Tag Archives: android

Sony Xperia M5: mais um que promete ‘a melhor câmera em smartphone Android’

by

sony-xperia-m5

Bem sabemos que a Sony possui alguns dos melhores sensores fotográficos para smartphones Android do mercado (e, talvez, do mercado mobile de um modo geral, independente do sistema operacional). Logo, eles precisam fazer marketing disso. O resultado: mais um smartphone de linha média que promete as melhores fotos em um telefone celular que o seu dinheiro pode comprar (ou não, se você for um quebrado que nem eu).

O Sony Xperia M5 vem basicamente calcado nas suas duas câmeras. A traseira, de 21.5 megapixels, é a que mais promete milagres, com um sensor Clear Image Zoom, capacidade de gravação de vídeos em 4K e um sistema de foco automático híbrido, que tem um tempo de resposta inferior a 0.25 segundo. Sim, isso é bem rápido. Mais rápido que o piscar do olho humano (em média, 0.3 segundo). Mas… o Xperia Z5 (e seus derivados apresentados na IFA 2015) já não contam com um sensor cujo foco se ajusta em assustadores 0.03 segundo? Não seria mais rápido?

Enfim, bem sabemos que velocidade de foco não quer dizer necessariamente que teremos a melhor foto registrada. Só quer dizer que a câmera tem um foco rápido, e que as chances de uma imagem ser registrada com melhor qualidade aumentam. Mas não é uma regra. Só na prática saberemos se essa câmera entrega tudo o que promete.

Outro detalhe do Xperia M5 é o fato dele contar com um sensor frontal de 13 megapixels, mas esse sensor não vir acompanhado de um flash LED. Para quem quer vender um smartphone capaz de tirar excelentes fotos, esta é uma ausência sentida. Afinal de contas, já é sabido que as pessoas gostam de registrar selfies em ambientes com baixa luminosidade. Logo, por que não tornar esse item algo popular nos dispositivos?

 

Fora isso, o Xperia M5 traz tudo aquilo que a Sony já oferece em boa parte dos seus dispositivos, incluindo a certificação IP65/68, algo que pode ser interessante para os usuários mais preocupados com a segurança do produto. Mas é um modelo bem focado para quem prioriza a câmera. Mais até do que o Xperia C5 Ultra, que preza mais pela relação custo-benefício. Acho que, por conta desse modelo não apresentar nada que seja realmente um diferencial para a escolha desse produto (exceto o fato de ser um smartphone Sony, pensado nos fãs da Sony), não temos nele uma opção tão interessante assim.

Só por causa de um foco mais rápido que o piscar de olho? Pelo menos para mim, não.

Sony Xperia C5 Ultra: mais um smartphone grande pensado na fotografia

by

sony-xperia-c5-ultra

A Sony pode dizer que oferece alguns dos melhores sensores fotográficos para smartphones do mercado mobile. E o Xperia C5 Ultra é mais um modelo que tenta se promover baseado nisso. São dois sensores de 13 megapixels (frontal e traseiro), com o competente sensor Exmor RS, o que deve garantir uma boa capacidade fotográfica na maioria das situações.

Sem falar que o sensor frontal ainda conta com uma lente especial para selfies, com um flash otimizado. Aliás, demorou para os fabricantes se tocarem que as pessoas não só gostam de tirar selfies, mas que gostam de registrar esses momentos com amigos em locais não muito bem iluminados, como por exemplo as baladas noturnas. Nesse aspecto, a Asus saiu na frente com o Zenfone Selfie, e os demais fabricantes dão a entender que vão no vácuo dos asiáticos.

Outra aposta interessante da Sony para o Xperia C5 Ultra é a sua tela. Com 6 polegadas, padrão IPS, resolução Full HD e tecnologia TV Mobile BRAVIA Engine 2, é uma tela que pode se mostrar muito competente para uma exibição perfeita de imagem, sem precisar apelar para resoluções elevadas e com elevado consumo de recursos e bateria (beijo, Xperia Z5 Premium).

