Compartilhe

A ativista sueca pelo meio ambiente Greta Thunberg foi parar em todos os portais de notícias e redes sociais nos últimos dias, depois de um inflamado discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU).

Ela rapidamente se transformou no ícone mais visível em escala global na luta contra a mudança climática, dando voz para uma geração preocupada com o futuro do planeta.

Sua luta começou em agosto de 2018, quando ela começou a falta nas aulas de sexta-feira para protestar na porta do Parlamento sueco com um cartaz: “folga escolar pelo clima”. Desde então, a ativista tem visitado as capas dos grandes veículos de imprensa.

E isso irritou algumas pessoas. A jovem de 16 anos está sendo vítima de críticas, bullying, grosseria, falta de educação e, é claro, das fake news.

Nesse post, apresentamos três informações falsas sobre ela que circularam nas redes sociais nos últimos dias.

 

 

Greta não é milionária

Algumas pessoas garantem que o livro que Greta Thunberg escreveu com a sua família, Our Home Is Burning, a transformou em uma adolescente multimilionária. Outros a acusam de usar a sua causa ambientalista para enriquecimento próprio.

Porém, tanto Greta como a editora Kero já explicaram que os lucros obtidos com o livro são doados para oito organizações que auxiliam diferentes causas.

 

 

Greta não é neta de George Soros

Eduardo Bolsonaro publicou recentemente no Twitter que Greta recebia dinheiro de George Soros, um magnata norte-americano milionário que maneja a Open Society Foundations. Soros (de acordo com o filho de Jair Bolsonaro) “é conhecido por fomentar agendas de interesse da esquerda internacional, e no Brasil financia movimentos sociais, como a Fundação Marielle Franco”.

Várias montagens de fotos de Greta com Soros circularam nas redes sociais e, obviamente, são falsas. A foto original é de Greta ao lado do ambientalista Al Gore, em 2018.

 

 

Greta não se deixa manipular por sua condição de Asperger

Greta sobre da síndrome de Asperger e, de forma covarde, usaram isso para atacá-la. Alguns chegaram a dizer que se trata de “uma doença” que permite que a pessoa possa ser manipulada.

Quem sofre da síndrome de Asperger frequentemente possui uma inteligência superior à média dos ditos “normais”. Essas pessoas só aceitam como um fato se a lógica demonstra isso. E, por causa disso, dificilmente podem ser manipuladas.

A própria Greta se defendeu desses comentários:

“Sim, sofro de Asperger que não é uma doença, mas sim uma condição. Eu luto pelo o que eu acredito, pelos meus ideais e minhas convicções, e não porque os demais me dizem o que eu devo fazer.”


Compartilhe