Com a popularização dos sistemas de controle de trajeto adaptados, de aviso de mudanças involuntárias de trajeto e de frenagens de emergência, estava bem claro qual seria o próximo passo para os fabricantes automotivos: integrar todos esses recursos em um único assistente, para fazer com que os carros realizem o trajeto entre dois pontos sozinhos, ou com a mínima intervenção humana possível. A Wolksvagen já ofereceu um avanço significativo em suas tecnologias, e agora, a Cadillac é quem mostra o seu “carro com condutor opcional”, no seu sistema Super Cruise.

Utilizando sensores de radar e de ultrassom, câmeras e dados cartográficos procedentes de navegadores GPS, o Super Cruise é capaz de fazer curvas automaticamente (não me pergunte a qual velocidade; a Cadillac não quis entrar em detalhes), frear, estacionar o carro na garagem e basicamente se dirigir sozinho ao seu destino “mediante algumas condições”, segundo informa a General Motors. A montadora reconhece que nem sempre o funcionamento do veículo pode ser independente, e quando os dados recolhidos pelo sistema não são fiéis ao que temos na estrada, o motorista será avisado, e assim, poderá assumir o controle do veículo com as mãos.

O sistema TAP da Wolksvagen parece ser mais completo pela sua capacidade de reconhecer sinais de tráfego e até detectar distrações, mas o Super Cruise da Cadillac tem um atraente diferencial: parte do seu equipamento já pode ser instalado em seus modelos no meio dessa década. E nessas horas é bom lembrar que já estamos em 2012.