Do mais, temos um modelo de linha média bem honesto, com processador octa-core de 1.7 GHz, conectividade 4G, 16 GB de armazenamento, 2 GB de RAM, entre outros. O Sony Xperia C5 Ultra é, talvez, o smartphone mais equilibrado apresentado pela Sony na IFA 2015, e se vier por um preço competitivo, pode conquistar o coração de muitos que estão atrás de um phablet com boas câmeras para chamar de seu.

Porém – e sem ser repetitivo -, estamos falando da Sony, que já está acostumada a ‘se supervalorizar’ quando colocar os preços nos seus produtos. Eu realmente gostaria de ver valores mais competitivos para esses produtos intermediários, para essas propostas que oferecem diferenciais relevantes para determinados usuários, mas que para o grande público são bem ajustadas.

E eu imaginava que a queda de vendas da Sony na divisão mobile mudaria o perfil da empresa no quesito preço. Mas não vou perder as esperanças. Vamos esperar os próximos meses.

Sony Xperia Z5 Compact (e a Sony só devia ter lançado esse)

by

sony-xperia-z5-compact

Não me entendam mal, crianças. Eu até gostei do Sony Xperia Z5 apresentado hoje (02) na IFA 2015. Mas como disse antes, eu acho que a Sony vai cometer a burrada de supervalorizar esse modelo, o que pode aumentar as chances do mesmo ser um fracasso comercial, o que pode decretar a ‘morte’ da divisão mobile da empresa japonesa. Então… cara Sony… por que não ficou no Xperia Z5 Compact (com outro nome), e encerrou o assunto por aí?

Nada contra telas maiores, mas a grande diferença entre os dois modelos é apenas a tela. Todo o restante do hardware – incluindo as lentes, o processador e a quantidade de RAM – será o mesmo. Logo, enfatiza naquele produto que pode oferecer a melhor relação custo-benefício, mesmo que com uma margem de lucro menor, e tenta sobreviver no mercado mobile oferecendo alternativas que fujam do lugar comum.

Até porque smartphones com telas de mais de 5 polegadas o mercado está cheio, e a Apple está aí para provar que ainda tem gente que prefere dispositivos com telas abaixo disso (senão, o iPhone 6 não teria 4.7 polegadas).

Sem falar que eu mesmo conheço algumas pessoas que gostaram muito mais do Xperia Z3 Compact (mesmo com configurações mais modestas) do que do Xperia Z3. Afinal de contas, não é todo mundo que precisa de um hardware top de linha para realizar suas tarefas diárias. Muita gente só quer um smartphone que funciona bem, com uma boa câmera, e uma tela de tamanho confortável, que não o faça parecer que está utilizando um tablet junto ao rosto durante as ligações.

Logo, considero o Xperia Z5 Compact o grande lançamento da Sony na IFA 2015. Ainda mais pelo fato que eles tiveram a coragem de colocar o mesmo hardware do Xperia Z5 em um modelo com dimensões reduzidas. Por conta disso, o termo ‘Compact’ se encaixa perfeitamente na filosofia do produto, sem ser uma forçada de barra como alguns concorrentes fazem quando adotam o termo ‘Mini’ em modelos que diminuem de tamanho e de especificações.

Nesse caso, o Sony Xperia Z5 Compact é uma bola ‘dentro’ da Sony. É só esse produto não chegar caro demais ao mercado, que as chances de sucesso até que são consideráveis.

 

Conheça a Mirrativ, a nova plataforma de streaming para smartphones

by

dena

O streaming está na moda, e plataformas como o Twitch ou o YouTube Gaming mostram isso claramente. Mas eles não estão sozinhos. Existem muitas outras ‘novatas’ que buscam o seu espaço. E este é o caso da Mirrativ, um novo app de streaming desenvolvido pela empresa japonesa DeNA

O aplicativo está disponível hoje ainda em fase beta para Android (iOS no futuro), e permite transmitir ao vivo qualquer conteúdo de um smartphone em modo streaming. Muitos estão defendendo a plataforma como um híbrido entre Twitch e Periscope, com um potencial enorme que apenas começou a deslanchar.

