uso do ASUS ZenFone 5 é a GPU PowerVR SGX 544 MP2, que oferece um resultado final muito interessante, atendendo bem as necessidades dos usuários de entrada.

Sua câmera PixelMaster de 8 megapixels conta com um modo selfie, onde o usuário escolhe o número de pessoas que vão participar da foto, para que a câmera as identifique antes de registrar a imagem. O recurso Voltar no Tempo grava dois segundos antes da foto ser tirada, para que você recupere a imagem, garantindo que você não vai perder aquele momento.

121473648_3GG

A ZenUI é uma interface que oferece um leque de opções vasto para o usuário se concentrar nas suas atividades de produtividade, recebendo a notificação que ele precisa. Além disso, o sistema de gerenciamento de notificações e aplicativos também ajuda na oferta de uma vida mais organizada no smartphone.

O ASUS ZenFone 5 conta com suporte dual-SIM e dual Standby, além de rede de dados de alta velocidade, para uma conectividade mais eficiente. E além de um processador  e GPU que priorizam a melhor autonomia de bateria, o recurso Power Saving oferece uma vida útil ainda maior para o usuário.

O smartphone conta com uma tela IPS de 1280 x 720 pixels (294 ppp), com tecnologia ASUS TruVivid, que deixa o brilho e contraste mais acentuados, com cores mais vivas. Essa tela é protegida com a película Corning Gorilla Glass 3, aumentando a sua resistência aos danos.

121473648_9GG

O ASUS ZenFone 5 também conta com o Easy Mode, onde os ícones mais importantes são ampliados, para facilitar o uso. Também é possível usar o smartphone para controlar o seu PC (com Windows 7 e 8) via Bluetooth, através do Remote Link. o What’s Next oferece uma agenda diária com tudo o que acontece na sua vida, como compromissos, eventos cancelados e chamadas perdidas.

O Do it Later é uma lista de tarefas e lembretes de fácil acesso. O Share Link permite o emparelhamento do ZenFone 5 com outro dispositivo para o compartilhamento de arquivos sem a necessidade de conexão WiFi. O modo Profundidade de Campo tira duas fotos, combina as duas, desfocando o fundo e realçando o objeto selecionado. E a sua câmera traseira, com o recurso PixelMaster, ajusta automaticamente a sensibilidade da luz recebida em até 400%, e o contraste de cor em até 200%, para uma maior qualidade de fotos e vídeos em baixa luminosidade.

121473648_10GG

1936

Lenovo K80, um smartphone com 4 GB de RAM: é necessário tanta memória?

by

Lenovo-80K

O Lenovo K80 é um smartphone que dificilmente deve desembarcar por aqui, mas seria muito bem vindo por aqui. O conjunto técnico é bem completo, e o seu preço é muito interessante. Porém, uma coisa intriga: precisamos mesmo de 4 GB de RAM para um desempenho impecável no Android?

Para qualquer sistema operacional, quanto maior a quantidade de RAM presente, melhor é o seu desempenho. É uma regra universal. Apesar que alguns sistemas são bem ajustados ao hardware, e não precisam de tanta potência para oferecer um bom desempenho. Mesmo assim, vamos combinar que em termos de tecnologia, quanto maior os números das especificações de um produto, melhor para se utilizar o dispositivo.

Porém… 4 GB de RAM já é algo que levanta dúvidas se é um benefício ou uma pequena pedra no quadrado. Uma pedra que pode inclusive impactar no consumo de bateria do produto, algo que obviamente ninguém quer.

O Lenovo K80 trabalha com um SoC da Intel Atom no lugar dos já clássicos Qualcomm Snapdragon ou MediaTek. E esse pode ser um dos motivos para a escolha dos asiáticos por uma quantidade de RAM tão elevada. É claro que sempre existe o argumento de oferecer o melhor desempenho possível, ou uma performance impecável e sem lags. Sem falar que a Intel ainda está um pouco ‘verde’ no segmento de chips para dispositivos móveis, mas já apresentam bons resultados (a família ZenFone da Asus que o diga).

