É uma situação limite, convenhamos. E que se mostra assim a algum tempo.

O departamento de smartphones da LG está, nesse exato momento, na UTI. Porém, ao que parece, ainda não é o momento de jogar a toalha e desistir. A empresa sul-coreana está preparando um novo smartphone 5G, e está realizando mudanças no desenvolvimento e produção de novos dispositivos. Porém, não dá para saber se isso é o suficiente para a marca voltar a ser relevante ou receber algum protagonismo digno de competir com as demais marcas do mercado.

A queda nas vendas de smartphones da LG foi de 30% no primeiro trimestre de 2019 (em comparação com o primeiro trimestre de 2018). Essa foi a maior queda da empresa no segmento nos últimos oito anos. O prejuízo de US$ 181.05 milhões é parte do investimento e reestruturação do departamento. Mesmo assim, não registrar crescimento é um problema para qualquer empresa.

 

 

Na UTI, mas com esperanças de melhora (e não é a melhora da morte)

 

A LG sabe disso. Sabe que as coisas para o seu departamento mobile não está bem, e a prova disso é a recente escolha de Brian Kwon (chefe do departamento de TVs, que funciona bem) é o novo responsável pelas principais decisões em relação aos smartphones.

A melhora nos resultados operacionais podem mostrar uma luz no fim do túnel, que pode não ser o trem vindo na direção contrária. A LG espera que o V50 ThinQ 5G crie um novo hype no segundo trimestre de 2019. Some isso à mudança das operações de fabricação da Coreia do Sul para o Vietnã, os níveis de competitividade e, respectivamente, os lucros, podem aumentar.

Enquanto isso, a LG Electronics como um todo registrou lucros, o que ainda ajuda a LG como um todo a respirar e pensar no que fazer. Ou seja, mesmo com o alerta vermelho na divisão dos smartphones, ainda é possível ver a LG sair da UTI na divisão dos smartphones e ir para o quarto, até com a possibilidade de receber visitas.