Como principal vantagem, a Mirrativ não está centrada apenas nos videogames, apesar desse tipo de conteúdo ser a prioridade para os seus usuários. Ele poderá transmitir qualquer coisa que é feita no smartphone, incluindo navegação, configuração e troca de mensagens instantâneas. Além de fazer streaming da tela, ele também permite a inserção de uma pequena janela que mostra a face do usuário, através da câmera frontal.

O Mirrativ foi lançado nesta semana, e a DeNA garante que hoje só é possível visualizar umas poucas horas de conteúdo por dia, já que a plataforma ainda está em desenvolvimento. Eles querem se transformar no Twitch dos smartphones, com um app simples e fácil de usar. Vale lembrar que o próprio Twitch já conta a algum tempo com um SDK para smartphones, e não deve demorar muito para eles oferecerem uma alternativa para o mundo mobile.

Para fazer o download do Mirrativ, clique aqui.

 

Via Engadget, WSJDeNA

iOS ou Android: qual tem os usuários mais fiéis?

by

iOS-e-Android

Essa é a pergunta que a Consumer Intelligence Research Partners (CIRP) tentou resolver, com resultados surpreendentes se levarmos em conta os tópicos do mundo da tecnologia.

Acredite, se quiser, mas o estudo mostra que os usuários do Android são mais fiéis do que os donos do iPhone. 82% dos possuidores de dispositivos com o sistema do Google voltariam a apostar nessa proposta, enquanto que 78% dos donos de dispositivos da Apple comprariam um iPhone como o seu próximo dispositivo.

Provavelmente o fato de ter uma maior variedade de dispositivos ajude o Android a vencer o estudo, e ainda que se imagine que os smartphones da Apple tenham um grande atrativo, o fato de ter linhas muito limitadas e com preços elevados elimina a possibilidade de oferecer alternativas par ao usuário dentro do seu próprio ecossistema.

Ou seja, quando alguém passa do iPhone 5s para o iPhone 6, só vai poder dar um passo adiante depois de um ano e, mesmo assim, para um hipoteticamente caro iPhone 6s. No caso do Android, não é bem assim: você pode optar por um Motorola Moto Maxx, ou se não quer gastar muito um novo Moto X Play, ou se tem bala na agulha apostar no Samsung Galaxy S6… as opções são diversas, e isso influencia decisivamente na fidelidade do sistema operacional.

Lembrando que o post fala sobre a fidelidade ao SISTEMA OPERACIONAL, e não ao FABRICANTE, algo que a Apple é líder disparada.

Para mais informações sobre o estudo, clique aqui.

Samsung Galaxy Tab A P550 WiFi

by

Tablet Samsung Galaxy Tab A P550-01

Duas das formas de fugir da canibalização dos tablets por conta dos phablets são aumentar novamente o tamanho da tela e oferecer funcionalidades de produtividade para o dispositivo. A Samsung pensou nisso, e apresentou o Galaxy Tab A P550, com tela de 9.7 polegadas e, nesse caso, em versão WiFi.

O dispositivo com sistema Android chega com claro objetivo de competir com o iPad com tela de mesmo tamanho. Nem tanto na espessura (até porque é realmente difícil superar o iPad Air nesse aspecto), mas no objetivo de ser um dispositivo de produtividade para profissionais e criativos.

Tablet Samsung Galaxy Tab A P550-02

O Samsung Galaxy Tab A P550 conta com o sistema operacional Android 5.0 Lollipop, processador quad-core de 1.2 GHz, caneta S-Pen, 16 GB de armazenamento interno (expansíveis via microSD de até 128 GB), câmera traseira de 5 megapixels, câmera frontal de 2 megapixels, e todos os recursos de software oferecidos pela interface TouchWiz que bem conhecemos.

O modelo pesa 470 gramas, o que é considerado pouco para um dispositivo com as suas dimensões. Podemos até pensar que ele pode ser uma útil ferramenta até para aqueles que precisam levar um tablet consigo para qualquer lugar, atendendo e bem nas suas tarefas cotidianas.

