vivo-gvt

Eu não vou mandar um “eu avisei” pelo simples fato que eu acho uma sacanagem falar isso para os assinantes da GVT, que começam a ser vítimas da Vivo nos serviços residenciais. Eu posso falar com propriedade: sou usuário da operadora na internet móvel por compreender que esta é a melhor opção na qualidade dos serviços prestados, mas não estou de acordo com os preços cobrados e sempre fico com um pé atrás com eles.

A qualidade oferecida pela Vivo no estado de São Paulo é bem abaixo da média. A internet banda larga não tem a mesma qualidade que as demais, o serviço de telefonia apresenta problemas, e o atendimento é simplesmente um lixo. Fui desrespeitado de todas as formas pela operadora, até que a NET chegou em Araçatuba (SP), e por lá fiquei por dois anos, até me mudar para Ponta Grossa (PR), onde hoje utilizo a GVT… que está virando a Vivo.

Ironias do destino. Fazer o que?

Entendo que é um período de migração de clientes, serviços e plataformas. Que a Vivo está absorvendo a GVT inteira e, por conta disso, teremos um período onde tudo será um pouco mais conturbado que o normal. Porém, já é possível ver o dedo da operadora espanhola nessa nova fase. E não falo do site que não funciona direito, nas eventuais dificuldades em realizar a migração do cadastro para a nova conta, ou em realizar manutenções em horários totalmente inapropriados. Falo de coisa pior.

Muito pior.

A Vivo é uma das operadoras que passou a limitar o consumo de internet dos seus usuários, e a partir desse ano (promocionalmente só a partir de 2017, mas vai acontecer), a operadora contará com limites de consumo de dados para os seus serviços de internet banda larga fixa. Vai além. Vai limitar o consumo de dados nos planos de fibra ótica, com velocidade maior e, teoricamente, maior consumo de dados.

Mas espere. Piora.

Em alguns planos, a Vivo promete suspender completamente o serviço de internet caso a franquia seja consumida. E, pasmem: são nos planos mais caros. Para os planos mais acessíveis, a velocidade de conexão pode ser reduzida, fazendo o usuário sentir saudades dos tempos da internet discada. E essas “novidades” podem ser incorporadas aos atuais clientes da GVT, que podem pagar o pato por conta de uma compra de um negócio bem infeliz.

Afinal de contas, a GVT até agora vem funcionando bem, e com a sua boa internet ilimitada.

O tema da limitação de consumo de banda de internet está em evidência, apesar de outras operadoras realizarem o mesmo. O caso mais destacado é o da NET, que tem essa prática a algum tempo, mas muitos clientes relatam que nunca chegaram a constatar que a operadora efetivamente reduziu a velocidade de internet de seus usuários. Eu já tive essa desagradável experiência uma vez, quando precisei refazer minha biblioteca de jogos do Xbox 360. Parece que ao menos a NET só reduz a internet daqueles que decidem fazer o downlaod da internet inteira (ou de boa parte) de uma única vez. De usuários ditos ‘normais’, essa redução de consumo não acontece.

Dito isso, já espero pelo pior. Os clientes da GVT em minha cidade e em outras onde a operadora opera já começam a sentir os efeitos da mudança. E não estão muito contentes com o que está acontecendo. De qualquer forma, vamos esperar pelos próximos acontecimentos.

Da minha parte, o alerta já está dado. Se o meu contrato for alterado de alguma forma, e o tal limite de dados for adotado para os clientes antigos da GVT (que contam hoje com internet ilimitada em todos os planos), a saída é simples: ir para outra operadora, ‘só de sacanagem’. Só para eles não verem o meu dinheiro. Prefiro ter a limitação da NET. É pior que a GVT? É sim. Mas ao menos a velocidade é só reduzida e, mesmo assim, só se eu abusar da boa vontade deles.

Por outro lado, é péssimo ver algo que era tão bom acabar através de uma execução errada e viciada de uma empresa com má qualidade. Que a Vivo prove para todo mundo que está errada. Porém, como já estou escaldado com eles, acho que o final da história deve ser o mesmo que tive em Araçatuba: dores de cabeça, reclamações e cancelamento.

Quem viver, verá. “Vivo”.