Compartilhe

Bom, eu não sei o que é isso, pois eu não bebo nada de bebida alcoólica. Podem me julgar, mas optei por outros vícios na vida que são mais edificantes, se é que você me entende (e não vai entender, pois é uma piada muito interna, e não vou me dar ao trabalho de explicar). Mas a ressaca existe, especialmente para quem bebe até vomitar o fígado.

Aliás, eu ainda quero entender por que algumas pessoas realmente acham que é legal beber até cair. Ou beber até sentir o gosto de um cabo de guarda-chuva ou meia usada por duas semanas por um maratonista. Não consigo entender onde que isso é realmente legal na vida do ser humano.

Mas enquanto a ciência não responde o fetiche que algumas pessoas possuem pelas bebidas alcoólicas, pelo menos responde por que ela afeta mais a uma determinada faixa etária. E não é porque o jovem adulto ainda é um inconsequente que não sabe o que quer da vida e chega às 4h da madrugada bêbado na casa dos pais.

Mesmo porque já vi muito idoso com mais de 70 anos fazer o mesmo na casa dos filhos.

Mas antes, vamos entender de forma breve o que é a tal ressaca. Ou melhor, a explicação científica da mesma.

 

 

 

O que é a ressaca?

 

Chamamos de ressaca o conjunto de sintomas que nosso organismo experimenta depois de um consumo excessivo de álcool.

Os principais sintomas são:

– debilidade e fadiga
– sede e boca seca
– maior sensibilidade diante da luz e ao som
– vômitos e náuseas
– dor do estômago
– enjoos
– tonturas
– má gestão do sono
– arritmias
– ansieadade
– depressão
– irritabilidade
– menor capacidade de concentração

 

Insisto: qual ser humano quer passar por isso por livre e espontânea vontade?

Não sou eu que vou ficar aqui cagando regra na cabeça de quem quer beber até ver unicórnios roxos voadores, mas é o meu dever informar que nenhuma quantidade de álcool no organismo é considerada boa. O resultado do elevado e regular consumo de álcool é a óbvia dependência, o que gera problemas gigantescos.

Porém, a ciência descobriu que, a partir dos 30 anos de idade, praticamente qualquer pessoa pode sentir muito mais a ressaca no dia seguinte.

Pois bem, agora que entendemos a ressaca nos aspectos científicos, vamos entender por que os mais velhos são mais sensíveis à ela.

 

 

 

Por que a ressaca depois dos 30 é pior?

 

Um estudo do grupo britânico Redemption revelou que os efeitos da ressaca aumentam depois dos 30 anos de idade, e isso deveria ser o convite perfeito para que qualquer pessoa modere o consumo de álcool a partir dessa idade.

Nunca é demais lembrar que o metabolismo humano se torna mais lento com o passar da idade. E é por isso que feijoada não cai tão bem aos 40 como caía aos 20, e isso me deixa muito triste.

Ao mesmo tempo, a quantidade de gordura corporal no organismo aumenta, o que reduz o nível de desidrogenase, que é a enzima que decompõe o álcool no estômago, o que resulta automaticamente em uma menor tolerância ao álcool.

Logo, quanto mais álcool que você consome, os riscos se multiplicam, assim como os problemas:

– deterioração cognitiva
– amnésia
– demência
– problemas de visão
– desequilíbrio
– quedas e incapacidade para caminhar
– dores
– disfunções nervosas
– dores musculares
– hipertensão arterial

 

De novo: quem quer passar por isso na vida?

É importante detectar os motivos para o consumo do álcool para solucionar o problema.

Muitas pessoas bebem para dormir melhor, se isolar dos problemas, acabar com o tédio e a tristeza, enfrentar a depressão, perder a inibição, socializar ou para se encaixar em alguns padrões sociais. Porém, quanto mais velho ficamos, mais vulneráveis ao álcool ficamos também. Sem falar que as tramas de DNA que protegem nossos dados genéticos ficam mais curtas conforme envelhecemos.

Por fim, o elevado consumo de álcool agrava os riscos de desenvolvimento de:

– câncer
– problemas digestivos e pancreatite
– demência precoce
– depressão
– ansiedade
– disfunções sexuais
– diabetes
– hipertensão arterial
– úlceras
– osteoporose
– problemas cardiovasculares

 

Nossa… me senti o próprio Dráuzio Varella nesse post…


Compartilhe