Tablet Samsung Galaxy Tab A P550-03

O Samsung Galaxy Tab A P550 é pensado nos usuários que querem um tablet Android com tela de grandes dimensões, focando na produtividade. Também é voltado para aqueles que já se acostumaram com a experiência de uso oferecida pela Samsung, ou para aqueles que não querem pagar tanto em um iPad, mas gostariam de contar com um tablet com dimensões similares.

1936

Bom, ao menos sabemos o sexo do robô do Android…

by

android-mija-apple-google-maps

O que uma imagem no Google Maps não faz… ainda mais quando essa imagem faz claro bullying com a Apple. Enfim, a imagem do robô Android no mapas do Google urinando em cima de uma maçã mordida correu o mundo.

O Google já pediu desculpas pela ‘brincadeira’, e garante que isso foi obra de um usuário que utilizou uma característica do MapMaker do Google Maps, que permite criar e editar mapas para depois personalizá-los. O recurso existe desde 2011, mas só agora (e por causa disso) se destacou junto ao grande público.

Samsung Galaxy S5 Mini Duos

by

Samsung Galaxy S5 Mini-01

Nem todo mundo se sente confortável com um smartphone com telas de grandes dimensões. E nem todo mundo pode pagar por um modelo top de linha. Mas muita gente quer ter no seu próximo dispositivo algumas das características oferecidas pelos modelos mais avançados. Nesse caso em específico, o Samsung Galaxy S5 Mini é uma das alternativas disponíveis para esses consumidores.

Apesar de não ser um conceito ‘Mini’ na íntegra (uma vez que não é o modelo top de linha com um tamanho reduzido), esse tipo de produto atende bem as necessidades de compradores que buscam um bom dispositivo de linha média, com características de design e conceituais similares aos modelos mais caros.

Samsung Galaxy S5 Mini-02

O Samsung Galaxy S5 Mini possui suporte ao dual SIM, algo que é muito procurado pelos usuários de linha média, que procuram economizar nas tarifas de telefonia – ou precisam trabalhar com duas linhas ativas no smartphone o tempo todo. Além disso, mantém as mesmas características de design do irmão maior, tal como acabamento e textura na sua superfície frontal e traseira.

O Galaxy S5 Mini mantém o sistema operacional Android 4.4 KitKat, com a interface TouchWiz, que é onipresente em todos os smartphones da empresa, assim como os seus aplicativos que reforçam essa proposta de experiência de uso. O modelo conta com 16 GB de armazenamento, que podem ser ampliados via slot microSD.

Samsung Galaxy S5 Mini-09

O dispositivo possui uma câmera traseira de 8 megapixels com flash, que conta com todas as tecnologias de software da Samsung. A câmera frontal possui o recurso de auto selfie, dispensando o toque na tela para registrar as imagens.

A tela do Galaxy S5 Mini é do tipo Super AMOLED HD de 4.5 polegadas (1280 x 720 pixels), que é suficiente para garantir uma interessante interação com o sistema operacional Android. O dispositivo possui um procesador quad-core de 1.4 GHz, que promete uma interação fluída e funcional do software.

Samsung Galaxy S5 Mini-03

O Samsung Galaxy S5 Mini é recomendado para os usuários que desejam exatamente a mesma experiência de uso que a Samsung oferece no modelo mais avançado da empresa. Também é indicado para os usuários que preferem a linha de design dos dispositivos dos coreanos, e que estão dispostos a pagar a mais por isso.

Samsung Galaxy S5 Mini-04

04-botao-clique037-180.jpg

Google alegra o seu dia com um coro de 300 avatares Android

by

ndroid-chorus

Que melhor maneira de começar essa sexta-feira de carnaval com um belo coral composto de avatares Android. A Google do Japão reuniu 300 dispositivos com o seu sistema operacional, e colocou todos eles para ‘cantar’, cada um deles com uma versão diferente do seu mascote (é possível criar o seu com o Androidify).

O resultado desse agrupamento responde pelo nome Android Chorus, e pode ser conferido pelo vídeo abaixo.

