Durante muito tempo, o Facebook foi o celeiro de discursos dos mais diversos. Desde mensagens de paz até a disseminação do ódio ao diferente. E durante esse tempo, a rede social de Mark Zuckerberg fez vista grossa aos diversos discursos que diminuíam pessoas ou pregavam a cultura da violência para resolver conflitos.

Isso fez com que muita gente despertasse uma aversão ao Facebook, pois bem sabemos como esse tipo de discurso ganha eco com aqueles que se alinham com tais ideias distorcidas. Diferente do que algumas pessoas pensam, deixar um racista falando sozinho significa se calar para que a fala discriminatória siga sem resistência para os ouvidos de outros racistas, que levam essa ideia para frente.

Aliás, quem normalmente fala que “o racismo não existe” é aquele branco que nunca viveu a discriminação no dia a dia, se apropriando de uma discussão que nunca foi dele. Mas isso é assunto para outro post.

Porém, felizmente, o mundo está mudando. E para melhor, já que os discursos de ódio e preconceito não são mais aceitos. Normalmente os supremacistas brancos e extremistas vão afirmar que “estão nos censurando”, “vivemos a era do politicamente correto” e outras bravatas não fundamentadas. É fundamental deixar claro que qualquer tipo de fala que reduz e humilha o outro em função de algo que não pode ser modificado nele mesmo não é uma opinião válida. É preconceito puro. E isso não será mais tolerado.

Não será mais tolerado no Facebook, inclusive.

 

 

A nova política de uso da rede social agora inclui que as postagens com manifestações de supremacia branca e nacionalistas, típicas da extrema direita ultraconservadora, que promovem discursos de ódio e racistas estão proibidas do Facebook e do Instagram. A decisão já está em vigor, e se fará efetiva nos Estados Unidos nas próximas semanas. No Brasil, será adotada gradativamente.

Ou seja, postagens com a bandeira do Brasil ou camisa da Seleção com uma arma na mão dizendo “pego em armas pelo meu país e dou tiro em quem pensa diferente de mim” serão banidas do Facebook. Fotos comparando Marielle Franco com uma macaca ou cadela também serão banidas do Facebook. Discursos de ódio de “morte aos negros, aos gays e aos petistas” também serão banidos do Facebook.

Eu sou um severo crítico das redes sociais de Mark Zuckerberg. Eu ainda estou no Facebook por interesses comerciais (tem pelo menos três páginas que ainda estão sob minha administração), e uso bem menos essa rede social do que em seu começo. Mas não posso deixar de destacar e comemorar tal iniciativa.

Não quero aqui também dar uma de inocente. Eu sei que Mark Zuckerberg está desesperado para melhorar a reputação do Facebook, após tantos escândalos de vendas e vazamentos de dados. Acredito que ainda falta muito para que ele e suas redes sociais recuperem parte da credibilidade perdida com o grande público.

Por outro lado, me causava frustração ver os meus amigos usando apenas os discursos de solidariedade quando eu denunciava as manifestações racistas e preconceituosas do coletivo, usando frases prontas como “eu sei o que você sente…”. Não! Você não sabe, e nunca vai saber. Só que é negro pode tentar dizer o que é ser ridicularizado e humilhado por causa da cor de sua pele.

 

 

Por incrível que pareça, o Facebook fez algo que eu esperava dos meus amigos: está coibindo o racismo e os discursos de ódio. A melhor forma de combater esses males da sociedade é impedir que tais manifestações ganhem força, pois a histórica frase do “o racismo não merece resposta” só fez com que o discurso preconceituoso ganhasse força. Está mais que provado que ficar calado nunca adiantou.

Pode ser apenas um passo. Mas é um importante passo. E um passo dado pela maior rede social do mundo.

E isso vai trazer consequências positivas a longo prazo.

Sim. Hoje é um grande dia.