@oEduardoMoreira

Pessoal e Intransferível

Tag Archives: nintendo

Super Mario Run, e o tiro que saiu pela culatra (para a Nintendo)

by

super mario run

 

Nos dias de hoje, as pessoas não pagam por mais nada. Todo mundo quer tudo de graça. E muita gente entendeu que Super Mario Run seria de graça, mesmo com a Nintendo avisando para todo mundo que não seria.

Podemos até encarar como falha de comunicação entre as partes envolvidas, mas particularmente eu entendo que existiu uma certa preguiça das pessoas em busca pela informação correta.

Sim, pois foi exaustivamente enfatizado que o jogo iria custar US$ 9,99, e que apenas os primeiros níveis do jogo seriam gratuitos. Logo, não há má fé da Nintendo nesse aspecto.

Porém, o “tiro pela culatra” está em outros fatores.

 

 

O jogo que não disse a que veio

 

 

Super Mario Run, na sua versão gratuita, não dura dez minutos. A Nintendo deixa o doce para depois tirar de todo mundo bem rápido.

O sentimento de frustração das pessoas é compreensível. Muita gente quis jogar o game, mas ficou na vontade, porque durava menos que o desejado.

Mesmo assim, acho que o tema mais sério aqui é o fato do jogo não conseguir capturar a alma da série Mario, que fez com que tanta gente ficasse apaixonada pelo personagem ao longo de décadas.

Pode ser raivinha de muita gente, mas isso talvez justifique a insatisfação de muitos. Bem mais do que o fato do jogo não ser de graça.

A Nintendo demorou tanto tempo para lançar um jogo para as plataformas móveis, e quando o faz, entrega um resultado que ficou abaixo do esperado.

A reação só poderia ser essa. E os resultados já se traduzem em números.

 

 

A ponte da Nintendo está caindo…

 

 

Quando muitos acreditavam que Super Mario Run seria o “tirar o pé da lama” da Nintendo (ainda mais depois do sucesso repentino de Pokémon GO), o jogo decepciona, e a Bolsa de Valores não perdoa.

Depois de tantas críticas negativas, o valor de mercado da Nintendo caiu, quando deveria subir com esse lançamento. Apenas cinco dias depois do jogo chegar ao iOS.

Não é legal ser um profeta do apocalipse a essa altura do campeonato, mas tudo o que os japoneses não precisavam era mais um fracasso comercial. Ainda mais envolvendo o seu principal jogo.

Essa situação só torna a missão do Nintendo Switch ainda mais complicada. Principalmente agora que conhecemos o conceito do produto, e que os veículos especializados já mostram do que ele é ou não capaz de fazer.

 

Um 2017 chave

 

 

Para a Nintendo, 2017 é um ano chave.

Não é o ano que define se a empresa deixa de existir ou não. E não acho que o fim está próximo. Mas podemos dizer que 2017 é o ano que o futuro começa a se posicionar de forma definitiva.

Ainda há tempo da Nintendo aprender com mais erros cometidos em Super Mario Run (que pode até chegar de graça ao Android, contando apenas com alguns complementos pagos para dar poderes aos jogadores).

Ainda há tempo da empresa fazer do Nintendo Switch uma alternativa de peso, com potencial para bater de frente com o Xbox One e o PS4.

Tempo, a Nintendo ainda tem.

Mas precisa começar a acertar. O quanto antes.

Este é o Mario Galaxy em live action

by

real-mario-galaxy

Pensar em um filme live action de Mario Galaxy pode ser algo que dê calafrios em alguns, principalmente se lembramos na horrorosa adaptação para o cinema de Mario Bros do começo dos anos 90.

Porém, neste caso, não temos uma grande produção cinematográfica, mas um vídeo feito por fãs que mostra não apenas a sua paixão pelo bombeiro da Nintendo, mas que também não precisa de muito dinheiro para fazer bem feito.