 

Tablet MSI Primo 81

by

120317491_2GG

A MSI promete o ‘bom e barato’ com o seu tablet MSI Primo 81, que pode ser uma alternativa para quem precisa do básico em um dispositivo desse segmento.

O produto conta com tela de 7.85 polegadas, sistema operacional Android 4.2, processador Allwinner A31s quad-core de 1.0 GHz, 16 GB de armazenamento (expansíveis via microSD de até 32 GB), e a capacidade para reproduzir vídeos na resolução Full HD.

O modelo se destaca pelo baixo preço em relação aos seus concorrentes, e a promessa de ser uma interessante relação custo/benefício entre os tablets de entrada.

04-botao-clique037-180.jpg

Amazon Fire TV e Google Nexus Player: vale a pena comprar nesse momento?

by

amazon-fire-controller

Em 2012, o site de crowdfunding Kickstarter deu uma bela sacudida na internet, com o projeto do OUYA, um produto que prometia devolver os videogames para uma era mais simples do que aquela proposta pelas gigantes do setor. Na época, era uma grande aposta: o Android não parava de crescer, e muitos apostavam que o próximo passo para o sistema era conquistar os dispositivos orientados para a TV, mas foi esse projeto do OUYA a apresentar uma opção séria.

O OUYA era um console baseado no Android que era bonito, funcional, econômico e livre dos vícios das grandes corporações. Ou seja, ‘não tinha como dar errado’, certo?

Pois é… muita coisa deu errado.

A qualidade do OUYA era questionável, o catálogo inicial de jogos era praticamente nulo, o software gritava por ajustes urgentes, e seus desenvolvedores sequer conseguiram tornar o produto uma central multimídia minimamente decente. O que é uma pena, diga-se de passagem: eu mesmo pensei em comprar um OUYA, mas depois de ler tantos relatos negativos, simplesmente desisti.

ouya

Muito tempo passou depois do primeiro contato. Os desenvolvedores do OUYA sofreram para corrigir os erros do passado, e agora os seus proprietários contam com um produto um pouco mais próximo do que deveria ser desde o começo. Também é fato que, dois anos depois, o hardware do OUYA é praticamente obsoleto, e a mancha do seu histórico é impossível de ser apagada.

Hoje, a opinião sobre esse tipo de dispositivo é bem diferente daquela emitida há dois anos. Antes, muitas expectativas foram criadas. Agora, poucos estão dispostos a arriscar em um console/sistema multimídia baseado no Android. E não é de se estranhar que isso aconteça agora. Afinal, temos que aprender com as experiências do passado, não é mesmo?

Mas de algum modo (que não consigo compreender), bateu o entusiasmo nos fabricantes. Sem saber quantas unidades do OUYA foram vendidas, gigantes como Google e Amazon decidiram apostar em projetos similares, sem  se importar para as chances dos produtos do presente fracassarem. Tal como aconteceu com os produtos do passado.

Aqui, me resta perguntar: o que leva essas empresas a correrem tal risco? Depois de tudo o que vimos, existe mesmo mercado para esses dispositivos? Quem sabe só falta uma combinação mais adequada de software, hardware e serviços para que esses sistemas baseados no Android alcancem o sucesso.

 

OUYA vs Fire TV vs Nexus Player

nexus-player

Ainda que pareçam produtos similares, a verdade é que eles são radicalmente diferentes. A essência de hardware e software é muito parecida com a de um smartphone Android adaptado para funcionar em grandes telas, mas o OUYA sempre esteve 100% focado nos videogames. Já Google e Amazon foram para a direção contrária, focando os seus esforços no consumo de conteúdo televisivo, filmes e vídeos.

E é aqui que existe um pouco de esperança para esse nicho de mercado. Bem sabemos que a indústria dos videogames está cheia de vícios, e a qualidade dos seus jogos e enormes investimentos feitos deixam o segmento preso aos gamers mais exigentes. Porém, no mundo da TV via internet, a Microsoft não vingou, e dispositivos como Roku e Apple TV mandam nesse segmento com mãos de ferro.

