É quase um surpresa zero o anúncio do Huawei Nova 4. Tudo foi confirmado sobre o dispositivo, que se destaca por basicamente representar o que veremos em 2019 em duas tendências que são bem claras: o furo na tela e a câmera tripla (ou quádrupla, ou quíntupla, etc).

Nos aspectos técnicos, este é um modelo que tende a agradar a maioria dos usuários. As pessoas estão cada vez menos preconceituosas com os processadores Kirin, especialmente em 2018, quando esses chips conseguiram dominar os testes de benchmarks do AnTuTu.

Não que os benchmarks sejam tão relevantes assim para determinar se um smartphone é bom ou não, mas tem muita gente por aí que é simplesmente tarada por esse tipo de teste. Eu insisto que os números importam sim, mas o que manda de verdade é a experiência prática com o dispositivo.

 

 

Furo na tela será uma regra em 2019

 

 

O primeiro sinal claro que o Huawei Nova 4 representa que 2019 está chegando é a presença do furo na tela. Algo que a própria Huawei quer dar ênfase a isso, afirmando que o seu buraco é menor do que o dos outros (eu sei que essa frase fica melhor na minha cabeça).

Fato é que todos os fabricantes vão apostar nessa proposta de design no próximo ano, e isso está bem claro. E entendo que, apesar das críticas que já aparecem, acredito que muita gente vai ficar mais satisfeita com o furo na tela do que ter que encarar o notch, esteticamente muito mais polêmico.

 

 

Câmera tripla traseira, a outra regra de 2019

 

 

O segundo sinal que 2019 está batendo na esquina é a presença de câmera tripla no Huawei Nova 4. E é tão tendência, que dessa vez o modelo não se diferencia pelas variantes de RAM ou armazenamento, mas sim pelo sensor principal: o modelo Premium conta com 48 MP de resolução, e o modelo Standard fica com 20 MP.

Dois sensores não serão suficientes em 2019. Vamos precisar de três. Ou não vamos, se optarmos pelo Google Pixel 3 ou Pixel 3 XL. É mais uma tendência que não tem volta, e todo o mercado vai abraçar isso com convicção.

Não que outros lançamentos recentes não ofereçam o mesmo que o Huawei Nova 4, mas os dois aspectos foram tão enfatizados pela empresa, que é inegável apresentar esse dispositivo como um dos mais claros exemplos de como 2019 será no mundo da telefonia móvel.

E ainda bem que a Huawei fez essa apresentação naquele que é praticamente o último dia útil do ano para mim. Bom, quase isso: eu sempre tenho o que escrever na casa dos meus pais.