Dave Cooper, um videomaker freelancer, entrou com um processo contra a Adobe, alegando que um bug no Premiere Pro causou a perda de mais de 100 mil clips de vídeo de seus arquivos. Um material que custou a ele US$ 250 mil, entre os processos de filmagem e edição.

O bug, reconhecido e solucionado pela Adobe, está relacionado com a forma que o Premiere gerencia o cache, e estava presente no Premiere Pro CC 2017 (11.1.0). Ou seja, se você tem essa versão instalada, recomendamos que faça a atualização o quanto antes.

Quando você trabalha em um projeto no Premiere Pro, o software cria arquivos redundantes, que ficam armazenados na pasta Media Cache. Tais dados ocupam muito espaço, e Cooper decidiu salvar esses arquivos em uma pasta chamada Videos, em um disco externo.

No final do projeto, o Premiere Pro esvazia a pasta de cache para liberar espaço. Nesse caso, ao iniciar o processo, o software apagou também todo o conteúdo da pasta de vídeos no dispositivo externo, mesmo que o conteúdo não estivesse associado a nenhum projeto do Premiere.

 

 

Na atualização, o software só vai apagar os arquivos localizados nos sub-diretórios da pasta Media Cache, deixando de lado os arquivos próximos. Porém, a Adobe recomenda que mantenha os seus arquivos pessoais separados da pasta de cache.

Os arquivos de Cooper apagados eram videoclipes originais e arquivos editados, sem falar que ele perdeu arquivos que passaram pelo Premiere Pro e outros que nunca chegaram perto desse programa antes.

Cooper tentou chegar a um acordo com a Adobe por um valor não revelado antes de entrar com o processo, mas foram rechaçados. De acordo com a documentação apresentada, agora ele busca danos monetários, compensatórios, incidentais ou emergentes.

Tal caso também serve de lembrete para todos nós: nenhum software é infalível ou está livre de bugs. Ter um pouco de prudência para evitar tragédias como essa é algo sempre bem vindo.

 

Via Gizmodo