Compartilhe

Para a imensa maioria dos robôs aspiradores, subir e descer escadas é um desafio enorme. Mas não existe problema sem solução nesse mundo, e bastam três turbinas para ter um robô aspirador voador interessante, divertido e potencialmente assassino.

O youtuber norte-americano Peter Stripol apresentou ao mundo o seu robô aspirador voador, que pode ser controlado por um controle remoto, como se fosse um drone. Assim, ele pode ultrapassar as escadas e limpar os pisos superiores.

 

 

Ele limpa e voa. Bom, mais ou menos…

O robô aspirador utilizado pelo youtuber custou apenas US$ 39, mas no final o produto pronto custou mais de US$ 200 com os propulsores acoplados nas suas laterais. O tricóptero conta com motores instalados em forma de Y e ajustados manualmente, com um timão de madeira que modifica a direção do voo.

O robô aspirador continua a se mover de forma autônoma, tal e como ele faria normalmente. Porém, a controladora na parte superior (desenvolvida por Peter durante dois anos) está conectada com uma bateria externa e é acoplada ao robô para o controle aéreo.

Seu design é funcional, mas conta com alguns problemas. Para instalar a controladora, o depósito de sujeira precisou ser removido, o que tira boa parte da utilidade e funcionalidade desse robô aspirador. As turbinas são tão potentes que o ruído é enorme e a sujeira é expulsa para os lados. Ou seja, esse robô mais suja do que limpa a casa.

Vale uma menção especial para o motor, que eleva o robô que pesa pouco mais de 1.5 kg para o piso superior da casa. Não é um voo muito estável e suas aterrizagens são bruscas, mas para um item criado em uma garagem não está nada mal.

Não é a primeira vez que vemos um hack de robô aspirador. Um dos mais chamativos era o robô que gritava com cada trombada com paredes e objetos, desenvolvido por Michael Reeves. Ele foi completamente modificado para implementar um computador interno, dois sensores óticos, um pequeno alto-falante e um receptor de rádio. E tudo isso para entregar um resultado divertido.

 

 

 

O que eu penso disso aqui?

Quem sou eu para julgar o invento dos outros? Eu sou um reles blogueiro mortal que escreve sobre tecnologia de tempos em tempos, e não teria tanta genialidade para criar algo desse tipo.

Por outro lado, eu ainda questiono com muita força a validade e, principalmente, a utilidade do produto. Uma vez que ele não pode coletar a sujeira com eficiência (pois trocou o reservatório de sujeira pela controladora de voo) e mais espalha essa sujeira do que coleta, não é difícil concluir que ele mais atrapalha do que ajuda.

De qualquer forma, é um começo. Todo invento genial começa por algum lugar, e alguns deles podem ser aparentemente inúteis no início do seu desenvolvimento. Quem sabe o robô aspirador voador passa por algumas melhorias para ser algo mais funcional e prático.

Isso é… se ele não tiver como objetivo final acabar com a raça humana no futuro, é claro (tá, paranoia minha… eu sou um daqueles que entendem que os robôs vão se voltar contra nós no futuro).

 


Compartilhe