Compartilhe

O evento realizado pela Huawei para apresentar os novos Mate 30 e Mate 30 Pro teve como fator complicador a barreira idiomática. Ou você pensa que é fácil ouvir por 1h30 asiáticos falando em inglês com aquele sotaque?

Nada contra os asiáticos que falam inglês com um sotaque que é pouco compreensível para os ocidentais.

Mas apesar dessa dificuldade, foi um evento importante para todos. Finalmente a Huawei apresentou as suas cartas para combater o bloqueio imposto pelos Estados Unidos. E a solução foi uma das mais óbvias e racionais: melhorar (e muito) a EMUI 10, usar uma loja própria de aplicativos e usar o AOSP, que é um software open source.

 

 

Huawei cautelosa, porque o HarmonyOS ainda não rola

 

 

Muita gente ficou de olho no evento da Huawei de hoje (19) apenas para confirmar o que muita gente já imaginava que poderia (ou iria) acontecer: os novos Mate 30 e Mate 30 Pro não seriam marcados pela estreia do HarmonyOS.

O software existe, está em desenvolvimento e já chegou nas Smart TVs da empresa (tanto nas TVs recém apresentadas pela Honor como na Huawei Vision, Smart TV apresentada hoje). Mas isso não quer dizer que ele está maduro para chegar aos smartphones da marca.

Na minha opinião, o HarmonyOS estreia em 2020, mas em um modelo como o P40, quase que em “modo teste”. Tal e como a Samsung está fazendo com as inovações adotadas nos seus smartphones: primeiro entrega o que alcançou nas linhas intermediárias, para depois as novidades desembarcarem turbinadas nos modelos top de linha.

 

 

Poderosos, mesmo sem o Google

 

 

Não dá para desmerecer os novos Huawei Mate 30 e Mate 30 Pro. São smartphones top de linha por excelência, menos feios do que eu imaginava (mesmo com aquele friso circular chamativo em algumas versões de acabamento), e o conjunto geral é muito poderoso.

Estamos diante de dois dos melhores smartphones de 2019, mesmo sem os apps do Google.

E os usuários mais experientes sabem muito bem que a Google Play, Gmail, Google Mapas e outros aplicativos podem ser instalados por fora, em lojas alternativas, e com relativa facilidade. Na China, qualquer usuário de smartphone deve saber como fazer isso (pois lá o Google é bloqueado).

Agora, só falta a Huawei convencer todo mundo que dá para instalar os Google Apps de forma simples, e pronto. Não que esta seja uma tarefa simples. Mas também não é uma missão impossível.

Dá até para dizer que a Huawei conseguiu estancar parte dos danos causados por Donald Trump.


Compartilhe