Como funcionava a Hydra Market, um dos maiores mercados negros da internet do mundo | @oEduardoMoreira Press "Enter" to skip to content
Início » Internet » Como funcionava a Hydra Market, um dos maiores mercados negros da internet do mundo

Como funcionava a Hydra Market, um dos maiores mercados negros da internet do mundo

Compartilhe

A Hydra Market era um dos maiores mercados negros da internet no mundo, e a Alemanha conseguiu recuperar US$ 25 milhões em Bitcoin ao detectar as práticas do grupo. O nome vem do conceito da hidra ramificada, já que contava com 17 milhões de clientes e aproximadamente 19 mil vendedores.

Ou seja, um monstro que não parava de crescer.

Esse mercado conseguia operar nas sombras por conta da existência de uma espécie de misturador de Bitcoins entre os usuários, deixando a detecção da rota da fuga do dinheiro algo ainda mais difícil para as autoridades.

Neste post, vamos mostrar alguns detalhes que fizeram do Hydra Market esse gigante criminal das criptomoedas.

 

 

 

Anonimato e gamificação

As autoridades alemãs estavam investigando as atividades da Hydra Market desde agosto de 2021, e contou com a ajuda das autoridades norte-americanas para desmontar as atividades do grupo.

Os misturadores de Bitcoin são vetados por exchangers e casas de câmbio, mas não são considerados ilegais por si. O problema era o uso desse recurso pela Hydra Market: neste caso, os vendedores escondiam os seus bens em locais físicos, e sem qualquer tipo de contato com o vendedor.

O sistema da Hydra Market também contava com o elemento de gamificação, incluindo o jogo da roleta como método de compra. Um comprador interessado em um dos seus itens poderia apostar em um valor menor do que era cobrado pelo item, obtendo assim uma oportunidade aleatória para comprar o item por um preço menor.

Por outro lado, havia o risco do comprador perder o dinheiro apostado, ficando também sem o item que queria comprar.

 

 

 

Um mercado em operação desde 2015

O que chama a atenção no Hydra Market, além do seu tamanho descomunal, é o fato dele estar em operação desde 2015. Seu site só poderia ser acessado através de um navegador Tor, mas neste momento se encontra fora do ar pelas autoridades alemãs especializadas em crimes cibernéticos.

O Hydra Market comercializava principalmente drogas e armas para os países que orbitam a antiga União Soviética (Rússia, Ucrânia, Bielorrússia, Cazaquistão, Azerbaijão, Armênia, Quirguistão, Uzbequistão e Moldávia). Seu caráter era absolutamente ilícito, tanto na sua mecânica de funcionamento quanto nos itens adquiridos dentro dela.

E, infelizmente, é o tipo de atividade criminosa que só está aumentando na internet ou na deep web. E a caçada contra os criminosos cibernéticos continua, e só está ficando cada vez mais complexa.


Compartilhe
@oEduardoMoreira