Kim-Jong-Un

Um grupo de hackers norte-coreanos levou anos planejando um ciberataque contínuo contra a Coreia do Sul, algo que resultou em um roubo de 42 mil materiais vindos do governo e de agências sul-coreanas, inclusive roubando esquemas de aviões de combate F-15.

A polícia da Coreia do Sul comentou que os ataques começaram em 2014, e que no total dos materiais subtraídos, pelo menos 40 mil itens estão relacionados de alguma forma com a defesa do país, apesar de nenhum deles serem de caráter confidencial, ou obtidas através de alguma brecha de segurança. Ou seja, ainda que pareça o contrário, o roubo não é especialmente grave, já que a Coreia do Norte não obteve acesso a um material realmente valioso, muito menos contam com recursos e formação para fabricar seus aviões em grandes quantidades, baseados nesses esquemas.

Porém, o mais importante está na insistência do ataque e na possibilidade que isso volte a se repetir a curto prazo, já que isso pode acabar comprometendo informações sensíveis e de valor estratégico, algo que a Coreia do Sul quer impedir de todas as formas.

Não há dúvidas que o ataque veio da Coreia do Norte. A polícia rastreou a ação, e chegou a um IP da capital do país, Pionyang, e é idêntico ao que foi utilizado em 2013 para realizar vários ataques contra bancos e emissoras sul-coreanas.

Como era de se esperar do regime de Kim Jong-Un, a Coreia do Norte nega as acusações, com o mesmo comportamento expressado em outros ataques. Mas a realidade é clara, e todos os dedos apontam para o país, que tem motivos de sobra para acreditarmos que eles vão lançar ciberataques contra o seu grande inimigo do sul.

Via Reuters