Mas bem sabemos que um bom Android consegue executar de forma eficiente as tarefas mais comuns aos usuários com 2 GB de RAM. Tanto é isso, que a própria Lenovo vai lançar uma versão mais ‘econômica’ do K80, que conta apenas com 2 GB de RAM. Não é esse o único ou o principal fator determinante para o melhor desempenho de um dispositivo. Logo, os 4 GB de RAM podem soar para muitos um marketing, e não os culpo por isso.

Por outro lado, o Lenovo K80 é bem composto em outros aspectos técnicos, como uma CPU de quatro núcleos e 64 Bits a 1.8 GHz, tela de 5.5 polegadas (1080p), câmera traseira de 13 megapixels com estabilizador óptico, 64 GB de armazenamento e uma bateria de 4.000 mAh. E tudo isso por US$ 29o?

É… está mais que provado que esse smartphone vai além dos números de sua RAM. É um pacote bem digno e completo, por um preço muito competitivo. No final das contas, para muita gente, os 4 GB serão apenas mais um número no meio de outros tantos que só beneficiam o desempenho final do produto.

Não há detalhes sobre o seu lançamento nos mercados internacionais, mas fico na torcida para que isso aconteça. É um dispositivo que merece ser acompanhado mais de perto, e se o Brasil não inventar de perder a relação custo/benefício que o produto oferece, ele pode ser uma excelente alternativa de smartphone para o segundo semestre.

O valor de um smartphone novo e lacrado

by

2015-04-11 12.42.09

Sim, amigos. O iPhone 6 ‘is in the house’. Recebi uma unidade de 16 GB, que não será testada, e seu lacre não será retirado. O motivo? O destino dele é a revenda. Novo e lacrado. Mas… o quanto vale um smartphone novo e lacrado?

Muita gente fala que uma vez o produto fora da loja, seja ele qual for, ele perde valor de mercado. E eu concordo com isso. Afinal de contas, antes de você adquirir um produto ou serviço, em muitos casos, você pode testá-lo para se decidir se aquele produto em questão atende todas as suas necessidades. Em caso positivo, você concretiza a compra ciente do que está levando, e a partir daí, o produto passa a ser seu. E automaticamente o seu valor de mercado cai.

Porém, quando estamos com um produto absolutamente novo e lacrado nas mãos, a perda não é tão significativa. Até porque você está repassando o produto que você adquiriu sem qualquer tipo de uso. É claro que você não vai pegar o mesmo preço de um produto da loja – se for assim, o comprador vai direto na loja ao invés de comprar de você, e como ele também quer levar alguma vantagem… -, pelo motivo citado no parágrafo anterior. Por outro lado, você não usou o produto. Ele está novo e lacrado.

2015-04-11 12.42.22

A partir daí, você pode estabelecer um valor intermediário, onde você pode não só oferecer ao comprador do smartphone uma vantagem competitiva (um preço menor), como também pode cobrar um valor maior do que a enxurrada de produtos usados que você encontra nos sites de leilão virtual. Até porque você está oferecendo a garantia que o produto não tem qualquer tipo de uso, ou seja, o futuro comprador recebe a garantia de fábrica que o produto está em perfeito funcionamento.

E, se não estiver, o problema não é seu. É do fabricante, que oferece essa garantia.

Quando eu pego um produto novo para vender, eu prefiro oferecê-lo no status de ‘novo e lacrado’, até mesmo para evitar problemas para o meu lado. O comprador fica satisfeito por receber um produto novo, e eu fico satisfeito por receber o dinheiro dele. Ambos tem a certeza de fazer um negócio melhor e mais confiável.

