Várias semanas depois da estreia de Black Mirror: Bandersnatch, e depois de meio mundo jogando o filme interativo (com o destino final das decisões tomadas reveladas), parece que tudo isso é apenas o princípio de toda uma distorcida história que parece ir além da tela, envolvendo a privacidade de cada usuário.

De acordo com uma matéria do Motherboard, na realidade a Netflix salvou um registro de todas as decisões tomadas por cada um dos usuários da plataforma. Michael Veale, um pesquisador da University College London contactou a Netflix para falar sobre o assunto, e o argumento do serviço de streaming para fazer isso é bem simples: compreender o seu público.

Porém, quando Veale recorreu a uma solicitação de informação mediante a General Data Protection Regulation (GDPR), ele recebeu uma tabela de dados que confirmaram os seus temores.

Black Mirror: Bandersnatch também foi um elaborado experimento de mineração de dados sobre o perfil de comportamento dos assinantes da Netflix, que por sua vez confirmou e demonstrou que possui toda essa informação sobre os seus usuários. Mas não sabemos há quanto tempo eles estão fazendo isso, nem sequer se há mais dados não exibidos na tabela entregue pela exigência da lei, nem o que eles farão com tais dados mais adiante.

Em resumo: a Netflix acabou de entregar um plot central para um episódio de Black Mirror.

 

 

Via Motherboard