Compartilhe

The Walking Dead, a série de TV com maior audiência do canal norte-americano AMC, está perdendo audiência ano após ano. Muita gente desistiu da série (eu, inclusive), pois a mesma virou “a série do gafanhoto”: o grupo de sobreviventes sai de um lugar, vai para outro onde tudo está bem e organizado, acaba com tudo, espera os zumbis chegarem para sair daquele local… e reiniciar o processo, encontram um outro lugar tranquilo e bem organizado.

E quando tudo dá errado, é preciso encontrar culpados. E na opinião de Sarah Barnett (executiva do AMC), um dos motivos para The Walking Dead perder tanta audiência dessa forma foram as decisões criativas (como se eu já não soubesse disso). Mas ela foi mais específica: aponta como grande culpado a permanência de Negan (Jeffrey Dean Morgan) por pelo menos cinco temporadas (entre as temporadas 6 e 10).

 

 

 

Nem tudo o que funciona nos comics serve para a TV

 

 

A fala de Barnett apontando diretamente para Negan, um violento boca suja que se tornou o principal antagonista de Rick Grimes por algumas temporadas. Então, ele se estabelece como um dos personagens recorrentes da trama e um dos vilões mais temidos e odiados da série para depois ir para o lado dos heróis para enfrentar os sussurradores, liderados por Alpha (Samantha Morton).

Barnett sugeriu que a personalidade sombria de Negan pode ter afastado os espectadores:

“Na questão da qualidade, acho que com 10 temporadas de televisão, algo como aconteceu com ER ou Grey’s Anatomy, as série podem passar por altos e baixos. Fizemos muitas pesquisas sobre a resposta do público, e temos nossos próprios pensamentos sobre isso. É fato que aquela primeira temporada com Negan tornou-se muito sem esperança para o público.”

 

A executiva acredita que Negan foi um pouco longe demais, mas o fato é que vender uma temporada inteira com o final que a série entregou não foi apenas uma questão de não passar esperanças para o público, mas chega a ser a pura comercialização do macabro com personagens que o espectador aprendeu a amar ou respeitar ao longo de anos.

Eu desisti antes daquele final de temporada, mas muitos relatos na internet acharam aquele final de extremo mau gosto.

De qualquer forma, Barnett segue defendendo o seu ponto de vista:

“Eu acho que havia uma intenção criativa por trás disso que era realmente inteligente e pensativa, mas eu acho que provavelmente empurrou as pessoas para um lugar onde havia muito a suportar, em um momento em que talvez as pessoas simplesmente não quisessem ver isso.”

 

 

Via LA Times


Compartilhe