Logo, sempre que você tiver a oportunidade de vender algum produto ‘novo e lacrado’, faça-o. As vantagens na hora de fechar o negócio são consideráveis, você vende o produto mais rápido, e pode criar uma clientela que pode até te recomendar depois pelo bom negócio feito com você. Não é sempre que eu consigo produtos nessas condições, mas quando acontece, eu procuro fazer o negócio, pois é a certeza de um feedback positivo.

E sobre esse iPhone 6 de 16 GB? Ele foi vendido em menos de 24 horas que anunciei. Por conta dos fatores citados nesse post.

Quatro motivos para a Apple vender mais smartphones que a Samsung no final de 2014

by

650_1000_iphone

A Gartner informa que pela primeira vez desde 2011, a Apple tirou o trono da Samsung em vendas de smartphones durante um trimestre de algum ano (nesse caso, 0 quarto trimestre de 2014). A gigante de Cupertino ganhou quota de mercado global, e vendeu no último trimestre do ano passado 74.8 milhões de unidades, contra 73 milhões dos coreanos. Milagre? Longe disso.

 

Um trimestre de novos iPhones

A Apple superou a Samsung no último trimestre de 2014, mas os coreanos ainda contam com larga liderança ao longo de todo o ano de 2014. Foram mais de 300 milhões de smartphones vendidos pela Samsung no ano passado (24.7% do mercado), contra 191 milhões de unidades de iPhones (15%). Para a Apple, essa fatia é a mesma de 2013.

O diferencial a favor da Apple dessa vez é que o volume de vendas globais foram maiores, alcançando a marca de 1.2 bilhão de smartphones. Quem perdeu mesmo foi a Samsung, com queda de 6%. Sem falar que o último trimestre de cada ano é sempre o mais forte ciclo de lançamentos da gigante de Cupertino.

A Time mostra um gráfico que resume essa situação, onde vemos os grandes picos de vendas após os lançamentos da Apple, enquanto que a Samsung tem um crescimento mais sustentável e constante.

650_1000_captura_de_pantalla_2015-03-04_a_las_9.54.49

 

O acerto do iPhone 6 e iPhone 6 Plus

Além de ser um trimestre forte de vendas, o aumento significativo da Apple também se deu pela sensação geral de acerto em relação aos novos iPhone 6 e iPhone 6 Plus.

No final de 2013, a Samsung alcançou uma quota de vendas de 29.5%, com 83 milhões de smartphones vendidos. Nesse trimestre, e com o iPhone 5s recém chegado ao mercado, a Apple ficou nos 50 milhões de unidades (17.8%).

Olhando para os dados do final de 2014 da Gartner, a Samsung perdeu 10 milhões no número de smartphones vendidos (19.9%), enquanto que a Apple vendeu quase 25 milhões de unidades a mais (20.4%).

Os novos iPhone 6 e iPhone 6 Plus superaram o iPhone 5s em vendas com forte relevância. Aqui, com certeza influenciou o aumento da tela, que animou os antigos usuários de iPhone a trocar os seus dispositivo, ou trazer de volta aqueles que se sentiram atraídos pelo Android por causa de dispositivos com telas generosas.

 

Sem um competidor mais forte

A Samsung teve uma boa notícia na Mobile World Congress 2015: a boa acolhida aos novos Galaxy S6 e Galaxy S6 Edge. As reações foram muito diferentes daquelas vistas no ano passado com o Galaxy S5, e isso explica também por que a Apple superou a Samsung.

Também não podemos deixar de olhar para o cenário no mercado de smartphones nesse ano: mais rivais para a Samsung entre os modelos top de linha, e uma ressurreição entre os modelos de linha média e de entrada feito por marcas que centraram seus esforços no ‘bom, bonito e barato’.

O que ajuda a Samsung dessa vez é que o Galaxy S6 é sim um rival de peso para o iPhone 6, o que pode prometer fortes emoções para os próximos relatórios de vendas.