Não é preciso grandes investimentos ou colaboradores para fazer um curta fantástico, fiel ao espírito original do jogo, divertido e atraente do começo ao fim.

Vale destacar a boa qualidade na edição do vídeo, assim como os efeitos especiais utilizados, já que apesar de não contar com um acabamento profissional, cumpre de sobra a missão de se identificar como um autêntico live action de Mario Galaxy.

Vale a pena ver esse vídeo até o final.

 

 

Via Kotaku

Ne iPhone, nem Moto Z: o primeiro a remover a porta de 3.5 mm foi o Game Boy Advance SP

by

game-boy

Vimos no Moto Z, em alguns modelos da LeTV e recentemente na Apple. O fim dos conectores de 3.5 mm é uma revolução emergente nos smartphones, mas que teve o seu início nos videogames. Mais especificamente, no Game Boy.

Aliás, na telefonia móvel, até a Nokia utilizava uma porta de áudio proprietária, deixando de lado o conector 3.5 mm, mas em um celular. Porém, foi a Nintendo com o Game Boy Advance SP quem primeiro tentou essa manobra.

 

Um console portátil sem fones de ouvido? Em quê estavam pensando?

 

game-boy-porta-fones-de-ouvido-02

 

Foram oito modelos de Game Boyu lançados pela Nintendo antes da chegada do DS. Na ordem cronológica:

– Game Boy (1989 – 1995)
– Play it Loud! (edição especial colorida do Game Boy, 1995)
– Game Boy Pocket (1996 – 2000)
– Game Boy Light (exclusivo no Japão, 1998)
– Game Boy Color (1998 – 2003)
– Game Boy Advance (2001 – 2006)
– Game Boy Advance SP (2003 – 2008)
– Game Boy Micro (2005 – 2008)

Até o Game Boy Advance, todos os modelos receberam o conector para fones de ouvido de 3.5 mm, mas… o que aconteceu com o Advance SP, e por que a Nintendo eliminou o conector.

O motivo foi a mudança de design. Era um console mais compacto, e com pouco espaço para a sua placa. A Nintendo então decidiu sacrificar a porta, e colocar no seu lugar uma saída que exigia o uso de um adaptador para o conector de 3.5 mm.

Pese ao fato de que os fones poderiam ser usados e que o adaptador no começo era algo bem barato, a mudança resultou em inúmeras queixas por parte dos usuários do console. Mas nem tudo foi críticas. Alguns entenderam a decisão, baseado no argumento da falta de espaço.

 

Um futuro sem cabos, mas ainda distante

 

game-boy-porta-fones-de-ouvido-03

 

O Game Boy Micro também não recebeu conectores para fone de ouvido, mas a Nintendo o trouxe de volta no Nintendo DS, no mesmo local que estava outra entrada que seria para os fones específicos que o fabricante lançaria, com conexão proprietária.

 

game-boy-porta-fones-de-ouvido-05

 

No casos dos smartphones, o que motiva o fim dos conectores de 3.5 mm também está no melhor aproveitamento de espaço, para inserir uma bateria maior ou inserir câmeras com mais recursos. Tanto o Moto Z como os novos iPhones são mais finos por conta desse sacrifício do recurso, que em muitos casos não era algo imprescindível, mas sim muito útil.

Jony Ive disse no evento de apresentação do iPhone 7 e iPhone 7 Plus que a Apple acredita em “um futuro sem cabos”. Esse é outro fator que motiva os fabricante a eliminar essa conexão que ainda é frequentemente utilizada.

Porém, produtos como o novo MacBook ou o ASUS ZenBook 3 são computadores ultrafions, com uma ou duas portas de conexões…. e mesmo assim incluem a porta para fones de ouvido.

Então…

No Mario’s Sky… existe!

by

No Mario’s Sky

Como quem não quer nada, Super Mario chegou ao universo de No Man’s Sky. Ou seria o contrário?

