Compartilhe

Se tornou algo comum chamar qualquer smartphone com processador top de linha de monstro. Vários fabricantes e entusiastas de tecnologia fizeram isso ao longo dos últimos anos e, meses depois, o dispositivo era superado por um novo monstro.

Pois bem, o monstro de 24 de setembro de 2019 é o Xiaomi Mi 9 Pro 5G.

 

 

Um monstro de verdade

 

 

Não dá para chamar o Xiaomi Mi 9 Pro 5G de outra coisa a não ser de monstro. Pelo menos nesse momento, esse é o dispositivo com as especificações técnicas mais avançadas do mercado, e com o bônus de trazer no seu interior o chip 5G.

Se bem que o 5G nem é tanto o diferencial desse dispositivo, já que esse tipo de conectividade de rede ainda está nascendo no mundo. O que chama a atenção do Xiaomi Mi 9 Pro 5G é o conjunto como um todo. Poder oferecer até 12 GB de RAM e até 512 GB de armazenamento (UFS 3.0, pois não basta ter muito armazenamento se ele não é rápido o suficiente para trabalhar com grandes volumes de dados), trabalhando com o mais potente processador da Qualcomm, o Snapdragon 855+.

 

 

E isso, porque esse telefone não recebeu o tal sensor de 108 MP, fabricado pela Samsung e que será temporariamente exclusivo para uso dos dispositivos da Xiaomi (ele oficialmente estreou no Xiaomi Mi MIX Alpha, aquele smartphone com a tela que envolve todo o corpo). Ou seja, ele poderia ser ainda mais monstro para deixar a concorrência comendo poeira.

A cereja do bolo? A bateria de 4.000 mAh com modo de recarga rápida de 40W, sem falar na recarga sem fio de 30W e a recarga reversa de 10W.

A única coisa que pode impedir o Xiaomi Mi 9 Pro 5G de ser o monstro definitivo da telefonia móvel é o seu software. Não que a MIUI 11 (que reveste o Android 10) seja ruim, mas historicamente a interface customizada da Xiaomi não entrega um desempenho pleno, mesmo nos seus dispositivos mais potentes.

 

 

Vamos aguardar pelos primeiros benchmarks e reviews para confirmar ou desmentir a monstruosidade desse dispositivo. Mas não é exagero chamar o Xiaomi Mi 9 Pro 5G de monstro desde já.

Porque ele é um monstro.


Compartilhe