Ir ao conteúdo

Os jovens não sabem mais usar o P2P

Compartilhe

Se eu escrever o termo P2P, a imensa maioria dos leitores deste blog não vão fazer a menor ideia do que eu estou falando. Mas se eu falar de Torrent, não só esse post pode ser penalizado no Google, como rapidamente vão me mandar e-mail perguntando onde é possível fazer o download do novo filme do Mortal Kombat.

Só quem é velho como eu sabe o que é o P2P, e o que ele representou para as nossas vidas. A primeira geração do compartilhamento de conteúdo na internet está quase morta, e motivos não faltam para isso.

 

 

 

Era o que a gente tinha na época

A tecnologia P2P foi a pioneira neste negócio de compartilhamento de arquivos. E, na sua época, foi uma enorme revolução. Programas como o Napster irritaram profundamente as gravadoras e artistas como o Metallica declararam guerra ao seu criador e a todos que decidiram utilizar esta tecnologia.

Outros programas como eMule, Kazaa Morpheus e tantos outros utilizaram a mesma tecnologia P2P para promover o compartilhamento de todos os tipos de conteúdos. Dessa forma, muitos ampliaram a sua biblioteca de músicas, filmes e outros conteúdos de forma prática e simples.

A minha geração (40 anos ou mais) tem muito a agradecer ao P2P. Sem ela, séries como Lost e 24 Horas jamais se transformariam em verdadeiros fenômenos globais, e artistas como Gorillaz seriam muito menores do que são.

Mas o tempo passou. O tempo sempre passa. E oferece soluções muito melhores e mais eficientes para tudo. E não seria diferente com a tecnologia de compartilhamento de arquivos.

 

 

 

Mas aí vieram o Torrent e o streaming, e…

Mudou tudo.

O P2P jamais foi oficialmente aposentado, mas foi gradativamente substituído por outras soluções mais práticas e eficientes.

No lugar da troca direta de arquivos entre usuários individuais, o Torrent chegou para promover o conceito do “a união faz a força” para outros patamares. Um único arquivo era distribuído para várias pessoas que, por sua vez, compartilhavam com outros usuários que pegavam um pedacinho de cada arquivo de diferentes locais para realizar um download muito mais rápido.

É o sonho perfeito para muita gente. Principalmente para os fãs de Game of Thrones, que foi a primeira grande série que se beneficiou do Torrent.

E até mesmo essa prática está sendo abandonada por muitos usuários.

O streaming se popularizou, os preços são relativamente acessíveis e, apesar da grande quantidade de plataformas (o que faz com que a conta no final do mês se torne gigantesca), os usuários estão mais que acostumados a dar PLAY no vídeo e receber o conteúdo sem precisar esperar a conclusão de um download.

Isso significa que o mundo continua mudando e evoluindo. O Torrent não corre tantos riscos de aposentadoria, mas com certeza a sua permanência representa mais uma enorme pá de cal para o P2P.

 

 

 

Adeus, velho amigo

A tendência é que os últimos servidores de P2P que ainda resistem aos efeitos do tempo sejam desativados nos próximos anos, e essa tecnologia pioneira e revolucionária vai se transformar em uma lembrança distante daqueles que viveram esse momento de mudança na internet.

De qualquer forma, só podemos agradecer e reverenciar o P2P como um dia conhecemos. Sem ele, jamais teríamos o cenário de compartilhamento de arquivos e distribuição de conteúdo em formato digital, tal e como testemunhamos hoje.

O P2P vai fazer falta. Mas, de fato, ele não é mais imprescindível. Pode descansar em paz com a certeza de dever cumprido.


Compartilhe
Publicado emInternet