A maioria não sabe o que essa foto representa. Mas eu, um geek velho, explico: este é considerado o percussor dos videogames. O Tennis for Two completou na semana passada 60 anos de seu lançamento.

Criado por William Higinbotham em 1958 para a exibição anual do Laboratório Nacional Brookhaven dos EUA, ele era basicamente dois controles conectados a um computador analógico e um osciloscópio.

Duas linhas representam uma quadra de tênis e sua rede, e um ponto em movimento era a bola. Assim, cada jogador tinha que ajustar o ângulo e golpear com a raquete invisível.

Era algo incrivelmente simples e engenhoso. Era baseado em um computador analógico Donner Modelo 30, desenvolvido com a ajuda do manual de instruções do equipamento. William levou três semanas para desenvolver o jogo.

 

 

Em 1959, o jogo foi para uma tela maior e a bola recebeu um ajuste de gravidade, e isso fez com que ele caísse em esquecimento. Anos depois, com o sucesso do Pong, Higinbotham pensou em patentear o jogo, mas como ele foi desenvolvido dentro de um laboratório, a sua propriedade automaticamente pertencia ao Governo dos EUA.

 

 

Tennis for Two é o primeiro videogame?

 

Boa pergunta.

Tennis for Two mantém o conceito de maior similaridade com o que consideramos como um videogame hoje em dia. Mas dispositivos anteriores entregaram propostas similares.

Dez anos antes, os físicos dos Laboratórios DuMont dos EUA idealizaram o “Dispositivo de Entretenimento de Tubo de Raios catódicos”, um jogo similar onde o jogador girava reguladores para alcançar um objetivo de plástico com um ponto de luz. Porém, o conceito é descartado por não usar um computador.

Em 1951, o computador Nimrod rodava o Nim, jogo de estratégia baseado em luzes no lugar de um tubo de raios catódicos. E em 1952, o OXO usava um tubo de raios catódicos para mostrar o estado atual do jogo, mas de forma estática.