Compartilhe

E isso é tudo o que eu te desejo. Do mais fundo do meu coração. Hoje e sempre.

Aqui e agora. Esse é o lugar. Esse é o momento.

Daqui para frente, você vai conduzir os passos de sua vida inspirado nessas duas coordenadas: em onde você está, e em que momento da sua vida você está. Você provavelmente vai sentir um frio na barriga quando pensar nessas duas palavras em diversos momentos da sua vida. Mas vai seguir em frente assim mesmo. Vai seguir adiante, mesmo com medo. Pois o que realmente importa é o aqui e o agora.

Esses dois elementos, juntos, podem realizar milagres. Podem entregar momentos maravilhosos. Podem transformar a história da sua vida em algo realmente especial. Vão te tirar do lugar comum sempre que você se sentir na zona do conforto, ou sempre que você se acomodar, achando que tudo está feito.

Quando você acha que tudo está bem demais, você deve pensar: para onde vou agora? Onde quero estar agora? Qual é o momento que quero que tudo seja inesquecível?

Eu sei… dá medo.

O medo do desconhecido, do imprevisível, de encarar tudo aquilo que não está no seu controle. Nesse momento, começamos a buscar na nossa memória as referências sobre como lidar com esse novo cenário de vida que estamos nos propondo a vivenciar. É o movimento natural de qualquer ser humano: buscar no passado os pontos de apoio para poder viver um presente desafiador.

Você não está sozinho nessa. Eu mesmo fiz isso por diversas vezes. Revirei as minhas mais importantes memórias da infância e da adolescência para me sentir melhor. Procurei em fotos pelos amigos que eu amava, mas que hoje eu não posso mais encontrá-los. Ou porque estão longe de mim, ou porque não estão no Facebook… ou porque, infelizmente, já viraram estrelas no céu.

Dizem que não devemos viver do passado, ou viver no passado. As duas frases são bem verdadeiras. Porém, quando nos encontramos na encruzilhada da nossa vida, onde precisamos decidir o caminho a seguir e, de forma efetiva, seguir por esse caminho sem olhar para trás, nós recorremos ao passado, em busca de um mapa, um GPS, ou até por pegadas que nos indiquem pistas do que vamos encontrar.

Por diversas vezes eu procurei as pegadas de outras pessoas no meu caminho. Não me arrependo disso: acabei encontrando essas outras pessoas, que hoje são guias maravilhosos na minha jornada. Alguns dos meus amigos mais sinceros me disseram um dos mais valiosos conselhos que carregarei comigo até o último dia da minha vida:

“Eu dei os meus passos para seguir nessa estrada, mas só você pode viver a sua jornada. Dê os passos, olhe as paisagens, absorva o melhor dessa experiência… e viva… aqui e agora.”

De novo: aqui e agora.

Aprendi o significado dessas palavras enquanto ainda tinha tempo. Antes de me deparar com uma inevitável crise existencial, algo que acontece com a grande maioria das pessoas antes dos 40 anos de vida. Eu tenho sorte em ter encontrado pessoas que simplesmente me pediram para caminhar, olhar o mundo ao redor e aproveitar a jornada. Pessoas que me explicaram pacientemente que não se vive o passado, porque ele já passou, e não se vive o futuro, porque ele simplesmente não existe.

O futuro é uma história que estamos escrevendo no presente.

E, o mais espetacular de tudo: o tempo é algo tão imprevisível, que a melhor forma de lidar com ele é respeitando o tempo, mas correndo a favor dele. Nesse exato momento.

Eu sou feliz por ter compreendido antes dos 40 anos de vida que o passado existe para mostrar ao mundo quem nós fomos. O passado nos dá referência ou credibilidade sobre o pouco que sabemos. Sim, isso mesmo: o pouco que sabemos. Porque viver é aprender todos os dias. E diante da grandiosidade que temos ao nosso redor, ainda temos muito o que aprender sobre muitas coisas.

