O Zenfone 3 foi, sem sombra de dúvidas, o smartphone mais impactante da história da ASUS. Foi uma quebra de paradigma em vários aspectos, e é considerado por muitos um dos melhores telefones que a empresa lançou até agora. Pois bem, muitos esperam que o Zenfone 6 faça o mesmo barulho, e a hora da verdade (ou melhor, do lançamento oficial do novo smartphone top de linha da ASUS) está chegando.

E com isso, a ansiedade também aumenta.

Tudo leva a crer que teremos um smartphone top de linha com um preço mais acessível que os seus concorrentes, algo que a ASUS transformou em uma boa tradição, entregando dispositivos de qualidade com preço mais acessível. O melhor exemplo do que eu estou falando está no Zenfone 5Z lançado no ano passado: um top de linha que custava bem menos que os seus concorrentes premium.

Porém, nem o Zenfone 5Z e sua excelente relação custo benefício fez o mesmo barulho que o Zenfone 3 na época. E isso eu posso comprovar de perto, pois eu participei dos eventos de lançamento dos dois modelos no Brasil.

Por que isso aconteceu?

O Zenfone 3 foi lançado em 2016, e entregou um smartphone com uma qualidade de construção bem acima da sua concorrência na época. Foi um dos primeiros intermediários a receber uma construção de vidro e um design ultrafino e elegante, algo raro dentro do seu segmento.

Além disso, a sua relação custo/benefício era simplesmente espetacular para o seu tempo, sem falar em um conjunto de câmeras que era excelente. Logo, se o Zenfone 6 quiser alcançar a mesma visibilidade do Zenfone 3, precisa combinar todos esses elementos na proposta final.

O problema é que, por mais que o Zenfone 6 venha a custar menos do que os principais modelos premium do mercado, ele ainda vai ficar longe de muitas carteiras. Diferente do Zenfone 3, que chegou ao mundo com um preço matador. Tudo bem, o Zenfone 6 será um top de linha que vai atender as expectativas de todos (inclusive dos mais exigentes), mas o grande público hoje só quer um smartphone barato e que funciona.

A grande diferença da ASUS de 2016 para a ASUS de 2019 é que agora ela quer competir com os gigantes do mercado de telefonia, e a briga pode ser injusta, mesmo oferecendo um preço mais baixo que a concorrência. E isso pode comprometer o sucesso do Zenfone 6 no mercado.

 

 

Qual é a melhor solução para a ASUS?

 

 

Eu não sei o segredo da fórmula mágica do sucesso. Se eu soubesse, eu estaria trabalhando para o Marcel Campos. Mas vou dar o meu pitaco: focar onde a maioria dos usuários estão dispostas a investir em um smartphone hoje, ou seja, no segmento intermediário. Huawei e Samsung já deram provas com suas respectivas linhas Lite e Galaxy A que o segmento de linha média e linha média premium é o que está gerando o maior volume de vendas para os fabricantes nesse momento, e é aqui que a ASUS tem total potencial para entregar mais e melhor em relação aos seus concorrentes diretos.

Sendo bem sincero, a ASUS não é tão forte nos mercados onde os maiores investimentos estão nos dispositivos top de linha (Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, etc), mas o Zenfone 3 foi um sucesso gigantesco em mercados onde os dispositivos intermediários são os mais procurados (Brasil, Espanha, Portugal, etc), ou nos mercados onde o usuário investe menos em um novo smartphone.

Ou seja, a ASUS precisa olhar de novo para os intermediários de forma mais convicta, pois tem tudo para surpreender a todos com uma relação custo/benefício impressionante. Fez isso muito bem no passado, e pode repetir essa fórmula no presente.