Um programador chinês teve a nefasta ideia de desenvolver um algoritmo capaz de identificar até 100 mil perfis de atrizes pornô através do cruzamento de arquivos de imagens e vídeos de conteúdos para adultos em sites web e suas contas nas redes sociais. A ideia é oferecer uma ferramenta para saber se a sua namorada já trabalhou na indústria pornográfica.

 

 

Um algoritmo desenvolvido por um ser doente e desocupado

 

O software foi detectado por um pesquisador da Universidade de Yale, Yiqin Fu, que alertou nas redes sociais sobre esse gravíssimo atentado à privacidade das mulheres. O algoritmo é baseado em reconhecimento facial, e conta com mais de 100 TB de dados de vídeos extraídos dos principais sites de conteúdo adulto da internet. Também foram coletados históricos e fotos de perfil de várias contas nas principais redes sociais.

No momento do anúncio da disponibilidade desse software, ele já contava com aproximadamente 1.000 comentários, na sua maioria com muita expectativa sobre o serviço oferecido. Na mesma conversa (na qual o denunciante teve acesso), perguntaram ao criador do programa se ele planejava ampliar o seu alcance para identificar homens dentro do universo pornô, e não apenas as mulheres.

Outro comentário muito popular questionava ao autor se ele estava ciente das implicações legais da sua ferramenta. O desenvolvedor respondeu que tudo era completamente legal, e que em nenhum momento ele compartilhou as informações coletadas ou abriu a base de dados para consultas externas. Além disso, acrescenta que o trabalho sexual é completamente legal na Alemanha, país onde ele reside atualmente.

 

 

 

Uma faca de dois gumes

 

Se essa tecnologia pode ter um potencial enorme para identificar as vítimas de várias espécies de exploração sexual, este não é o caso com esse algoritmo. Pelo contrário: a ferramenta é devastadora e perfeita para quem busca humilhar as suas vítimas, acabando com a sua privacidade e expondo qualquer pessoa.