Tesla Model S

Ah, essa febre das criptomoedas…

Mais e mais pessoas se atrevem a criar os seus próprios equipamentos para minerar criptomoedas, no sonho de obter um dinheiro extra. E, apesar da alta demanda de hardware, algumas pessoas buscam soluções criativas para produzir a moeda virtual.

Um cidadão decidiu hackear o seu Tesla Model S para minerar criptomoedas. A ideia aqui foi bem simples: ele utiliza as baterias do carro para reduzir os gastos do consumo elétrico dos dispositivos envolvidos no processo de mineração.

Eu sei o que você está pensando nesse momento: “mas… e quando ele precisar carregar a bateria do carro?”. Simples: ele usa um dos supercarregadores que todos os donos de um Tesla Model S podem usar de graça, espalhados em todo o país.

 

 

O tema do consumo elétrico para minerar bitcoins é um dos mais sérios para quem pensa nessa atividade. Quanto mais potência, mais dinheiro se produz. Logo, se você quer grandes lucros, é preciso apostar alto.

Hoje, você precisa de equipamentos com configurações simplesmente alucinantes, com estratosférico potencial para processamento de dados, chips especiais e potentes placas gráficas trabalhando simultaneamente.

É um investimento muito elevado para um computador que precisa trabalhar 24 horas por dia. E alguns podem pensar que, por não ter um consumo energético, os lucros se elevam notavelmente. E não é bem assim.

Como experimento, minerar bitcoins com um Tesla Model S pode ser interessante, mas não rentável. Alguns especialistas até duvidam que ele realmente consegue usar o carro para tal finalidade.

 

 

Nas imagens publicadas sobre o assunto, podemos ver o carro e quatro placas mãe conectadas à bateria do mesmo. Cada placa conta com quatro placas gráficas. Nenhum chip ASIC (utilizado para minerar bitcoins) é visto nas fotos, mas o sistema pode muito bem minerar outras moedas virtuais.

O consumo de eletricidade em 24 horas no carro seria o equivalente a 280 quilômetros rodados. O ganho na cotação do Etherereum até o momento da publicação do post seria de US$ 450, o que renderia US$ 675/mês ao dono do carro.

Um lucro similar ao de adquirir nos EUA um Tesla Model S via leasing.

O problema aqui é que você jamais vai poder dirigir esse carro.