Ir ao conteúdo

China levou 48 horas para inaugurar primeiro hospital para combate do Coronavírus

Compartilhe

Em apenas 48 horas de trabalho, as autoridades chinesas inauguraram o primeiro hospital para combater o coronavírus.

Centenas de trabalhadores envolvidos na obra levaram apenas dois dias para transformar um edifício vazio em um recinto médico com capacidade para 1.000 leitos. O hospital será exclusivo para o tratamento de pacientes do coronavírus.

O Centro Médico Regional Dabie Mountain está na cidade de Huanggang, e está localizada a 75 km de Wuhan, cidade onde se originou a epidemia do coronavírus.

Os primeiros pacientes foram transferidos para o novo hospital na noite da última terça-feira (28). É esperado que nos próximos dias o segundo hospital (aquele que está sendo construído do zero em Wuhan) seja inaugurado, somando mais 2.000 leitos para tratamento e combate da doença. Esse segundo hospital começou a ser construído na última sexta-feira (24), e sua inauguração deve acontecer na próxima terça-feira, 4 de fevereiro. Ou seja, esse hospital vai aparecer do nada em apenas 10 dias.

E as autoridades afirmam que o hospital pode ficar pronto antes da data mencionada.

O último relatório indica que são mais de 132 mortes na China por causa do coronavírus (há quem diga que esses números já ultrapassam os 170 óbitos), com 5.974 casos confirmados até o momento.

 

 

Para você ver como a coisa é séria

 

 

Insisto que o cenário é grave. Algumas pessoas entendem que o coronavírus tem efeitos mediáticos, mas tanto esforço para combater uma “gripe comum” só se justifica justamente por não ser uma enfermidade comum.

Por outro lado, só posso destacar a competência das autoridades chinesas em correr contra o tempo para oferecer hospitais que podem ajudar na recuperação das vítimas do coronavírus. Entendo que podemos aprender algumas coisas com os chineses e, quem sabe, aplicar no Brasil algumas dessas políticas.

E eu não estou falando em construir um hospital em dez dias. Estou falando em olhar para a população e para quem mais precisa como a máxima prioridade.

 

 

Via Daily Mirror


Compartilhe
Publicado emNotícias