Compartilhe

requiem-4-pulgadas-1

Eu vivi muito bem com as telas de quatro polegadas durante um bom tempo. Porém, me acostumei aos phablets (ou “sapatofones”, ou “havaianas phones”, ou “smartphones de Itu”). E olha que o meu atual LG G2 nem tem 5.5 polegadas (ficou em 5.2 polegadas). Fato é que, mesmo preferindo as telas maiores, achei o iPhone 5s bem manejável com suas quatro polegadas de tela. Mesmo assim, era uma tela pequena demais para mim.

E se todas as previsões estiverem corretas, as 4 polegadas de tela do iPhone serão deixadas para trás amanhã (9). A Apple deve apresentar os novos modelos de iPhone, com telas de 4.7  e 5.5 polegadas, que podem finalmente colocar a gigante de Cupertino dentro da nova tendência de mercado. Em outras palavras, pode ser o fim das telas de quatro polegadas nos smartphones top de linha de uma vez por todas.

 

O que será do iPhone de 4 polegadas?

requiem-4-pulgadas-2

Uma boa pergunta. Que a Apple vai aumentar a tela do seu iPhone, isso é fato. Agora, o que fazer com os modelos 5s e 5c, lançados no ano passado? Segue sua fabricação, por conta da demanda? Ou retira do mercado de uma vez por todas?

O que parece claro é que, com os novos iPhones, nunca mais verems um telefone com tela de 4 polegadas da Apple. Manter os modelos do ano passado pode ser interessante pelo simples fato de serem modelos ainda vendáveis, e seria uma loucura comercial muito grande aposentá-los com apenas um ano de vida.

Por outro lado, é provável que as diversas melhorias que o iPhone 6 com tela de 4.7 polegadas deve oferecer façam do modelo de 2013 algo muito obsoleto. Sem falar que a Apple é mestre na estratégia de tentar convencer todo mundo da necessidade de trocar o seu iPhone comprado no ano passado pelo recém anunciado.

 

O smartphone está (quase) morto… para dar lugar ao phablet?

650_1000_requiem-4-pulgadas-3

Até agora, a Apple foi implacável com suas decisões de design. O salto das 3.5 polegadas para as 4 polegadas parecia algo natural, e isso implicou no desaparecimento dos primeiros modelos do iPhone. O mesmo deve acontecer com os atuais iPhone 4s, iPhone 4, iPhone 5, iPhone 5c e iPhone 5s, que devem continuar à venda, dependendo da região. Mas a longo prazo, vão desaparecer.

No universo Android, praticamente todos os grandes fabricantes do setor já contam com phablets. Apenas a Sony lançou em 2013 o Sony Xperia Z1 Compact, com tela de 4.3 polegadas. E nem a Sony voltou a repetir essa estratégia, pois o Xperia Z3 Compact anunciado na IFA 2014 tem uma tela de 4.6 polegadas. Hoje, a única tendência que importa nos smartphones com o sistema da Google são as telas com 5 polegadas ou mais.

A tendência dos tablets é cada vez maior, conforme o tempo passa. Os fabricantes lançavam modelos com pelo menos cinco polegadas de diagonal em 2012, e esse era apenas o primeiro passo de um crescimento maior. Eu achava loucura smartphones com telas de 6 polegadas. Hoje, eles são uma realidade.

Hoje, estamos diante de um cenário onde o tamanho dos smartphones não param de aumentar, para atender o gosto do usuário atual. Os phablets de 6 polegadas que muitos davam risada (eu, inclusive) tem todo o potencial para substituir os modelos atuais com telas de 5.5 polegadas (que ficarão pequenas para muitos, por mais inacreditável que isso pareça).

 

O consolo nas edições mini

650_1000_requiem-4-pulgadas-4

Existe um pequeno refúgio para quem não gosta das grandes telas de smartphones. As linhas média e de entrada oferecem dimensões de telas menores para reduzir custos, mas mantendo um bom equilíbrio nas especificações em alguns casos. Os modelos “mini” são menos turbinados, mas em casos específicos, oferecem modelos de alta qualidade técnica.

Os modelos “mini”, em via de regra, não só são reduzidos nas dimensões, mas também no processador, memória, câmera e armazenamento. Itens fundamentais para um bom desempenho do dispositivo. Felizmente, os tempos estão mudando. Alguns recentes modelos contam com um hardware muito bem ajustado, com processadores mais potentes, câmeras minimamente decentes e o mesmo software dos modelos top de linha.

Aliás, já faz um tempo que a Google sabe que o mais importante é que os dispositivos menores também ofereçam a melhor experiência de uso possível, uma vez que os mercados emergentes ainda contam com um imenso potencial de venda a ser explorado.

Pode ser que a adoção das telas de 4.7 polegadas resulte em um efeito curioso. Talvez os fabricantes do Android não se atrevam mais a lançar modelos top de linha com telas inferiores a cinco polegadas, destinado a um nicho de usuários quase esquecido entre os defensores do Android. A ideia quase faz sentido, exceto pelo fato da Google jamais confirmar que quer mesmo que o tamanho dos dispositivos com o seu sistema aumentem de forma considerável.

A resposta para essa teoria pode vir no hipotético Nexus X, que pode ter uma tela de 5.9 polegadas. Se isso acontecer, é o fim em definitivo das telas de 4 polegadas, e o começo do fim das telas de 5 polegadas nos smartphones.

De qualquer forma, tudo indica que, a partir de amanhã, os smartphones com tela de 4 polegadas serão uma doce lembrança entre os usuários mais nostálgicos.


Compartilhe