Isso não importa. Como você já pode imaginar, a Nintendo ou a Hello Games não tem nada a ver com isso. No Mario’s Sky é uma obra dos fãs, como um jogo gratuito e multiplataforma. Além disso, é impossível resistir ao jogo de universo infinito.

Feito pelos fãs de Mario (e de No Man’s Sky)

No Mario’s Sky nada mais é do que uma tentativa digna de curiosidade, literalmente: foi realizado em 72 horas durante o Ludum Dare, uma competição de desenvolvimento de videogames indie.

O download gratuito de No Mario’s Sky para Windows, Mac e Linux pode ser feito nesse link. Mas conhecendo como a Nintendo pensa, eu recomendo fortemente que você faça logo esse download.

 

oIvYGr

Falando nisso, a Nintendo solicitou a retirada de mais de 500 jogos criados por fãs até agora, que de alguma forma se inspiraram ou foram baseados em personagens de suas franquias.

Porém, a nota esclarece que os sites que teriam alojado os downloads dos jogos continham publicidade, o que pode deduzir um ânimo de lucro. Isso justificaria a decisão da Nintendo.

Por isso recomendamos a pressa no download de No Mario’s Sky.

 

Mario Bros deu as caras no fim dos Jogos Olímpicos Rio 2016

by

mario bros

Os Jogos Olímpicos Rio 2016 chegaram ao fim, mas já começou um novo ciclo olímpico, visando os Jogos Olímpicos Tóquio 2020.

Para enfatizar o aspecto nipônico da questão, o comitê japonês apresentou um divertido vídeo mostrando o que nos espera na cidade anfitriã da próxima Olimpíada.

 

Mario Bros: o mundo dos videogames é muito importante para os japoneses

A montagem que não deixa indiferente a ninguém por suas alusões aos ícones da cultura geek dos japoneses.

De Oliver e Benji até a adorável Hello Kitty, várias personalidades são lembradas.

Mas o principal momento é quando Shinzo Abe primeiro ministro japonês, dá as caras.

A autoridade se transforma em Mario, e começa a se deslocar no Rio de Janeiro de forma animada, como se estivesse em Super Mario Bros. Sensacional!

Uma divertida apresentação que deixa claro o quão importante são os videogames e os animes dentro do universo japonês.

Já podemos começar a sonhar com uma cerimônia de abertura ultra high tech daqui a quatro anos.

Quem sabe com o uso massivo da realidade aumentada… e recheado de pokémons.

No mínimo, é algo promissor. Podemos esperar algo realmente grande em 2020.

E olha que as nossas duas cerimônias foram espetáculos excelentes!

 

Este NES com Raspberry PI e cartuchos é muito mais Classic que o da Nintendo

by

NES com Raspberry PI

Muita gente gostou do mini NES que a Nintendo apresentou, mas nem tudo é perfeito no produto. Uma de suas deficiências é o fato do pequeno console não poder usar cartuchos originais. Algo que o pessoal da Daftmike resolve com este NES artesanal.

Com a ajuda de uma Raspberry PI, temos uma versão em miniatura do console da Nintendo, com uma qualidade final excelente, com méritos para botões que funcionam, LED vermelho de liga/desliga e a utilização de cartuchos.

Melhor que o original

NES com Raspberry PI 02

Não é a primeira vez que a famosa placa se relaciona com o mundo da Nintendo. Eles já fizeram algo semelhante com o Gameboy, que também é funcional com o modelo desenvolvido pela Daftmike, que por sua vez levou muito tempo desenvolvendo o seu produto. Uma das curiosidades está no seu tamanho diminuto e muito parecido com o da poção da Nintendo.

Para rodar os jogos na Raspberry PI, o Emulation Station entra em ação, dando vida a outros emuladores além do NES. O console possui porta HDMI de saída, permitindo a conexão com as TVs mais novas.

Também fica livre a porta Ethernet da placa, além de um conector de áudio e portas USB para os controles. O produto conta com dois mini controles, mas é possível utilizar outros controles de sua preferência, inclusive com conexão via Bluetooth.

