Você vai carregar o seu smartwatch com o seu suor no futuro

Compartilhe

Ah, a inovação tecnológica e suas soluções um tanto quanto peculiares…

Um grupo de pesquisadores da Universidade Nacional de Cingapura (NUS) desenvolveu uma película que absorve o suor e utiliza essa umidade nojenta para carregar outros dispositivos.

O que tem uma certa lógica, se você parar para pensar: enquanto você corre ou caminha, o suor do seu braço está carregando o seu smartwatch, garantindo a autonomia de uso até o final da atividade.

 

 

 

Como funciona?

 

A tal película acelera o processo de evaporação do suor que, por sua vez, tem como importante missão resfriar o nosso organismo adequadamente (uma vez que a temperatura do nosso corpo sobe durante a atividade física). O material funciona seis vezes mais rápido e absorve 15 vezes mais umidade que as soluções desenvolvidas até agora.

Essa película pode ser incorporada às palmilhas dos tênis e demais calçados esportivos, ou em outros acessórios em diferentes partes do corpo, mantendo essas partes mais secas e cômodas durante a atividade física intensa, ondas de calor e atividades do dia a dia em climas mais tropicais.

O material vai mudando de cor conforme vai absorvendo a umidade, começando pelo azul para depois se transformar em violeta e, por fim, ficando rosa. É dessa forma que sabemos que ele está carregado. Quando a película é exposta ao sol, ela libera a água (ou o suor) coletado, permitindo que a mesma seja reutilizada várias vezes.

O grande diferencial desta tecnologia é que, ao absorver a umidade, ela pode gerar energia através de um eletrólito. Outro material novo se intercala entre oito células eletroquímicas que geram aproximadamente meio volt cada, o que é o suficiente para alimentar uma luz de LED.

O protótipo dessa tecnologia pode servir de base para futuros dispositivos eletrônicos portáteis de baixo consumo, como monitores de atividades físicas e relógios esportivos, que seriam alimentados pelo suor.

 

 

 

Por que ninguém pensou nisso antes?

 

Na boa?

A gente pode ficar zoando tal iniciativa, e até mesmo contar com o direito legítimo de pensar o que essa tecnologia faz com o suor do corpo humano. Mas não dá para não pensar que essa solução poderia ter aparecido antes para alívio da humanidade.

Não há informações sobre quando essa película vai chegar ao mercado (se é que um dia vai chegar), mas já fico na torcida para que o projeto prospere.

 

 

Via Nano Energy


Compartilhe