 

A tranqulidade de viver um excelente momento

É fato: a Apple passa por um momento excelente, não só pela base de usuários que aumenta, mas também em relação ao mercado como um todo. Os últimos resultados corroboram para isso, e grande parte do seu valor na Bolsa e os lucros obtidos são por conta das vendas do iPhone, que não só são em números elevados, mas que também teve o preço médio de venda aumentado em US$ 50.

Isso, com dezenas de milhões de unidades vendidas ao ano, entregam para a Apple uma tranquilidade que permite uma tomada de decisões mais serena e sem pressões, diferente dos demais concorrentes do mercado.

Samsung Galaxy S5 Mini Duos

by

Samsung Galaxy S5 Mini-01

Nem todo mundo se sente confortável com um smartphone com telas de grandes dimensões. E nem todo mundo pode pagar por um modelo top de linha. Mas muita gente quer ter no seu próximo dispositivo algumas das características oferecidas pelos modelos mais avançados. Nesse caso em específico, o Samsung Galaxy S5 Mini é uma das alternativas disponíveis para esses consumidores.

Apesar de não ser um conceito ‘Mini’ na íntegra (uma vez que não é o modelo top de linha com um tamanho reduzido), esse tipo de produto atende bem as necessidades de compradores que buscam um bom dispositivo de linha média, com características de design e conceituais similares aos modelos mais caros.

Samsung Galaxy S5 Mini-02

O Samsung Galaxy S5 Mini possui suporte ao dual SIM, algo que é muito procurado pelos usuários de linha média, que procuram economizar nas tarifas de telefonia – ou precisam trabalhar com duas linhas ativas no smartphone o tempo todo. Além disso, mantém as mesmas características de design do irmão maior, tal como acabamento e textura na sua superfície frontal e traseira.

O Galaxy S5 Mini mantém o sistema operacional Android 4.4 KitKat, com a interface TouchWiz, que é onipresente em todos os smartphones da empresa, assim como os seus aplicativos que reforçam essa proposta de experiência de uso. O modelo conta com 16 GB de armazenamento, que podem ser ampliados via slot microSD.

Samsung Galaxy S5 Mini-09

O dispositivo possui uma câmera traseira de 8 megapixels com flash, que conta com todas as tecnologias de software da Samsung. A câmera frontal possui o recurso de auto selfie, dispensando o toque na tela para registrar as imagens.

A tela do Galaxy S5 Mini é do tipo Super AMOLED HD de 4.5 polegadas (1280 x 720 pixels), que é suficiente para garantir uma interessante interação com o sistema operacional Android. O dispositivo possui um procesador quad-core de 1.4 GHz, que promete uma interação fluída e funcional do software.

Samsung Galaxy S5 Mini-03

O Samsung Galaxy S5 Mini é recomendado para os usuários que desejam exatamente a mesma experiência de uso que a Samsung oferece no modelo mais avançado da empresa. Também é indicado para os usuários que preferem a linha de design dos dispositivos dos coreanos, e que estão dispostos a pagar a mais por isso.

Samsung Galaxy S5 Mini-04

04-botao-clique037-180.jpg

O seu verão geek terá essa marca…

by

650_1000_imagen-verano-marca-top

Você está se preparando para sair de férias? Vai para a praia? Ok… é comum ver o pessoal na areia ou na beira da piscina com os seus smartphones e outros gadgets. Isso não é só perigoso para muitos dispositivos, como também podem te julgar como uma legítima mala sem alça.

Em tom de bom humor, o ilustrador Ritsch Renn representa essa imagem que mostra qual será a “marca” desse verão. E de nada serve usar uma camiseta se ela não deixa a marca do seu smartphone em cima da sua barriga. Ou seja… se vai levar o smartphone nas férias, tente não deixá-lo sobre o seu corpo enquanto você toma sol. Ou o resultado pode ser esse das imagens do post.