NES com Raspberry PI 03

Seu case foi concebido com uma impressora 3D, e da mesma forma os cartuchos são confeccionados. Os cartuchos utilizam um sistema baseado em NFC para selecionar os jogos armazenados na memória do Raspberry. Os vídeos a seguir mostram melhor como é o projeto.

NES com Raspberry PI 04

Via Daftmike

Quem levou a E3 2016? Nem Microsoft, Nem Sony, Nem Nintendo

by

e3-2016-header-overlay-latest

Muito se esperava das conferências das gigantes do setor de videogames na E3 2016. Porém, com exceção da Nintendo, todas entregaram mais ou menos o que se esperava delas, sem grandes surpresas.

Porém, se é para falar de um vencedor claro no evento de Los Angeles, não podemos nomear nenhuma das três. Nem mesmo um desenvolvedor em específico. Aliás, a grande vencedora da E3 2016 foi a AMD, e os motivos são bem simples: tudo girou, direta ou indiretamente, na sua nova geração de GPUs Polaris.

 

Por que a AMD?

Por um lado, a AMD ofereceu uma grande surpresa com a RX 480, uma placa gráfica baseada no Polaris 10 que permite a execução de jogos em resoluções de 1440p por apenas US$ 199. Seu impacto no setor de games para PCs será enorme, e o produto tem tudo para ser um sucesso estrondoso de vendas. Mas isso não é tudo: devemos pensar também no cenário da realidade virtual e nos consoles de próxima geração.

A Polaris 10 democratiza a realidade virtual, mas também pode dar vida ao Xbox Scorpio e ao PS4 NEo, consoles que devem chegar ao mercado em 2017, marcando uma grande evolução de potência em relação aos atuais Xbox One (S) e PS4.

Soma-se à isso o Nintendo NX, que também contará com uma solução gráfica da AMD, e que pela data prevista para o seu lançamento (março de 2017) pode perfeitamente receber uma variante do Polaris 10.

A presença da gigante de Sunnyvale no mundo gaming é enorme, e não apenas na presente geração, como na próxima. E não se limita à GPU, se estendendo à CPU. Basta lembrar dos núcleos Jaguar do Xbox One e do PS4 e o processador octa-core que a Microsoft confirmou para o Project Scorpio.

Por conta de tudo isso é que a AMD aparece no mercado de videogames como uma potência de hardware. Pelo impacto que a Polaris pode ter em todos os níveis (inclusive na realidade virtual), a empresa foi a grande vencedora da E3 2016.

Como não amar esse conceito de reformulação do Game Boy?

by

gameboy-2015-02

Gunpei Yokoi foi o responsável pelo design do Game Boy clássico, um dos principais consoles da Nintendo e do mundo dos videogames. Em 2015, o produto comemora 25 anos de vida, e o Game Boy Advance também faz aniversário de 10 anos. Pois bem, o Gane Boy One 1up é um conceito que combina os dois designs.

O designer Florian Renner fez a sua interpretação do Game Boy, que combina as cores originais com o formato paisagem de concorrentes (Game Gear, Lynx, Vita, etc), e que a Nintendo depois adotou nos modelos DS. Poucos são os detalhes técnicos sobre o produto, mas dá-se a entender que ele seria potente, já que podemos ver o cartucho do jogo Fallout 4 entre as fotos de apresentação do console.

Os botões de comando e controle conservam o formato clássico, algo que é muito bem vindo para os gamers mais nostálgicos.

O design desse novo console favorece um melhor transporte no bolso, e tudo indica que os problemas com a bateria (de baixa autonomia no modelo original) seriam resolvidos com esse conceito.

O Game Boy vendeu 119 milhões de unidades. Um dos maiores sucessos da história da Nintendo.

gameboy-2015-03 gameboy-2015

Via Game Boy 1up