Antes de qualquer coisa, eu quero deixar algo bem claro: eu não tenho nada contra a Nokia. São eles é que tem contra mim, já que para a sua assessoria de imprensa, “o TargetHD.net não é imprensa”. Mas, tudo bem. Azar o deles. E como esse é o meu blog pessoal, eu posso, como simples consumidor, criticar sobre o último anúncio deles.

Como vocês já sabem, a Nokia Brasil anunciou hoje que o seu mais “recente” lançamento (entre aspas, uma vez que ele chega ao Brasil quase quatro meses depois do seu anúncio oficial lá fora) para o nosso mercado, o Nokia Lumia 920, que começa o seu período de pré-venda no dia 14 de fevereiro. Mas a notícia mais importante não é essa, por incrível que pareça. O que chama a atenção é que, mais uma vez, a Nokia escolhe adotar o preço “mágico” de R$ 1.999 para um lançamento de um telefone do seu portfólio.

Tudo bem, o modelo tem Windows Phone 8, tem tecnologia PureView na câmera traseira e é um dos modelos compatível com o 4G brasileiro. Mesmo assim… R$ 1.999? Ah, Nokia, faz-me rir com essa!

A Nokia Brasil repetiu a mesma estratégia no meio do ano passado, ao anunciar os que já defasados (na época) Nokia 808 PureVew e Nokia Lumia 900 a R$ 2 mil e R$ 1.800, respectivamente. Na época, fiz as mesmas críticas sobre os valores cobrados por smartphones que, com toda convicção, não valem os preços anunciados. E mais uma vez vejo a Nokia repetir a mesma estratégia: colocam um preço absurdo para um smarpthone que chega ao nosso mercado depois dos seus principais concorrentes, em um período do ano que não é o mais promissor para vendas de novos produtos, e com tudo isso, ainda quer colocar um preço de smartphone top… mesmo ele ficando atrás de muitos de seus concorrentes.

A Nokia precisa entender que, em primeiro lugar, não são mais eles que dão as cartas no mundo mobile, e isso acontece desde 2010, pelo menos. Não adianta a empresa acreditar que eles são a última bolacha do pacote, e que podem colocar o preço que eles quiserem, que automaticamente filas e mais filas se formarão diante dos shoppings, com consumidores ávidos para comprar os seus produtos. Não mais. Isso fica para a Apple, para a Samsung… outras marcas podem conseguir isso.

O Windows Phone é um ótimo sistema? Com certeza. Se eu quero ter um smartphone com Windows Phone 8? É evidente que sim. Mas, pelo visto, não será um Nokia Lumia 920. É totalmente fora da realidade cobrar o mesmo preço (ou algo próximo) daquilo que é cobrado pelo Samsung Galaxy S III, que em termos de hardware simplesmente humilha o Lumia 920, e mesmo no software, oferece uma gama de opções de aplicativos e conteúdo muito maior. Ou seja, para aquele usuário mais antenado em tecnologia (com essa grana toda para gastar), não há dúvidas sobre qual aparelho ele vai escolher.

Até mesmo em opções mais “modestas”, os usuários podem encontrar ofertas mais competitivas que o Lumia 920. Exemplos: o LG Optimus 4X HD já está na faixa de R$ 1.499, e o Motorola RAZR HD está na faixa de R$ 1.699. E, honestamente, se é para ter um smartphone que me atenda nas minhas necessidades mais básicas de conectividade e entretenimento, economizar R$ 300 é um excelente negócio.

E olha que eu nem citei a possibilidade do usuário pagar R$ 300 a mais para ter um iPhone 5, mas eu acho isso um exagero.

Mais uma vez, a Nokia erra pela ganância e cobiça. Ou acerta, sei lá. Todos os modelos que eles colocaram com preço de smartphone “top” tiveram os seus preços reduzidos com o passar dos meses. Não é mais aquele tipo de coisa do “a empresa errou na mão no preço, e depois corrigiu para menos, tornando assim o preço mais justo”. Negativo. Tudo indica que é estratégia pensada da Nokia mesmo. Afinal, qual o objetivo da empresa colocar o Lumia 920 a R$ 1.999? Para fazer com que textos como esse sejam produzidos?

Não. É para fazer com que otários saiam correndo de suas casas e comprem o Lumia 920 na primeira leva.

Desculpe o linguajar, amigo leitor, mas essa é a conclusão que chego. Quem tirou o cartão de crédito para pagar R$ 2 mil no 808 PureView, R$ 1.800 no Lumia 900, e pode pagar R$ 2 mil pelo Lumia 920 é, ao meu ver, no mínimo, otário. Primeiro, porque os modelos citados não valem esse preço, por melhor que eles sejam. Segundo, porque esses preços invariavelmente vão cair com o passar dos meses, se tornando um pouco mais justos com a realidade dos seus sistemas, e do mercado brasileiro como um todo.

Não acho que o Lumia 920 vale esse preço, mesmo com todos os benefícios exclusivos que a Nokia adicionou ao dispositivo. Também não acho que a maioria dos consumidores vão engolir essa, e vão partir para uma busca desenfreada pelo smartphone. Só acho que a Nokia não caiu na real: a posição deles no mercado mobile hoje é de coadjuvante, ou na terceira posição, no máximo. E, mesmo assim, eles precisam agradecer aos céus por isso. Se eles continuarem a acreditar que podem mesmo cobrar a mesma coisa que Apple e Samsung, que estão anos-luz na frente, e que oferecem smartphones melhores, eu só posso entender que…

… a Nokia está querendo que a gente dê muitas risadas a cada anúncio de um novo smartphone!