Ainda estou sob o efeito da ressaca pós cobertura do Emmy Awards. Todo ano é assim: sono, dor de cabeça, uma noite mal dormida… mas sempre vale a pena. O “Superbowl da TV norte-americana”, realizado ontem (23) em Los Angeles, mais uma vez causou polêmicas, controvérsias, promoveu justiças, consagrou grandes trabalhos… enfim, fez o seu trabalho de gerar notícia para todo mundo no dia de hoje.

Esse post disseca, de forma mais racional, minha opinião sobre o Emmy Awards 2012. Dividindo em tópicos, para uma organização mais prática. E sempre seguindo a pergunta principal: “O Emmy Awards 2012 foi…”

1) Divertido: eu jurava que iria me deparar com uma premiação mais chata na ABC, e não foi isso o que aconteceu. Jimmy Kimmel foi muito bem, as piadas em forma de esquete foram todas muito boas (destaque para a piada de abertura, com algumas das principais atrizes da premiação, e para a esquete de Breaking Bad na década de 1950). Aliás, Jimmy Kimmel soube rir de si mesmo (em um “In Memoriam” só dele) e dos pais dele (que ele “expulsou” da premiação), além de criar um meme nas redes sociais, anunciando a “morte” de Tracy Morgan no palco do evento.

2) de Modern Family: não me entendam mal, eu gosto de Modern Family. Eu ainda a acho uma das melhores comédias da atualidade. Mas a terceira temporada da série da ABC foi, de longe, a mais fraca das três, e não sei se merecia vencer o Emmy em 2012. Tudo indica que Modern Family se mantém não só por ainda ser uma ótima série, mas porque o seu elenco é muito forte. É um elenco competente, coeso, equilibrado, e onde quase todos já foram premiados. Por outro lado, sinto falta de séries como Parks and Recreation sendo mais reconhecidas. 30 Rock, pelo visto, não tem mais vez no Emmy mesmo (e essa foi outra que achei a última temporada mais fraca), e Community, pelo visto, pode esquecer, que jamais será mencionada no Emmy mesmo.

3) de Homeland: fico muito feliz ao saber que, mais uma vez, o trabalho da dupla Howard Gordon e Alex Ganza foi mais uma vez reconhecido. Os dois são os principais responsáveis pela série 24 Horas, que iniciou uma nova fase na televisão norte-americana, e com Homeland, eles colocaram a sua proposta narrativa em um outro nível. Além disso, Damien Lewis e Claire Danes tiveram o reconhecimento de atuações soberbas. Ok, não estou aqui dizendo que Breaking Bad não mereceu, e que Mad Men perdeu a sua vez. Só estou dizendo que é ótimo ver uma produção tão bem feita, e com uma proposta tão boa ser premiada. E Homeland tem sim uma primeira temporada simplesmente impecável.

4) de Game Change: a HBO conseguiu de novo. E não foi com Game of Thrones, ou com Girls. Foi com Game Change, que tem produção de Tom Hanks. Tal fórmula já tinha dado certo com Band of Brothers, e deu certo novamente. Ainda mais quando estamos em um ano de eleição, e em uma história que conta a trajetória de Sarah Palin. Com respeito aos demais, mas mereceu. Ainda mais com um Julianne Moore, fazendo uma Sarah Palin melhor que Tina Fey (que, como todos sabem, é a Sarah Palin).

5) da centralização: foi um Emmy centralizado, com poucas séries recebendo muitos prêmios. Em anos anteriores, os membros da Academia de Ciências e Artes Televisivas resolveram diversificar as escolhas, e isso parece não ter agradado os mais conservadores. Nesse ano, tudo se resumiu a, no máximo, cinco séries nas categorias principais. E eu não sei se isso é uma coisa boa. Bom, pelo menos até conhecer os indicados ao Golden Globes 2013. Aí, eu vou ter certeza.

6) das justiças (na minha opinião):
séries extremamente “hypadas” por alguns entendidos (e outros que acreditam entender) não foram premiadas como esperado. Duas perdas foram muito justas. A primeira é de Zooey Deschanel (New Girl), que só na opinião dos nerds punheteiros que não pegam mulher ela poderia vencer a categoria de melhor atriz em comédia. Definitivamente, ela não é engraçada. A segunda justiça foi a “não consagração”  de Girls. É uma série superestimada, que não tem graça nenhuma, com argumentos imbecis… e que muita gente chama de “genial”. Na boa, pra mim, só existem dois tipos de comédia: a que é engraçada, e a que não é engraçada. E Girls, ao meu ver, está no segundo grupo.

7) as injustiças (na minha opinião):
eu faço coro com a maioria: Sherlock foi uma das maiores injustiças do Emmys 2012. A produção é realmente muito boa, e merecia uma melhor visibilidade. O problema é que, dificilmente os membros da Academia iriam premiar uma série britânica para deixar de lado Hatfields & McCoys ou Game Change, que contam histórias claramente voltadas para o público norte-americano. E é sempre bom lembrar que o Emmy Awards é um prêmio da televisão norte-americana. E, antes que falem do exemplo de Downton Abbey, vale lembrar que essa série passa na PBS, o canal público norte-americano, que tem um alcance muito maior que Sherlock, que passa na BBC America. Ou seja, naturalmente, tem uma visibilidade maior.

A partir de agora, as atenções estão voltadas para a nova temporada de séries, com novas produções chegando. Até dezembro, quando a lista dos indicados ao Golden Globe 2013 sair, vamos viver um período de “calmaria”. Até lá, eu espero me recuperar da ressaca. Hoje vai ser um longo dia de trabalho…