Compartilhe

Todo mundo virou especialista no judiciário brasileiro e na constituição.

Só que não, é claro.

O brasileiro médio não sabe votar no Big Brother, não sabe votar no The Voice Brasil, não sabe escolher marido e esposa, não sabe esconder que tem um caso, não sabe esconder filho fora de casa, não aprendeu a torcer pelo seu time de futebol sem dar porrada no coleguinha que torce para outro time e, principalmente, não sabe nem votar direito… quer saber como funciona a justiça e a constituição?

Ah, meu… fala sério.

Esse povo todo que está brigando na internet e na rádio Jovem Pan (daqui a pouco eu falo sobre você, Augusto Nunes) não entendeu ainda o que aconteceu.

Pense no jogo de futebol. O juiz está lá para garantir que as regras serão cumpridas, doa a quem doer. Não para criar ou mudar as regras. Quem cria as regras é uma galera bem diferente.

Agora… para quem achou que o STF, o poder judiciário, poderia ir CONTRA A CONSTITUIÇÃO, se enganou completamente. E os amiguinhos que estão espumando de raiva nesse momento deveriam dar uma lida na carta magna brasileira, pois ela é a lei máxima do país. Nada pode ser maior que ela. Ninguém pode ir contra essa carta.

Nem mesmo os vingadores de toga.

Quer saber quem é o seu inimigo nesse momento?

Isso mesmo. O congresso nacional.

É o congresso que elabora as leis. São os políticos que você tanto ama (ou que você ama odiar) que são os responsáveis pelos últimos acontecimentos recentes. E, pode ter certeza de uma coisa: eles não vão legislar contra eles mesmos.

Procure saber como o seu político preferido (ou corrupto de estimação, dependendo do nome envolvido) opinou sobre a questão da prisão em segunda instância. É um assunto tão polêmico, que eu estou escolhendo muito as palavras que eu estou colocando aqui.

Mas uma coisa é certa.

Não podemos entrar em um cenário onde a justiça precisa acontecer a todo custo. O preço que se paga depois é alto demais, e não existe garantia alguma que, dessa forma, a justiça vai ser feita quando for a nossa vez de precisar que a justiça seja feita.

Deixo de lado qualquer convicção pessoal sobre os envolvidos nesse cenário político e criminal atual. Particularmente, todo corrupto comprovado tem que ir para a cadeia, além de devolver cada centavo que obteve de forma ilícita com recursos públicos.

Porém, toda e qualquer pessoa merece um julgamento justo. Não podemos ter um judiciário viciado, que adotou manobras que fugiram da legalidade, e que coloca em risco a isenção de todo um processo que, sinceramente, não precisava ter usado de tais mecanismos para alcançar os objetivos traçados.

Agora, temos um cenário que beira o caos. Não consigo entender quem comemora. Não consigo entender quem está com ódio.

E não consigo entender quem não enxergou ainda que o inimigo comum, de todos nós, independente do lado escolhido, é o mesmo: o congresso. O conjunto de políticos que não estão legislando para mim e para você, mas sim pelos interesses desse grande grupo.

Não sei se é cegueira ou se é burrice. Mas para um coletivo que não sabe nem votar direito, nada me surpreende.


Compartilhe