Compartilhe

VPNs grátis podem nos socorrer, mas para uso diário não devemos usá-las. E há algumas razões para isso (além de terem muito peso).

As VPNs, para quem não as conhece, são redes privadas virtuais (Virtual Private Network). Em palavras que qualquer mortal pode entender: um método de conexão a partir do qual todo o tráfego é feito a partir de um servidor intermediário, de modo que no final navegamos anonimamente. 

A má notícia é que a navegação e as comunicações podem não ser totalmente privadas. 

Isto acontece porque o nó de saída (existe apenas um nó neste caso em particular) tem o poder de descodificar a informação. Se o nó estiver corrompido, a informação não será segura.

Aqui está porque você não deve usar VPNs gratuitas para uso diário do computador. Prós e contras de usar uma VPN gratuita.

Por estas razões simples você não deve usar um serviço VPN online gratuita para navegar na Internet.

 

 

Vão tentar rentabilizar o serviço a todo o custo

Como eles explicam em Make Use Of, VPNs, tanto gratuitos como pagos, têm um propósito: ganhar dinheiro. Configurar uma VPN não é fácil e acima de tudo não é barato, por isso é normal querer rentabilizar.

Imagine que milhares de pessoas querem usar o seu serviço: você precisa ser capaz de responder a todos esses pedidos, além de ser capaz de dar suporte, manter a eletrônica, e, claro, levar em conta a segurança (que é uma das coisas que mais prometem esses serviços, mesmo que afinal eles não acabem cumprindo-os). Ninguém dá nada de graça.

Uma das maneiras mais fáceis de (tentar) rentabilizar uma VPN é, naturalmente, através de anúncios. 

Com este método não há problema, porque, afinal, muitos sectores da indústria circulam através da comunicação e da publicidade (o exemplo mais simples é o dos sítios Web e da televisão).

Outra forma de tentar fazer lucro é vendendo os nossos dados. Obviamente, e embora possa não parecer muito legítimo, as VPNs livres (pelo menos na sua grande maioria) recolhem se não todos os nossos dados, a grande maioria.

E não mais apenas vendendo nossos dados, mas eles também podem fazer o que é conhecido como Man-in-the-Middle (ou ataque intermediário). 

Consiste em ter a capacidade de ler, inserir e modificar mensagens entre duas partes. Em palavras simples: a possibilidade de extrair os nossos dados de uma forma muito simples, assim como a possibilidade de substituir páginas web completas por falsos clones.

Outra opção pode ser que a VPN não pretenda ganhar dinheiro diretamente (ou seja, nem com propagandas nem com a venda de nossos dados), mas queira diretamente que nosso computador cometa atos ilegais, para que eles nos ofereçam gratuitamente este serviço caro.

 

 

O caso de Hola

Hola é uma extensão que nos permite navegar através da VPN. É gratuito e podemos adicioná-lo em muitos navegadores web. Há alguns anos atrás houve um escândalo mundial porque foi descoberto que ao usarmos o Hola estamos a desistir da nossa largura de banda para que outros utilizadores do plugin a possam usar.

Por outras palavras, a empresa beneficiava do facto de a Luminati, outro serviço da empresa, utilizar esta largura de banda “excedentária”. Luminati, a propósito, foi pago. Até agora tudo bem, mas há mais.

Luminati foi usado, em teoria, para atacar, entre outros sites, o 8chan, um dos portais mais conhecidos da Internet. 

Hola percebeu que tinha 9 milhões de IPs em suas mãos e queria torná-lo rentável em grande parte. Estamos falando do que é conhecido como botnet: um ataque organizado de milhares de computadores zumbis. 

Você não percebe, mas eles estão usando seu processador e sua rede para navegar na Internet.

 

 

Retratos em todos os lugares

Obviamente a secção gratuita de cada VPN não lhe permite navegar a toda a velocidade, assim como impor limites de download. Há alguns servidores que, por exemplo, definem um limite de 200 MB ou três horas de conexão.

Se quisermos usar a VPN para uso diário será quase impossível, porque a menos que encontremos um muito bom, teremos mais restrições do que se estivéssemos navegando em um cartão SIM com 200 MB de dados de 2012.

 

 

O serviço é muito ruim

Vamos supor que encontramos uma boa VPN gratuita que ganha dinheiro de uma forma legítima e honesta e que ao mesmo tempo não nos coloca quaisquer restrições, ou que são tão altas que nem sequer nos apercebemos delas. 

Ainda temos que ter em mente que o serviço não será da mais alta qualidade possível.

Veja como você estará pagando 50 euros (ou o que quer que seja) pela sua fibra com uma velocidade brutal, mas então a VPN faz você navegar a 1 mbps. 

Por outro lado, não é apenas o serviço da mão das especificações e da velocidade, mas também o serviço humano, que às vezes nem sequer existe.

Como já percebeu, é necessário avaliar qual a melhor opção para si.


Compartilhe