xiaomi mi notebook pro

É de conhecimento geral que a Xiaomi copia a Apple de forma descarada. Na cara dura. Sem pudor ou medo de ser feliz. Por conta disso, não é surpresa para ninguém que, depois de copiar o MacBook Air com o Xiaomi Mi Notebook Air (e ser bem sucedida nessa cópia), eles iam fazer de novo.

Igualzinho, como todo clone.

Esteticamente, o Xiaomi Mi Notebook Pro é igual ao MacBook Pro. Mesmo que não seja rigorosamente igual, ele é muito semelhante. E o objetivo aqui não é apenas ir no vácuo da gigante de Cupertino, mas principalmente atender os anseios do mercado asiático, que priorizam muito mais a estética do que a parte técnica.

Mas nesse caso, no lugar de ter um notebook xing-ling, ou no estilo “Denorex” (os mais velhos sabem do que eu estou falando), a Xiaomi decide oferecer especificações de um típico notebook top de linha, e por um preço muito competitivo. Em comparação ao MacBook Pro? Com toda certeza que sim! Mas até mesmo para os demais fabricantes, ele cai muito bem no bolso de muita gente.

 

 

O Xiaomi Mi Notebook Pro é um dos primeiros notebooks de sua categoria a contar com um processador Intel Core de oitava geração (Core i5 e Core i7), trabalhando com até 16 GB de RAM (mesmo que sejam 8 GB, eles são suficientes para a maioria dos usuários) e uma unidade SSD de até 256 GB.

O resultado é um desempenho simplesmente excelente para a maioria das atividades (pessoais, profissionais, de produtividade…). Tudo bem, estamos diante de um notebook de 15.6 polegadas e 1.95 kg, o que não o torna o mais portátil do mercado nesse momento. Mesmo assim, é um hardware de respeito, onde muitos vão querer usar em qualquer lugar.

 

 

Sem falar nos diferenciais que a Xiaomi se preocupou em inserir nesse notebook, como por exemplo um teclado 19% maior do que a sua “inspiração”, e um leitor de digitais integrado no touchpad. Tudo isso agrega valor ao notebook, tanto para quem busca maior produtividade, como para quem quer efetivamente um notebook que entrega um algo mais no uso diário.

E tudo isso, custando apenas US$ 1.067 no modelo mais caro (256 GB SSD, 16 GB RAM, Intel Core i7 de oitava geração).

 

 

Prevejo muita gente querendo importar esse dispositivo quando ele estiver disponível no mercado. Sim… é uma pena a Xiaomi não distribuir os seus produtos em uma escala maior no mercado internacional.

Honestamente? Esse é, basicamente, o notebook que eu pedi a Deus. E vou continuar orando por ele.