Compartilhe

As minhas escolhas e convicções pessoais me impedem de ter filhos. Pelo menos de formas naturais. Como eu só me relaciono com mulheres muito mais velhas do que eu, se algum dia eu engravidar uma coroa, vai acontecer o seguinte: 1) eu vou negar que o filho é meu e; 2) se eu assumir e a criança nascer, o nome será MacGyver (sendo menino ou menina).

A segunda opção, bem mais viável, é a adoção. Mas não imagino essa possibilidade acontecendo tão cedo. Se bem que eu já passei dos 40, ou seja, está ficando cada vez mais tarde.

Mas… se eu tiver um filho algum dia, não seria algo tão ruim assim se ele fosse como o Felipe Neto.

É só parar para pensar com inteligência.

Seria bem legal se o meu futuro filho aprendesse com os próprios erros do passado, assumindo que os cometeu, pedindo desculpas aos eventuais ofendidos e prejudicados, e não repetindo esses erros. Só aqui, ele já mostraria que é melhor do que o homofóbico que se sente ofendido com o beijo de dois homens.

Eu teria orgulho do meu futuro filho se ele abraçasse causas com coragem, não apenas falando em defesa das minorias, mas efetivamente fazendo alguma coisa por eles. Aqui, as suas ações positivas são muito melhores do que sair por aí agredindo homossexuais que estão se beijando em um ônibus.

Também seria muito bom se o meu futuro filho desafiasse o estado, com coragem e determinação, batendo de frente contra a censura e defendendo o direito de livre expressão, entendendo que todos são iguais. Muito melhor do que ser um político que determina a retirada de literatura LGBT, impedindo que qualquer pessoa tenha acesso a esse conteúdo.

Mil vezes um Felipe Neto do que um Marcelo Crivella.

Logo, é estúpida a hashtag #PaisContraFelipeNeto. Primeiro porque os pais não sabem usar o Twitter (mal sabem usar o Facebook, rede social do gado). Segundo, e o mais importante: a galera que sabe usar o Twitter está do lado do Felipe Neto, e usou a hashtag contra o gado.

O resultado disso? O mundo vai saber que o Brasil é um país homofóbico, que não respeita a liberdade individual, e que insiste a todo custo em querer o mundo na caixinha ideológica imbecil de reivindicar a patente do amor para a “família tradicional cristã ocidental”.

Eu não preciso escrever um post para defender o Felipe Neto, e esse nem é o objetivo aqui. O rapaz pode se defender sozinho.

Só quero deixar bem claro de que lado eu estou. Deixar claro para amigos, familiares e pessoas ignorantes e preconceituosas que Felipe Neto está mais do que certo. Não me importa se ele fez isso para melhorar a imagem dele junto ao grande público (teoria sem fundamento para quem acompanhou os vídeos do rapaz nos últimos anos).

E se o objetivo foi esse, ele conseguiu. Conquistou o apoio de muita gente em uma causa que é muito maior do que eu e você.

Crivella foi humilhado por um jovem adulto que aprendeu e mudou com o passar do tempo.

Nada mais justo. Isso se chama evolução.


Compartilhe