Inclusive aprender muito sobre as coisas e pessoas que mais amamos.

Um dia me perguntaram se tudo o que eu vivi valeu a pena, mesmo com tantas perdas e derrotas no meio do caminho.

Hoje, eu respondo: é claro que valeu a pena. E vale até hoje!

Tudo o que eu vivi, aprendi, ganhei ou perdi, me trouxeram até aqui. Me tornaram quem eu sou, e são a base de como eu serei daqui a 40, 50 anos (ou mais). E… quer saber? Eu fico feliz desde já porque, no final da minha jornada terrena, eu serei no mínimo uma pessoa bem interessante, e cheias de histórias para contar.

Até lá, eu vou sempre desejar para você, do fundo do coração… “Eu espero que você tenha tido comigo o momento de sua vida. O melhor momento.”

Isso não é ser presunçoso. Isso é ser verdadeiro.

Eu sempre defendi como minha filosofia de vida oferecer o melhor de mim para todos aqueles que cruzarem o meu caminho, na esperança de receber dessas pessoas o melhor delas, para assim ser uma alma mais completa, e uma pessoa mais feliz. Nem sempre consigo isso. Nem sempre as pessoas entendem isso. Mas quando isso acontece… é algo simplesmente espetacular.

Quando isso acontece, criamos o tal momento perfeito. Consolidamos o encontro entre duas pessoas como algo único. E aumentamos as chances de, no final da estrada, refletir e concluir que os momentos únicos foram tantos, que você entende que a sua vida foi muito feliz.

De verdade… eu espero que você encontre esses momentos. Comigo, com qualquer pessoa, em qualquer lugar. Nesse texto.

Como bem disse Cora Coralina:

“Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.”

E só aprendemos o poder da decisão, a capacidade da resolução e a coragem para dar passos adiante quando vivemos o aqui e o agora.

A melhor coisa que você pode fazer por você mesmo é viver intensamente o tempo presente. Não importa se você mora em uma tapera ou em uma cobertura, se come pão com mortadela ou uma salada cheia de verduras, se está com os pés sangrando de tanto caminhar ou se está confortavelmente lendo esse texto em seu iPhone ou iPad, dentro de um carro, com o ar condicionado ligado.

O que realmente importa é o que você traz dentro de você. Qual é a força que vai te motivar a efetivamente viver a sua realidade da melhor forma possível. Ser feliz com o que tem e o que é e, sempre que possível, compartilhar da sua felicidade com aquelas pessoas mais amadas.

Viver o aqui e o agora é construir memórias eternas de manifestações de amor. É construir legado nos corações das pessoas. É ter a certeza que sua existência não foi em vão. É se conectar com o mundo de braços abertos, absorvendo o que há de melhor de cada experiência.

Eu sei… o presente é imprevisível. O futuro, incerto. Mas nos dois casos, é você quem tem o controle.

E… antes que eu me esqueça…

Se depois desse texto você ainda está com medo de viver o presente, ouça o meu último conselho. Um conselho de alguém que por anos viveu com medo de tentar, de arriscar, e experimentar. De alguém que só descobriu a liberdade quando aceitou extrair o melhor dos seus erros, não apenas para ser melhor a cada dia, mas alguém que queria ser feliz, com todas as suas forças.

Em caso de medo, entenda: tudo vai dar certo.

Acredite em mim.

Leve o passado na mente. Mas deixe seu coração seguir o caminho do tempo presente.

Ouça o relógio. Siga o seu ritmo. E dê os passos. Caminhe. Corra. Mas… simplesmente aproveite o maravilhoso aqui e a agora que nós temos.

E sempre tenha em mente: eu desejo que você tenha o melhor momento de sua vida.

Hoje, amanhã e sempre.

“Good Riddance (Time of Your Life)”
(Billie Joe Armstrong, Mike Dirnt, Tré Cool)
Green Day, 1997


Compartilhe