650_1000_marca-verao

Via Ritsch Renn

Bancada de Testes | LG G3 Beat

by

g3beat

Parece o LG G3, mas não é. A assessoria de imprensa da LG do Brasil enviou para testes o LG G3 Beat, versão ‘com algumas restrições orçamentárias’ do modelo top de linha dos coreanos. O dispositivo terá o seu review completo publicado ainda nesta semana no TargetHD.net, e por enquanto, temos aquele tradicional vídeo de primeiras impressões.

O objetivo desse modelo é ser uma versão alternativa e de baixo custo do LG G3. A proposta de uso e alguns dos recursos inteligentes estão presentes nesse modelo, mas com o diferencial de ser um dispositivo de linha média, segmento de mercado que ainda segue em expansão.

Será que o LG G3 Beat realmente herda boa parte da excelente qualidade do LG G3? Para qual tipo de usuário ele é indicado? Será que ele pode bater de frente com o onipresente Motorola Moto G? Vamos descobrir quando o review final for ao ar.

Por enquanto, vídeo a seguir.

 

Crise nos EUA? Afinal, smartphones de menos de US$ 200 estão mais populares por lá…

by

650_1000_smartphones

Pelo visto, não é só uma tendência da Europa ou de mercados emergentes – como o Brasil, por exemplo. Agora, até os norte-americanos estão mais propensos a adquirirem smartphones que custam menos de US$ 200, no lugar dos modelos top de linha, que ficam na faixa de US$ 600 ou mais. Sinal dos tempos?

Talvez. Já faz algum tempo que eu canto essa bola para as pessoas eventualmente me pedem sugestões sobre os futuros dispositivos que desejam comprar: a maioria não precisa de um smartphone top de linha para ser feliz. E pelo menos nos últimos 12 meses, essa tendência se tornou ainda mais consistente, com a chegada de modelos intermediários da Sony, LG e, principalmente, da Motorola.

Falando especificamente do mercado norte-americano, pode não ser exatamente um indício de crise, mas sim de uma mudança de comportamento e consumo desses produtos. Temos sempre que lembrar que o mercado de modelos top de linha está em um ponto onde podemos chamar de ‘saturação’. Não só por conta dos lançamentos dos últimos meses, mas também porque temos muitos dispositivos lançados no ano passado que ‘ainda dão um belo caldo, por assim dizer.

O comportamento pode mudar por questões econômicas sim. Afinal de contas, por que pagar mais caro se você pode ter a mesma coisa pagando mais barato. Porém, eu entendo que estamos diante também daquela coisa do ‘eu não preciso de tudo isso no meu smartphone’. Sabe, aquela grande quantidade de sensores que, no papel, são maravilhosos, mas que a maioria dos usuários não vão utilizar.

Eu tiro por mim.

Mesmo sendo um usuário avançado, e entendendo que algumas inovações são muito bem vindas e realmente atraentes, eu cheguei à conclusão que, pelo menos para mim, vale muito mais um dispositivo que funcione bem para as principais finalidades: uma tela de boa qualidade, uma interface de usuário leve e funcional, uma câmera que permita que eu registre fotos decentes, alto-falantes que me permita uma conversação inteligente, uma ergonomia bacana para uma melhor interação com o dispositivo com uma ou duas mãos, entre outras necessidades.

Mas isso vale para mim. Cada um vai buscar as suas escolhas e preferências.

E o que entendo é que a maioria não vai precisar de um sensor cardíaco, barômetro, desbloqueio de digitais e derivados. O que muita gente quer é um bom smartphone. E isso realmente não pode custar muito caro. Acho justo que todo mundo tenha a opção de ter tecnologias de qualidade, mas sem precisar vender o rim para isso. Quem quer ter recursos diferenciados, que pague a mais por isso. Para mim, é uma regra bem simples.

Quem complica (ou complicava) mesmo são os fabricantes. Mas eles estão aprendendo a lição. De forma mais lenta do que eu gostaria que fosse, mas estão aprendendo.