piratebox1-0

O projeto do PirateBox levou tempo no seu desenvolvimento, e os seus responsáveis anunciaram recentemente o lançamento do PirateBox 1.0, a primeira versão final do dispositivo, que conta com uma interface de usuário adaptável (responsiva), permitindo também o uso com smartphones e tables na hora de compartilhar arquivos e conversar com outros usuários.

O PirateBox é um dispositivo de comunicação para rede local, que dispensa o uso da rede externa. Sua construção é baseado em roteadores sem fio, smartphones Android – com uma ferramenta específica para esse sistema operacional -, notebooks ou até mini-computadores, como o Raspberry Pi.

O sistema foi desenvolvido para fomentar a privacidade e a segurança. Não há registro de usuário no início da seção, e nenhuma informação da seção de uso é salva. O usuário pode manter o seu anonimato por completo, já que eles não estão conectados em outra rede externa (como por exemplo a internet), podendo compartilhar arquivos e se comunicar em uma rede local privada e anônima.

O software pode acessar um repositório de arquivos que podem ser armazenados, modificados ou reproduzidos. Também é possível publicar imagens ou manter seções de chat em uma ferramenta que se assemelha a um programa de mensagens instantâneas, porém, local, mantendo intacta a sua privacidade.

Ainda que possam ser utilizadas diferentes soluções para que qualquer pessoa habilidosa possa construir a sua própria PirateBox, um dos formatos mais populares de uso é com um router sem fio ( TP-Link TI-MR3020 ou TL-MR3040), que são especialmente recomendados, além de um pendrive USB conectado ao router, como dispositivo de armazenamento.

Nesse router, se instala o software OpenWrt e todos os processos são gerenciados através de uma interface web responsiva, que se adapta tanto aos PCs e portáteis quanto a smartphones e tablets.

Via PirateBox