2015-05-11 17.51.58

Chegou até aqui os fones sem fio BackBeat GO 2 da Plantronics, que está em testes para um futuro review do TargetHD.net. Nem preciso dizer que o grande barato desses fones Bluetooth, é o fato dele ser sem fio, oferecendo a tão sonhada liberdade de movimentos na hora de ouvir músicas e podcasts no smartphone, sem a intervenção de cabos. E é nessas horas que você entende claramente que ‘o Bluetooth é vida’. Ainda mais quando funciona bem.

Sem antecipar muitas coisas sobre esse produto (porque eu quero que você leia o review), o que eu posso dizer é que a evolução tecnológica fez com que o Bluetooth se tornasse hoje algo prático e funcional para que qualquer pessoa conte com uma experiência de uso otimizada. Não só na parte de consumo multimídia – como é no caso desse produto -, mas também nas tarefas de produtividade.

Veja bem: meu computador (Dell Vostro 5470) tem um ótimo Bluetooth, que pode conectar diversos dispositivos (com a ajuda do Windows 8.1). Meu mouse sem fio? Bluetooth. Meu smartphone (Motorola Moto Maxx)? Bluetooth. Pulseira quantificadora (apesar de ficar mais tempo sentado diante do computador)? Com Bluetooth, é claro. E agora esses fones da Plantronics.

É muita ‘conexão azul’ me cercando.

E isso está bem longe de ser ruim. Pelo contrário.

Se levarmos em consideração a evolução da tecnologia, o Bluetooth se tornou um recurso bem mais eficiente e flexível do que era em 2005, por exemplo. Eu me lembro como era uma luta para fazer os smartphones da Nokia sincronizarem com o computador com Windows de forma eficiente. Simples, nunca foi. Apesar do fato que esses mesmos telefones dos finlandeses eram capazes de identificar com certa facilidade fones sem fio e outros telefones.

Leia também:  Os grandes acertos (e erros) do @evleaks nos vazamentos de produtos de tecnologia

Também me lembro da dificuldade que era transmitir arquivos de um aparelho para outro. No papel, os fabricantes faziam acreditar que era um processo simples e prático, mas no mundo real, as transmissões de dados eram lentas demais, tornando todo o processo algo traumático.

2015-05-11 17.46.06

Hoje, está tudo muito diferente. Um mesmo computador pode receber vários dispositivos Bluetooth conectados. Acessórios não dão o menor trabalho de serem configurados, e as transmissões de dados ocorrem com uma velocidade excelente.

E, no caso específico de um smartphone – já que meu foco principal é a tecnologia móvel e os gadgets que tanto amo -, as novas tecnologias Bluetooth resultam em um menor consumo de bateria, tornando essa versatilidade algo ainda mais eficiente e funcional. Você pode passar boas horas ouvindo as suas músicas preferidas, sem se preocupar muito se a bateria será drenada pela comunicação com os fones sem fio.

Quer dizer… depende do smartphone em questão. E da personalização do Android. E dos recursos de economia de bateria presentes (ou ausentes) no dispositivo. Mas em linhas gerais, a maioria pode aproveitar dessa liberdade oferecida pela ausência de cabos.

Enfim… para mim, Bluetooth é vida! Uso bem mais do que imaginava, e minha vida conectada se tornou muito mais eficiente a partir do momento que passei a usar o recurso de forma mais intensa. E, parando para pensar, precisou pelo menos uns 10 anos para que essa ferramenta se tornasse algo efetivamente prático e funcional para a maioria dos usuários.