Compartilhe

Difícil, viu…

Quando uma criança fica órfã, ela fica meio sem rumo na vida. No caso dos tablets Android, que acabaram de ficar órfãos do Google, nem o GPS vai salvar. Está mais perdido do que eu em feira de exposições agropecuária (sério, eu já me perdi em uma dessas feiras quando eu tinha uns seis anos de idade, mas isso é outra história…).

O Google decidiu desistir dos tablets, como um todo. Nada de tablets Android, nada de tablets com Chrome OS. E acho que poucas pessoas vão se lamentar por isso.

Eu cheguei a ter o Nexus 7. Eu achava o produto excelente, mas eu entendo perfeitamente aquelas pessoas que rapidamente encostaram o produto no armário, ou aquelas que passaram o tablet rapidinho para frente quando a sua bateria começou a drenar depois de algumas atualizações de software (meu caso).

E nem podemos dizer que o Google não se esforçou na iniciativa. Não apenas com os tablets Android, mas tablets com Chrome OS. Pixel Slate e Pixel C eram produtos bem pensados, com um hardware mais que interessante… que não convenceu ninguém!

Uma pena.

 

 

Google vai manter o suporte, mas… para quem mesmo?

 

 

O Google seguiu o movimento de outros gigantes do setor de tecnologia, que desistiram dos tablets porque esse é um segmento que está jorrando sangue de forma descontrolada. Morre aos poucos, mas da forma mais violenta possível. Consegue ser uma morte mais triste do que a dos netbooks (saudades… eu gostava, mesmo olhando hoje para trás e pensando “como eu pude gostar de um conceito tão ruim?”).

Agora, só Samsung, Apple, Microsoft e meia dúzia de gatos pingados ainda apostam nos tablets. E, ainda assim, apostam que conceitos muito bem definidos e segmentados ainda podem prosperar. Me agradam os tablets pensados nos profissionais, que são potentes e contam com um teclado para produtividade.

Mas quando eu penso que hoje um notebook com Chrome OS pode funcionar como 2 em 1 com a tela touch, e entrega uma maior produtividade, com um software mais ajustado… eu não consigo ver com muitas esperanças alguma sobrevida para os tablets com sistema Android.

No caso do iPad, a coisa é diferente. A Apple aposta a sério em um iPadOS que pode tornar o seu tablet ainda mais ajustado para os perfis profissionais, e com isso pode aumentar ainda mais a dominância nesse segmento, e se preocupar (quase) exclusivamente com o Microsoft Surface.

Já no caso dos tablets Android… algo me diz que é o início do fim. Ficar órfão nesse caso não quer dizer adoção de terceiros, mas sim abandono por completo.

É uma criança que vai morrer de fome… coitada…


Compartilhe