A algum tempo nós aceitamos o inevitável: um dia, os humanos terão sexo com robôs (alguns deles já estão fazendo). Porém, alguns se preocupam com a segurança dos humanos, já que esses robôs podem ser hackeados para assassinar seus usuários.

Nick Patterson, especialista em segurança da Universidade de Deakin (Austrália), adverte sobre possíveis cenários de risco em casos de vulnerabilidade dos robôs sexuais, que podem ter seu comportamento alterado para se transformar em uma máquina de matar (e não necessariamente de prazer).

Hackers podem violar um dispositivo robótico, assumindo o seu controle completo ou de outras ferramentas conectadas, como dispositivos de solda, por exemplo. Lembrando que, em regra, os robôs sexuais podem ter mais de 90 quilos e contar com uma força enorme.

Uma vez hackeado, o controle do atacante seria total, podendo instruir o robô para realizar ações físicas perigosas para a integridade do humano, que pode sofrer lesões graves ou até ir a óbito.

É um cenário factível pela presença das variáveis. Por outro lado, é também uma previsão sensacionalista e contornável pelos programadores responsáveis pelos robôs.

Mesmo assim, pode ser o início de um debate sério e necessário sobre o tema.

 

+info

Leia também:  Receipt Racer, ou a prova que o papel contínuo pode ser algo divertido