blogueiro

Jornalista é uma classe de profissional de difícil relacionamento. O tempo de faculdade, professores chatos e o próprio dia a dia da profissão tornam os corações dessas pessoas algo mais endurecido o que o tradicional.

Já os blogueiros são despojados. Escrevem por paixão ao tema abordado, pelo desejo que outras pessoas conheçam as suas visões de mundo. Dissertam de forma livre sobre os assuntos que quiser, com a inspiração de quem vê o novo todos os dias, sempre e quando entende que esse algo novo pode ser interessante para quem está lendo do outro lado da tela.

Em 2018, eu completo 10 anos de atividades como blogueiro de tecnologia. Com muito orgulho, eu digo: sou blogueiro de tecnologia. Muita gente da minha família não entende como é o meu trabalho, mas sabe que ele me levou a lugares bacanas, resulta em viagens para eventos de lançamento de produtos, permite que eu teste produtos de tecnologia de todas as espécies e paga as minhas contas (com dificuldades, é claro).

Depois de 10 anos, eu concluí que eu venci naquilo que eu queria fazer. Eu queria estar no mesmo lugar que Nick Ellis e Bia Kunze, pessoas que eu admirava e admiro até hoje. Que me ajudaram direta e indiretamente com o meu trabalho. Me inspiro neles até hoje.

E hoje, eu estou no mesmo lugar que eles estão. Entendo que isso é sinônimo de sucesso.

E entendo que, se eu tivesse feito tudo errado, eu não teria alcançado o mesmo lugar que eles. Aliás, aprendi em 10 anos que ‘sucesso’ é algo relativo e subjetivo. Cada um tem a sua meta a ser alcançada. A minha era essa. Porém, por conta dessa meta, conquistei muito mais do que eu poderia imaginar.

Hoje, o TargetHD.net é um veículo de tecnologia respeitado pelas assessorias de imprensa e pelos consumidores de tecnologia. Se tornou uma das referências de opinião e informação de qualidade. Passou a oferecer os lançamentos internacionais com o máximo de dados possível, reviews de produtos de forma detalhada, com análise pessoal transparente e apurada.

Tenho muito orgulho desse blog. Tenho muito orgulho de onde ele me levou.

O mesmo vale para o SpinOff.com.br. Apesar de não ser um projeto solitário, se tornou um ‘brinquedo’ meu. Hoje, sou responsável pelas postagens e administração do blog. Por causa dele, fui convidado para várias coletivas de imprensa, e recebo alertas de cabines de filmes toda semana. Não posso comparecer a todas as cabines porque a maioria delas acontece em São Paulo. Mas sou lembrado pelas assessorias pelo bom trabalho.

Mas… o mais importante desse tempo todo… é que eu aprendi a não pautar o meu trabalho pela minoria.

Recentemente, quase fui considerado ‘não ser gente’ por ser blogueiro. ‘Profissionais de jornalismo’ frustrados tentam atribuir aos blogueiros a decadência da informação, quando na verdade tudo é uma questão de caráter e ética. São coisas que trazemos na vida. Temos ou não temos. Estabelecer rótulos ou grupinhos em um mundo onde a informação de qualidade não está mais restrita aos veículos tradicionais é a prova cabal que os diplomados frustrados e medíocres simplesmente não aceitam que o mundo mudou, e que seu diploma pouco ou nada representam no consumo da informação.

Além disso, a mediocridade desses profissionais fica evidente na incapacidade de fazer um bom trabalho para alcançar a relevância desejada. Não conseguem entender que, no final das contas, o tempo mostra que um bom trabalho tem ou não relevância, com erros e acertos. Eu mesmo já errei muito como blogueiro, e erro todos os dias. Sou humano, me permito aos erros. Mas também entendo que acerto muito mais que erro. Caso contrário, não teria alcançado meus objetivos. Não teria prevalecido, depois de tanto tempo e tantas dificuldades.

Enfim, sou blogueiro sim. Com muito orgulho. Mas sou um dos melhores.

Chegar onde cheguei é para poucos.

E só eu sei o que passei para chegar até aqui.

Não é nenhum diplomado que vai me dizer qual é o meu lugar. Até porque eu já estou no lugar onde mereço estar.

Simples assim.