O Honor View 20 foi anunciado lá fora. Chegou como Honor V20 no mercado asiático, mas terá outro nome quando desembarcar no mercado internacional, algo que deve acontecer em janeiro de 2019. Existem motivos que vão além da suposta numerologia para que um fabricante estabeleça dois nomes para o mesmo dispositivo, e o principal deles é tornar o produto mais atraente para os diferentes mercados onde ele vai estar.

É uma pena que a Huawei não se faça tão evidente no Brasil. E diferente do que aconteceu com a Xiaomi (que deu aquela arregada, mas, convenhamos… vendendo mais que a ASUS por aqui mesmo sem ser oficial no nosso mercado, você realmente acha que a empresa está se preocupando com isso?), a empresa até tentou se fazer presente, com alguns lançamentos pontuais. E, com o fim da parceria com a Positivo (parceria essa que nem começou), os seus smartphones só chegam por aqui via importação.

Agora, que dirá a Honor, a “segunda divisão” da Huawei? Não chegarão nunca por aqui sem a importação de produtos.

 

 

De qualquer forma, muita gente que eu conheço pode olhar com uma boa dose de atenção para o Huawei View 20. Inclusive com o processador Kirin 980. Acho que este é o principal argumento a favor desse modelo, uma vez que já vimos do que ele é capaz nos modelos mais potentes da Huawei. Ou seja, o seu desempenho é digno de um top de linha, mas custando um pouco menos, pois é a “segunda divisão” (com aspas enormes aqui) da Huawei.

Outro fator a seu favor está no fato desse ser mais um smartphone que antecipa uma das principais tendências para 2019, que é o furo na tela no lugar do notch. De forma definitiva, podemos dizer que tal solução chegou para ficar, e só a Apple vai segurar o notch até 2020, pelo menos (e tem os seus motivos para isso).

Também chama a atenção o Huawei Viev 20 não apostar em múltiplos sensores de câmera na parte traseira. No seu lugar, um sensor com generosos 48 MP de resolução, trabalhando com um sensor 3D que capta de forma tridimensional o seu entorno para oferecer o efeito bookeh e outros recursos de imagem para um resultado final de foto melhorado.

 

 

Ou seja, o Huawei View 20 consegue ser bem interessante como um top de linha com preço de produto intermediário (o modelo mais caro custa menos de 450 euros). Dessa forma, fica fácil imaginar que a Huawei vai mesmo alcançar a liderança do mercado mobile em 2020.

Está cada vez mais difícil para gigantes como Samsung e Apple justificarem os seus preços absurdos para dispositivos top de linha. A China mostra de novo que é possível sim ter um smartphone top de linha, com elementos inovadores e preços que não são abusivos.

E 2019 já começou bem interessante no mercado mobile. Será um ano bem intenso.