Google e Amazon também são fortes nesse setor. A TV pela internet não só é o futuro, mas está se transformando em um poderoso presente, onde mais e mais pessoas estão chegando. No caso da Amazon em particular, a lição de casa é feita direitinho na oferta de conteúdos, e aos poucos o Google está aprendendo como fazer.

O segredo do sucesso dos dispositivos da Amazon e Google podem estar nas necessidades do usuário. O Fire TV e o Nexus Player são dois ótimos dispositivos multimídia, que podem competir em pé de igualdade com o Apple TV e outros dispositivos, inclusive superando em muitos aspectos. Tanto Google como Amazon precisam fazer muita coisa para se igualar à oferta do Roku e Apple em países como os Estados Unidos, mas as duas compensam com uma maior flexibilidade em seus produtos.

nexus-tv

No mundo dos videogames, o cenário não é tão claro. A maioria dos desenvolvedores não estão convencidos com as ofertas da Google, Amazon, OUYA e outras empresas, e ainda não vemos jogos que podem sequer se aventurar a competir com o que podemos ver no Nintendo 3DS ou PS Vita. Os jogos para consoles Android ainda são muito ‘indies’, e é preciso mais do que isso para seduzir um público cada vez mais exigente.

Logo, podemos dizer que se você quer ver as suas séries favoritas no Netflix, reproduzir filmes a partir de um pendrive ou HD, e de vez em quando rodar alguns dos seus jogos favoritos de sua infância em um emulador, produtos como o Nexus Player ou o Fire TV estão prontos para te fazer feliz.

Se você deseja os videogames mais complexos e com gráficos de alta qualidade, comprar esses produtos pode ser o sinônimo de uma grande decepção pessoal.

Bancada de Testes | LG G3 Beat

by

g3beat

Parece o LG G3, mas não é. A assessoria de imprensa da LG do Brasil enviou para testes o LG G3 Beat, versão ‘com algumas restrições orçamentárias’ do modelo top de linha dos coreanos. O dispositivo terá o seu review completo publicado ainda nesta semana no TargetHD.net, e por enquanto, temos aquele tradicional vídeo de primeiras impressões.

O objetivo desse modelo é ser uma versão alternativa e de baixo custo do LG G3. A proposta de uso e alguns dos recursos inteligentes estão presentes nesse modelo, mas com o diferencial de ser um dispositivo de linha média, segmento de mercado que ainda segue em expansão.

Será que o LG G3 Beat realmente herda boa parte da excelente qualidade do LG G3? Para qual tipo de usuário ele é indicado? Será que ele pode bater de frente com o onipresente Motorola Moto G? Vamos descobrir quando o review final for ao ar.

Por enquanto, vídeo a seguir.

 

Nokia is back, bitches! (com o Nokia N1)

by

650_1000_nokia_n1

A Nokia voltou. Ok, não é a mesma Nokia velha de guerra, dos smartphones com design incrível, e cheia de fanboys espalhados pelo mundo. Mas a Nokia voltou. Voltou para o mercado do consumidor final, dos eletrônicos de consumo, voltou a ser assunto nos blogs de tecnologia. Com a ajuda do tablet Nokia N1.

É um recomeço. Fico feliz por eles em ao menos tentarem uma volta ao mercado de massa. Eu sempre fui adepto do ‘quanto mais, melhor’, e a saída da Nokia do mercado de smartphones foi uma perda significativa, mesmo entendendo que a culpa foi só da Nokia nesse caso (já que os finlandeses pararam no tempo). Mas isso não importa. O que vale é que temos um novo tablet no mercado, com algumas novidades interessantes, e um design muito familiar (um beijo, iPad mini).

Semelhanças de design de lado, o Nokia N1 já entra para a história como um dos primeiros dispositivos a contar com o conector USB type-C, que é reversível, permitindo a sua conexão nos dois lados. Algo relativamente esperado pela praticidade. Além disso, sua tela de 7.9 polegadas com resolução QHD (2560 x 1440 pixels) é algo que chama a atenção.

