De tempos em tempos, as pessoas que são consideradas realmente influentes no mundo da tecnologia são ouvidas, mesmo que elas não atuem mais de forma direta no mercado. Ok, muitos podem dizer que quem é influente é quem manda. Mas essas celebridades do mundo tech que são procuradas acabaram criando (direta ou indiretamente) essa indústria, logo, entendem alguma coisa (ou muita coisa) desse negócio todo.

Nas últimas semanas, Steve Wozniak e Bill Gates foram procurados por veículos especializados para opinar sobre o cenário atual das empresas que eles ajudaram a construir. Apple e Microsoft vivem hoje momentos de peculiaridade, cada uma com os seus problemas, mas com similaridades nas profecias apocalípticas dos nossos dois protagonistas. Vamos ver o que foi que eles disseram.

Woz falou para a Bloomberg no dia 20 de fevereiro, e não resistiu em fazer críticas à Apple, afirmando que o ritmo de inovação da empresa estava lento, e que isso poderia fazer com que a empresa perdesse o seu ar inovador e descolado junto ao consumidor. Não muito estranho que, um dia depois de Wozniak ter feito tais declarações, uma pesquisa publicada pelo SlashGear mostrou que os norte-americanos estão percebendo que a Microsoft está voltando a ser uma empresa jovial e descolada, muito por causa das mudanças aplicadas no Windows 8 e, principalmente, por causa do Xbox 360/Kinect.

Wozniak também afirmou que uma esperança para a Apple renovar a sua marca junto ao público é o possível lançamento do iWatch, que tudo indica que virá mesmo (já que mais de 100 engenheiros estão trabalhando no projeto ou em algo relacionado). Um relógio da Apple poderia lembrar ao público que a empresa pode oferecer produtos únicos e descolados.

Nosso amigo Woz tem a sua razão de ficar descontente. De fato, a Apple se limitou a apenas atualizar produtos, sem apresentar algo realmente novo e interessante. E isso é algo que sempre esperamos da empresa de Cupertino. Por consequência, a concorrência está chegando, com produtos novos, interessantes e, principalmente, legais. São tão bons quanto os produtos da Apple, mas mais baratos e com um ar renovado e moderno. E isso porque não estou explorando os erros recentes de Tim Cook e companhia, algo que sempre pode atrapalhar.

A prova dessa falta de inovação é que até a BlackBerry trouxe alguma coisa nova no BlackBerry 10. Mesmo que seja um teclado virtual que eu diga “isso é muito bom, quero isso para mim”. É o que esperamos da Apple.

O filantropo/nerd/tio patinhas Bill Gates também não está feliz em ser um aposentado com bilhões de dólares na conta bancária. Também deu uma entrevista nessa semana para a CBS, e afirma que não está satisfeito com as inovações adotadas pela Microsoft nos últimos anos. E olha que a empresa que ele criou com Paul Allen entregou inovações interessantes ao menos no mercado de games.

Primeiro, Gates falou do atual CEO da Microsoft, Steve Ballmer. Disse que o executivo liderou o lançamento de produtos incríveis, como o Windows 8, Surface, Bing e as soluções para o Xbox, mas para Gates, isso não é suficiente. O ex-CEO da empresa entende que os caras estão fazendo o possível em matéria de inovação, mas não ignora que alguns segmentos não vão tão bem quanto o esperado. Especialmente o Windows Phone.

Gates afirmou que é um grande erro o caminho tomado pela Microsoft em alcançar a lidderança do setor. mesmo que as vendas do Windows Phone 8 são quase quatro vezes superior em relação à versão anterior, a gigante de Redmond não conseguiu dar conta de captar um grande número de consumidores. Resultado: o Windows Phone sequer esboça ameaçar desbancar o Android ou o iOS. E isso porque não entrei em maiores detalhes do Bing, que é um sucesso nos Estados Unidos… mas só lá mesmo.

Bill Gates tem os seus motivos para se preocupar, e não é apenas um ranzinza em potencial. A Microsoft decidiu entrar em uma briga de gigantes. Já fracassou uma vez lançando o seu próprio smartphone. Agora, tenta o seu sistema operacional, mas em um mercado onde Android e iOS mandam de forma dominante. Tudo bem que a empresa conta com um parceiro que entende do assunto no quesito hardware (a Nokia), mas é o mesmo parceiro que todo mundo vê como aquele bobo que perdeu tempo achando que os seu sistema era o bonzão (o Symbian) e perdeu o bonde da história. E alguns outros acreditam que Stephen Elop nada mais é do que um agente sabotador, para que no futuro a Nokia fique tão enfraquecida, que não vai sobrar outra alternativa a não ser ser vendida… Para a Microsoft.

Teorias da conspiração a parte, acho que Gates quer dizer que a Microsoft mexeu em certos vespeiros. Nos sistemas operacionais móveis e nas ferramentas de buscas, temos mercados consolidados. Ou você faz bem feito (na verdade, impecavelmente bem feito), ou você vai fracassar. Tudo bem que o Bing parece ser uma solução bem interessante, e que o Windows Phone é um sistema excelente, mas daí a convencer as grandes massas que já fizeram suas escolhas que vale a pena a aposta… existe uma grande diferença.

Pra finalizar, conversei com alguns colegas blogueiros nessa semana e tendo a concordar com eles. A imprensa procura esses baluartes da tecnologia porque todo mundo quer saber a opinião deles. E eles falam o que pensam, sem se preocupar com mais nada, pelo simples fato que as suas missões foram cumpridas. Woz e Gates estão muito bem obrigado com suas vidas, e se veem com a liberdade de deixarem recados claros para quem quiser ouvir dentro da Apple e Microsoft. E isso é muito bom, pois vemos que eles ainda olham para suas ex-empresas com um olhar mais clínico e menos passional.