titas

Titãs | Epitáfio | A Melhor Banda de Todos os Tempos da Última Semana | 2002

Queria ter aceitado as pessoas como elas são
Cada um sabe a alegria, e a dor que traz no coração…

Foi difícil escolher um trecho dessa música para colocar nas aspas. É difícil até hoje assistir esse videoclipe. Talvez, de toda a lista, esse é o clipe mais objetivo, pessoal, emocional. Ainda mais com todos os aspectos envolvidos.

Em 2002, eu estava decidido a dar o passo mais importante da minha vida: me casar. Ser feliz com a mulher que eu amo. Correr os riscos de uma convivência a dois, com uma diferença grande de idade, com a não aprovação dos meus pais (na época), com o preconceito das pessoas com mente pequena. Eu estava disposto a tudo para ficar ao lado da Dalva.

Mas tinha medo.

Medo de como a minha vida iria mudar, de como seria depois, das dificuldades, das brigas. De perdê-la. De me perder no meio do processo. Medos talvez condizentes com a minha idade na época (22 anos), ainda mais pelo fato que aconteceu tudo o que eu previ que aconteceria, e em alguns aspectos, até pior. Porém, nada disso foi suficiente para fazer com que eu me perdesse, ou perdesse o amor da minha vida (completamos 10 anos de casamento em outubro).

Então, eu vi “Epitáfio” pela primeira vez.

Esse videoclipe estreou depois da morte de Marcelo Fromer. Mesmo com uma clara conexão com essa perda, o vídeo também foi um recado claro, direto, sem meias palavras (ou imagens): aproveite o hoje, não perca o seu tempo.

E sim. Eu realmente devia ter amado mais, ter chorado mais (mais até do que eu choro, pois sou um chorão). Deveria ter aproveitado mais o meu tempo ao lado da pessoa que hoje me ama do jeito que eu sou. Me aceita com minhas virtudes e defeitos. Deveria ter dito o “eu te amo” antes, para ter mais histórias para contar.

Sim. Deveria ter respeitado mais as pessoas como elas são. Tenho o grave defeito de exigir um “padrão de qualidade” que não existe em mim. Devia ter recebido mais pessoas na minha vida, ao meu redor. Devia ter olhado para o Sol, nascendo e se pondo todos os dias, mostrando que a vida continua, apesar das perdas.

Hoje, não perco mais tempo na vida. Vivo intensamente. Busco de forma incansável aqueles que querem estar ao meu lado. Afinal de contas, nunca saberei se a qualquer momento eu estarei diante do epitáfio dessas pessoas.

Não tenho mais medo da morte. Porque procuro celebrar a vida a cada segundo.

 

Para saber os critérios dessa escolha, clique aqui.