Também temos que destacar a presença do sistema operacional Android 5.0 Lollipop com a interface Z Launcher revestindo tudo. A versão dessa launcher para tablets é (por enquanto) exclusiva para o tablet da Nokia, o que pode ser um diferencial que pode chamar a atenção dos usuários que entendem que contar com uma interface otimizada para um tablet é algo melhor do que ter a interface nativa do Android.

650_1000_nokia-n1-android-tablet

O Nokia N1 é um tablet bonito, e que promete ser potente por conta da competência dos processadores Intel. Talvez um ponto ou outro não agrade tanto (como a GPU PowerVR), mas entendo que pelos US$ 250 cobrados pelo dispositivo, está tudo de bom tamanho.

De qualquer forma, temos algo a comemorar: a volta da Nokia aos noticiários de tecnologia, e oferecendo um produto que (teoricamente) chega para competir com os seus equivalentes chineses (olá, MiPad da Xiaomi). O Nokia N1 começa a sua jornada no mercado pela Ásia, para depois ir para outros continentes. Talvez incomode um pouco o fato do produto só ter previsão de ser lançado por lá em fevereiro de 2015 – quem sabe até lá a Nokia decida revelar quando o dispositivo vai chegar aos mercados ocidentais -, mas essa sempre foi a estratégia da ‘velha’ Nokia.

Resta saber se essa estratégia vai dar certo dessa vez.

Aí você me pergunta: o Nokia N1 vai chegar ao Brasil? Não faço ideia.

De qualquer forma… seja bem vinda de volta, Nokia!

650_1000_nokian17_1020_verge_super_wide

Te amo, Motorola Moto Maxx, mas você é caro para mim…

by

121034371_1GG

O melhor de todos. O mais poderoso. O mais completo. O Android ‘pica das galáxias’. Várias são as frases para denominar o Motorola Moto Maxx. Poucos são tão completos. Se eu quero ele? Claro que quero. Aliás, se a Motorola quiser me dar um nesse exato momento, recebo ele de braços e pernas abertas. Porém, como eu tenho quase certeza que isso não vai acontecer, só posso dizer que ele é caro demais para mim.

Os R$ 2.199 sugeridos pela Motorola Brasil pelo smartphone Android mais completo de 2014 não são tão elevados quando comparados com modelos top de linha da concorrência, que nem são tudo isso e custam mais caro. Porém, por ser um top de linha em todos os aspectos, ele acaba custando um valor que considero até justo para um dispositivo ‘premium’, e isso me impede de sair correndo para colocar o meu cartão de crédito na roda nesse exato momento.

Ok, eu sei que ele pode custar mais barato. E até vai. Aliás, já está custando: em alguns e-commerces nacionais, é possível encontrar o aparelho com preços abaixo dos R$ 2 mil, o que considero algo muito aceitável para um dispositivo desse porte. Aliás, eu quero acreditar que durante a Black Friday 2014 (não vamos discutir se a crença faz sentido, ou se a Black Friday é um engano) esses preços vão cair para, pelo menos, R$ 1.800, o que seria um valor menos sacrificante para o meu bolso.

121034371_2GG

Se bem que as minhas convicções pessoais me impedem de sair gastando mais do que R$ 1.500 em um smartphone, mas eu estaria disposto a fazer esse sacrifício em nome dos leitores do TargetHD – e em nome do meu vício por tecnologia.

A parte boa disso tudo é que eu posso esperar pelos reviews de colegas blogueiros de tecnologia que já estão com o smartphone nas mãos. Ou daqueles amigos mais adinheirados, que já compraram o dispositivo.

Ou talvez que a assessoria de imprensa da Motorola Mobility mande o novo Moto Maxx para testes o quanto antes. Ou quem sabe uma possível doação do aparelho após os testes, e… (é nessa parte do sonho que eu caio da cama).

Mas se você está com essa bala na agulha, pode comprar o novo Motorola Moto Maxx aqui mesmo. É só clicar no banner abaixo.

04-botao-clique037-180.jpg