A LG apresentou na Mobile World Congress 2018 o LG V30SThinQ, uma atualização do LG V30 com claro foco na inteligência artificial.

Na ausência de um substituto natural do LG G6 (que teve o seu lançamento adiado para o meio do ano), é uma forma dos coreanos dizerem ao mundo “é o que temos para hoje”, e isso nem é tão ruim assim, se a gente parar para pensar.

OK, ficou meio bagunçada a agenda de lançamentos de smartphones da LG, e entendo que, em algum momento, ela terá que ser invertida novamente para colocar as coisas nos seus devidos lugares. Por isso os rumores tão fortes sobre o fim da linha G (a própria LG se manifestou sobre o assunto na MWC18, e afirmou que essa série não vai desaparecer).

De qualquer forma, confuso ou não, fato é que o LG V30SThinQ está aí. E, olhando de forma menos crítica, não faz feio. Entrega justas atualizações nas especificações técnicas mais básicas (6 GB de RAM, 128 GB ou 256 GB de armazenamento), mas manteve o processador Snapdragon 835 para gerenciar os novos recursos.

Antes que você saia gritando dessa vez contra a LG, é preciso lembrar que: 1) o LG V30SThinQ é uma ATUALIZAÇÃO do LG V30, ou seja, é justo que os coreanos queiram aproveitar algo que funcionou bem no modelo anterior; 2) a LG com certeza vai apostar no Snapdragon 845 no eventual sucessor do LG G6 que, como já informei, será lançado no meio de 2018.

Ou seja, guardem por enquanto o arsenal de críticas para outra oportunidade ou fabricante, ok?

 

 

Sobre o uso da inteligência artificial no novo smartphone, vejo objetivos claros na LG. Um deles é entregar ao consumidor uma experiência de uso ainda mais personalizada, ou cada vez mais com a cara da LG. A empresa busca uma forma de se diferenciar dos demais com tais recursos inteligentes, o que não acho de forma alguma que é uma aposta errada.

Só me pergunto se isso será o suficiente para convencer o consumidor. Dessa vez, a LG vai depender (e muito) dos reviews dos especialistas em tecnologia, que vão avaliar primeiro tais funcionalidades, entregando o parecer positivo ou negativo para o consumidor.

Os tais recursos inteligentes me parecem interessantes. Como os usuários valorizam muito mais as fotos no smartphone do que outros elementos, qualquer nova funcionalidade que entregue resultados melhores é bem vinda. Sem falar no uso da inteligência artificial que promete um uso mais intuitivo do dispositivo.

Porém, reforço o que disse antes: tudo isso só vai se justificar se, na prática, o smartphone entregar os resultados esperados.

 

 

Resumo da ópera: o LG V30SThinQ atualizou bem o LG V30, mas deixa uma série de dúvidas se pode convencer o consumidor sobre a validade das mudanças. É um smartphone que fatalmente chegará ao Brasil com preço proibitivo, e mesmo no exterior deve custar um valor que reforça tais questionamentos, pois no final das contas a tal relação custo-benefício pode não se pagar da forma esperada.

Sim… é legal ter um smartphone com inteligência artificial. Mas… será que é tão legal assim pagar um preço absurdo para ter essas funcionalidades?

Acho que o pessoal da LG também deveria começar a se questionar seriamente sobre isso nesse exato momento.